Pesquisar este blog

Carregando...

America do sul


Argentina - Buenos Aires



cidade de Buenos Aires (lit. "Bons Ares", em espanhol) é a capital federal da República Argentina. Juntamente com sua área metropolitana (Grande Buenos Aires) forma a segunda maior aglomeração urbana da América do Sul, classificada entre os maiores centros urbanos do mundo.
 Buenos Aires


Buenos Aires encontra-se no hemisfério sul da América, a 34º 36' de latitude sul e 58º 26' de longitude oeste. A cidade, designada popularmente pelos locais como Capital Federal e cuja denominação oficial é desde 1996 Ciudad Autónoma de Buenos Aires (ou Ciudad de Buenos Aires), se estende sobre um terreno plano na margem à oeste do Rio da Prata de 19,4 quilômetros de norte a sul e 17,9 km de leste a oeste.
O setor de maior importância na economia é o dos serviços, que representa 74% do Produto Interno Bruto (PIB). A indústria manufatureira é o segundo, tendo gerado em 2006 $26.454 milhões - cerca de 17% do PIB.
A cidade é também o centro cultural de maior importância da Argentina e um dos principais da América Latina. A importante oferta cultural encontra-se representada na grande quantidade de museus, teatros e bibliotecas, sendo alguns deles os mais representativos do país. Também se destaca a atividade acadêmica, já que algumas das universidades mais importantes da Argentina têm sua sede em Buenos Aires. Deve destacar-se que a cidade foi eleita pela UNESCO como Cidade do Design em 2005.


Córdoba
 Córdoba

Córdoba é uma cidade muito pitoresca e histórica, situada no coração da Argentina. O tempo agradável e as mais belas paisagens fazem desta cidade um dos lugares que mais atraem os turistas.
A principal atração talvez seja vida universitária. Estudantes do país inteiro e dos países vizinhos vêm à Córdoba para estudar em suas prestigiadas instituições acadêmicas, transformando a cidade em um centro de juventude. A cidade cresceu significativamente na última década quando muitas novas indústrias instalaram-se na cidade.
A construção de edifícios, centros comerciais e a criação de novos bairros mudaram a aparência da cidade de um estilo clássico colonial para um estilo mais moderno e arrojado, mas mantendo em suas esquinas a beleza e as riquezas do seu rico legado colonial, como a igreja Cabildo e a famosa Universidade Nacional de Córdoba.
Córdoba é um lugar privilegiado e original. Diversas atividades esportivas e ao ar livre tais como natação, escalada, passeios a pé, pesca, equitação e trilha, entre outras,podem ser praticadas por aquele que visitam a cidade. Você também poderá visitar a Estância dos Jesuítas, que foi declarada pela UNESCO legado cultural da humanidade.
Além da beleza natural desta região, a diversidade cultural, a economia desenvolvida a hospitalidade dos "Cordobeses" fazem de Córdoba uma cidade muito atraente.

La Plata
Catedral Metropolitana de La Plata


Mar del Plata


Mar del Plata

Mar del Plata está localizada no estado de Buenos Aires (Partido de General Pueyrredón), a 400 km ao sul da cidade de Buenos Aires. Suas paisagens de planície pampeana e de serras que declinam sobre o oceano lhe renderam a expressão "a pérola do Atlântico".
Seu centro urbano, ainda que concentre a maioria da população, está rodeado pela beleza agreste e residencial da Serra de los Padres e dos bairros e paradas de San Francisco, Los Ortiz, Loma Alta, Quinta de Peralta Ramos, Félix U. Camet, Chapadmalal, El Boquerón, Las Hermanas, Valle Hermoso, entre outras. Desenvolvida sob o impulso do turismo, em Mar del Plata convivem perfeitamente o encanto de seus recursos naturais, a infra–estrutura e equipamento adequados e o espírito hospitaleiro de seus habitantes.
População: 600.000.
Costa: 47 km.
Clima: Temperado com influência marítima.
Temperatura média: 8ºC (inverno) / 20ºC (verão).

Mendoza
Mendoza


Mendoza é uma linda cidade moldada sobre uma depressão que se estende a leste dos últimos declives do conjunto de colinas aos pés da montanha, a 750 metros acima do nível do mar. 
Foi fundada em 2 de março de 1561 pelo Capitão Pedro del Castillo, como antecipada da Capitania Geral do Chile no então Vale de Huentata, povoado pelos índios huarpes, que haviam sido dominados pela civilização inca, da qual herdaram o sistema de irrigação artificial.
Atualmente a cidade está cortada, de norte a sul e de leste a oeste, por duas importantes rotas nacionais: a Nº. 40 e a Nº. 7, respectivamente. O núcleo central ocupa cerca de 150 quarteirões, incluindo o Bairro Cívico e os setores comerciais e bancários, diariamente visitados por uma população flutuante que supera amplamente a da cidade.
População: 130.000.
Clima: Seco.
Temperatura média: 8ºC (inverno) / 25ºC (verão). 
Rosario
 Rosario

Está localizada no estado de Santa Fe e possui a terceira parte do total de habitantes do território estadual (mais de um milhão). A maioria da população é descendente de italianos e espanhóis. Sua oferta de qualificação de mão–de–obra é comparável a dos países mais desenvolvidos, especialmente em níveis técnicos e profissionais.
O Grande Rosário, importante polo de desenvolvimento regional dentro do país, configura um centro industrial, comercial e financeiro estabelecido no coração da região produtiva agrícola e criadora de gados mais importante da República Argentina.
Rosário é o ponto de intersecção dos dois principais corredores de transporte que tendem a um desenvolvimento pleno e multimodal a partir do Mercosul. O corredor bioceânico une a cidade ao Oceano Pacífico por meio de Córdoba e Cuyo até Valparaíso (Chile). O sistema fluvial–marítimo da Hidrovia Paraguai–Paraná e o Rio da Prata conectam seu importante porto ao litoral argentino e à costa uruguaia, interligando–o, por meio da rota oceânica, ao restante do mundo. Unido também ao centro e ao norte do país por meio de excelentes conexões terrestres, oferece um elevado potencial para absorver os tráficos de comércio exterior, tanto do país quanto do Mercosul.
População: 908.163.
Clima: Temperado pampeano.
Temperatura média: 10º C (inverno) / 26º C (verão).



San Miguel de Tucumán

San Miguel de Tucumán

Acredita–se que o nome Tucumán provém do quéchua Yucuman, que significa "lugar onde nascem os rios".
A cidade foi fundada sob o amparo de São Miguel Arcanjo em 31 de maio de 1565, por Diego de Villarroel, originalmente na desembocadura da Quebrada do Português nos campos de Ibatín. Porém, devido à má qualidade da água e à perseguição calchaquí, foi modificada em 1685 para sua atual localização, na parada então denominada "La Toma", à margem direita do rio Salí.
Em 2000, foi declarada cidade histórica, tanto pelo valor de seu patrimônio arquitetônico e urbanístico quanto por seu papel destacado na história nacional. Em 9 de julho de 1816, um Congresso ali reunido declarou a independência da Espanha. Este gesto de emancipação ocorreu na chamada Casa da Independência, popularmente conhecida hoje por Casa de Tucumán.
Na cidade estão a Universidade Nacional homônima (fundada em 1914), a Universidade Tecnológica Nacional (criada em 1954), a Universidade do Norte São Tomás de Aquino e o Instituto Lillo, que se dedica a pesquisas biológicas.
População: 527.607.
Clima: Quente subtropical com estação seca no inverno.
Temperatura média: 13ºC (inverno) / 25ºC (verão).

San Carlos de Bariloche

San Carlos de Bariloche

Este centro turístico internacional se encontra ao noroeste do estado de Rio Negro, sobre a margem sudeste do Lago Nahuel Huapi, dentro do Parque Nacional de mesmo nome, a 764 metros acima do nível do mar.
A cidade, localizada no âmbito dos Andes Patagônicos, caracteriza–se por sua paisagem de montanhas, bosques, lagos e rios cristalinos, assim como por seu limite, a oeste: os altos cumes da Cordilheira, alguns dos quais se mantêm cobertos de neve durante todo o ano.
O esqui é a atividade esportiva mais praticada durante os meses de inverno austral, enquanto o remo, a pesca e as trilhas, juntamente com os esportes de aventura, são os favoritos durante o verão.
População: 274.509.
Clima: Frio continental com estação seca.
Temperatura média: 6ºC (inverno) / 18ºC (verão). 
Bolívia


A Bolívia (oficialmente Estado Plurinacional da Bolívia) é um país situado no centro-oeste da América do Sul, delimitada a norte e a leste pelo Brasil, a sul pelo Paraguai e pela Argentina e a oeste pelo Chile e pelo Peru. Juntamente com o Paraguai, é um dos países sul-americanos sem litoral marítmo. Também é o oitavo mais extenso nas Américas e o vigésimo sétimo do mundo. A capital oficial e sede do poder judiciário é Sucre e a sede do governo (poder executivo e legislativo) é La Paz.
Bolívia


A Bolívia é um país multicultural com muitas riquezas naturais e arqueológicas. Destaca-se a cultura Tiwanaku que se desenvolveu no que é hoje a região ocidental do país e cujos conhecimentos avançados foram legados ao Império Inca. Menos conhecidos são os vestígios culturais arqueológicos na região oriental tropical da Bolívia onde, entre outras, desenvolveu-se a Cultura Hidráulica das Lomas, nas planícies de Moxos, atualmente pertencentes ao Departamento de Beni.
Brazil


Acre - Rio Branco



Rio Branco é um município brasileiro, capital do estado do Acre. Localizado no Vale do Acre, na região Norte do Brasil, é o mais populoso município do Estado, com 305.954 habitantes, segundo estimativa de 2009 - quase metade da população estadual.


Centro Administrativo de Rio Branco


Rio Branco foi também um dos primeiros povoados a surgir nas margens do rio Acre. Em 1913, tornou-se município. Em 1920, capital do território do Acre e, em 1962, capital do estado.
É o centro administrativo, econômico e cultural da região.

Parque da Maternidade


Passarela Joaquim Macedo


Avenida Ceará


Municipio de Rio Branco


Palacio de Rio Branco


 
 
Alagoas - Maceió


Maceió é a capital do estado brasileiro de Alagoas. Localizada no Nordeste do país, tem uma população de 936.314 habitantes (2008) e um território de, aproximadamente, 511 km². Integra, com outros dez municípios, a Região Metropolitana de Maceió, somando um total de cerca de 1,1 milhão de habitantes (IBGE/2007). Sua altitude média é de sete metros acima do nível do mar, e tem uma temperatura média de 25°C. O município situa-se entre o oceano Atlântico, que o presenteia com o conjunto de belas praias urbanas e a lagoa Mundaú, que tem grande importância econômica para os povoados de pescadores que vivem em sua margem. É sede da Universidade Federal de Alagoas.


Maceió- Alagoas


Ponto turistico de Maceió


Um vista mais ampla de Maceió - Alagoas


Orla Maritima


Praia de Pajuçara - Maceió Alagoas





Amapá - Macapá


Macapá é um município brasileiro, capital do estado do Amapá. Localizada no sudeste do estado, é a única capital estadual que não possui interligação por rodovia a outras capitais. Ademais, é a única cortada pela linha do Equador. Segundo pesquisas feitas pelo IBGE em 2009, a cidade conta com uma população de 366 484 habitantes em uma área de 6 563 km², resultando em uma densidade demográfica de 52,4 hab./km².

Macapá


É a quarta cidade mais populosa do norte do Brasil, atrás apenas de Manaus, Belém e Porto Velho. A cidade vem se destacando da maioria do municípios do Brasil pelo crescimento econômico e populacional bem acima das médias nacionais.

Ponto Turisticos

Cachoeira de Santo Antônio, Laranjal do Jari, AP

Cachoeira de Santo Antônio, Laranjal do Jari, AP


Município de Laranjal do Jari, a 270 Km de Macapá. Chegando em Macapá, você deve pegar um transporte até o município de Laranjal do Jari (lógico), que pode ser um ônibus de qualquer empresa existente no Estado, ou uma besta, que também faz linha para o Laranjal do Jari, com saídas diárias às 8:00 e às 16:00 hs da rodoviária de Macapá. Chegando ao município, você poderá pegar uma catraia no rio Jari para fazer o trajeto até a Cachoeira, sendo que quando eles fazem viagens para a Cachoeira, eles passam o dia no local, e aí você pode ficar curtindo por lá.

Cachoeira Grande


Cachoeira Grande


Localizada na Região Centro Leste do Estado, entre os Municípios de Amapá e Calçoene, à 302 km de Macapá, o acesso e feito pela BR 156, sendo excelente para o banho. A cachoeira é formada de corredeiras sobre formações rochosas que culminam com uma precipitação de médio porte em forma de cascata.

Fenomeno da Pororoca


Fenomêno da Pororoca



A pororoca (do tupi "poro'roka", de "poro'rog", estrondar) é um fenômeno natural produzido pelo encontro das correntes fluviais com as águas oceânicas. Pororoca: Elevação repentina de grandes massas de água junto a foz de grandes rios como o Amazonas;provocadas pelo encontro de marés ou de correntes contrárias. Atinge a altura de 3 a 6m. É melhor percebido quando da mudança das fases da Lua, ou seja, desde dois dias antes até três dias após, particularmente nos equinócios em cada hemisfério, e com maior intensidade quando das ocorrências de maré viva (sizígia), nas Lua Cheia e Nova.
O fenômeno das marés, ao elevar o nível das águas oceânicas, faz com que as mesmas invadam a desembocadoura dos rios, podendo formar ondas de até dezenas de metros de largura, pode chegar a medir de três a seis metros de altura, e velocidades de até trinta a cinqüenta quilômetros por hora (10 a 15 milhas por hora). Esta poderosa onda pode durar de quinze á trinta minutos.
O fenômeno manifesta-se, no Brasil, na foz do rio Amazonas e afluentes do litoral paraense e amapaense (rio Araguari, rio Maiacaré, rio Guamá, rio Capim, rio Moju), e na foz do rio Mearim, no Maranhão. Esse choque das águas derruba árvores de grande porte e modifica o leito dos rios.
Outros rios no mundo apresentam, em diferentes escalas, o mesmo fenômeno, com outras designações:
na França, na foz dos rios Gironda, Charante, Sena, é conhecido como mascaret e barre;
na Inglaterra, na foz dos Tâmisa, Severn, Trent e no Hughly, com o nome de bore
em Bangladesh, na foz do rio Megma, no delta do Bramaputra, como macaréu;
na China, na foz do Iang-tsé, denominado em chinês como trovão e pelos britânicos de cager.
na foz de rios em Bornéu e Sumatra, no Extremo Oriente;
nos Estados Unidos da América, na foz dos rios Colúmbia e Colorado.
Recentemente, no Brasil, o fenômeno tem atraído praticantes do surfe, transformando-se numa atração turística regional amazônica.

Fortaleza de São José de Macapá


Fortaleza de São José de Macapá



Encontramos por toda a Costa litorânea do Brasil e por todas as fronteiras terrestres, velhas fortificações, edificadas no período colonial.
Iremos sentir que essa Fortaleza é o símbolo de uma época remota, com as quais garantimos a existência desde o começo.A Fortaleza de São José de Macapá, foi arquitetada no mesmo local da Fortaleza de Santo Antônio de Macapá. Foi idealizada devido a necessidade de afastar flibusteiros ingleses e holandeses, assegurando ainda a conquista definitiva do Rio Amazonas.
Assim o fizeram os governadores do Grão-Pará, João de Abreu Castelo Branco,
em 5 de outubro de 1738, Francisco Pedro de Mendonça Gurjão, em 8 de março de 1749 e Francisco Xavier de Mendonça Furtado, em 1º de novembro de 1752, quando resolveu D. José I, Rei de Portugal e Brasil, aprovar o plano de organização da Companhia do Grão-Pará, idealizada em 4 de novembro de 1758 e a construção de uma poderosa fortificação. Foi em 1764 que se tratou de levantar a planta da Fortaleza de São José de Macapá e dar princípio à construção. Em janeiro desse ano o Governador e Capitão-General Fernando da Costa de Athayde Teive foi à Vila de São José de Macapá, e, em companhia do Engenheiro Henrique Gallúcio e outros profissionais, astrônomos João Brunélli e Miguel Antônio Cícero, e os engenheiros Gaspar João Geraldo de Gronfelts, Domingos Sambucete e Antônio Laude, examinaram o terreno e aprovaram o plano da Fortaleza.
Ainda no mesmo ano, em 29 de junho, dia de São Pedro, lançou-se a primeira pedra no ângulo do baluarte sob a invocação deste santo, com o cerimonial do estilo, achando-se presente o Governador Athayde , o Coronel Nuno da Cunha de Athayde Verona, comandante militar da praça, o engenheiro Gallúcio, o Senado
da Câmara e todas as autoridades civis, militares e religiosas da vila.
Considerado o mais belo, o mais imponente e o mais sólido monumento militar do Brasil no período colonial, a planta era do engenheiro Henrique Antônio Gallúcio, estilo Vauban, de oitava classe, em quadrado e seus baluartes pentagonais nos vértices. A estes baluartes deu o governador os nomes de Madre de Deus, São Pedro, Nossa Senhora da Conceição e São José. Em julho de 1766, achavam-se concluídos os baluartes de São Pedro, Nossa Senhora da Conceição e o terceiro em vias de conclusão.
Os engenheiros e técnicos que a construíram, enfrentaram grandes dificuldades na movimentação do terreno, na condução dos blocos de pedras, na edificação do monumento propriamente dita. Trabalharam durante dezoito anos até darem por concluída a empreitada gigantesca que iniciaram.
A Fortaleza de São José de Macapá é Patrimônio Histórico, tombado pelo Instituto Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), sob o processo  nº 432/T/50, inscrição nº 269 no livro do Tombo Histórico em 22 de março de 1950.
Em 1997, o Governo do Estado do Amapá iniciou o processo de restauração da Fortaleza de São José de Macapá, estando atualmente em fase conclusiva das obras interiores.
A implantação de atividades educativas, científicas e de lazer nas dependências desta Fortificação são atividades necessárias para preservá-la e valorizá-la. Neste sentido, o uso público é o dado balizador para apropriação da herança patrimonial da humanidade.

Marco Zero do Equador, Macapá, AP



Marco Zero do Equador, Macapá, AP


Monumento construído para sinalizar a passagem da Linha do Equador, dividindo o Hemisfério Norte e Sul. É constituído por um obelisco de 30 metros de altura que tem uma abertura circular no alto. Nos Equinócios (março e setembro), ao entrar a luz do Sol, projeta uma bola de luz, que cai na linha do Equador. As pessoas podem assistir a esse fenômeno todos os anos .

Museu Sacaca


Museu sacaca


Através de palestras, exposições e seminários, o Museu transmite à comunidade, os trabalhos desenvolvidos pelo Governo do Estado, através do Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Amapá - IEPA. É uma alternativa de multiplicação de informações sobre os avanços tecnológicos, possíveis de aplicação na busca da melhoria de qualidade de vida.
Centro de Pesquisas Museológicas - CPM
O CPM Museu Sacaca atua promovendo ações museológicas de pesquisa, preservação e comunicação, interagindo o saber científico e o saber popular dos povos amazônicos. Divulga as pesquisas realizadas pelo IEPA, através das exposições e oficinas pedagógicas.
Endereço para visita:
Av. Feliciano Coelho, 1509 - Bairro do Trem
Telefone: (96) 3212 5342 begin_of_the_skype_highlighting (96) 3212 5342 end_of_the_skype_highlighting
Horário de visitação:
Segunda à Sexta - manhã: de 07:30 às11:30h, tarde14:30 às 17:00 h
Sábado - tarde: de 15:00 às 18:00h.

Oiapoque


Oiapoque


Oiapoque é um município do estado do Amapá, no norte do Brasil. Sua área é de 22.625 km²; a população, segundo o IBGE, era de 20.962 habitantes em agosto de 2009 ; a densidade demográfica era então de 0,71 hab/km².

Pedra do Guindaste


Pedra do Guindaste

Localizada em frente a cidade de Macapá ao lado do Trapiche Eliezer Levy, cerca de 300 metros da margem do Rio Amazonas. A pedra original foi derrubada pela colisão de um barco, em seu lugar foi construído um bloco de concreto e sobre ele uma imagem de São José - Padroeiro da Cidade de Macapá. Existem muitas lendas em torno da Pedra do "Guindaste", que ao longo dos tempos vem servindo de inspiração a muitos artistas regionais. Podendo ser observada do Trapiche Eliézer Levy.

Parque Nacional do Cabo Orange


Parque Nacional do Cabo Orange

O Parque Nacional do Cabo Orange situa-se nos municípios de Oiapoque e Calçoene, na região norte do estado do Amapá, Brasil. Possui uma área de 442.437,00 (ha). O perímetro do parque é de 523.041,495 metros. É administrado pelo IBAMA.

Praia da fazendinha


Praia da fazendinha


Localizada a 16 Km de Macapá, banhada pelo rio Amazonas, oferece aos banhistas uma bela paisagem, uma rede de bares e restaurantes com os mais variados pratos típicos da região.

Praia de Araxá



Praia de Araxá


Localizado na Orla do Rio Amazonas, distante do centro de Macapá 04 Km composta de areias escuras e água barrenta do rio, compondo complexo turístico de 04 Bares, 06 Quiosques, 01 Quadra de Futebol e uma de Vôlei. Sendo um novo point turístico de Macapá.

Teatro das Bacabeiras



Teatro das bacabeiras


Dos principais teatros da Amazônia, o Teatro das Bacabeiras, de Macapá, é provavelmente o mais novo e um dos poucos que não remete a um período histórico da cidade. Ele foi construído entre 1984 e 1990, bem depois de terminados os tempos dos barões ou a belle époque da borracha. Apenas treze anos de existência já são suficientes para transformá-lo no palco maior da cultura na capital amapaense.
A inauguração do teatro data de 9 de março de 1990, quando foi apresentado um grandioso espetáculo teatral com a participação de diversos grupos. Àquela época, o Bacabeiras ainda se chamava Cine Teatro de Macapá, já que o mesmo espaço utilizado para a encenação de peças era aproveitado para a exibição de filmes. Só que o tempo foi passando, Macapá foi ganhando salas de cinema mais modernas e a quantidade de espetáculos artísticos que precisava daquele espaço foi crescendo. Achou-se então mais adequado rebatizar a casa para o nome atual. A mudança foi oficializada em 9 de março de 1992, por ocasião do segundo aniversário do teatro.
Não é só a pouca idade que diferencia o Bacabeiras de seus equivalentes nas demais capitais amazônicas. A arquitetura é um ponto que também chama a atenção. Com linhas modernas de estilo italiano, o teatro é considerado um dos maiores patrimônios arquitetônicos de Macapá. Belo por fora, funcional por dentro. O teatro tem, além do espaço principal com 705 lugares, salas secundárias destinadas à realização de oficinas, à projeção de filmes e aos ensaios dos espetáculos.
A Versatilidade e a importância tornam o Teatro das Bacabeiras palco de inúmeras ações desenvolvidas pela Fundação Estadual de Cultura do Amapá (Fundecap). Integram essas realizações os projetos Arte Na Quinta (que reserva o palco principal do teatro às quintas-feiras para manifestações artísticas de caráter experimental ou alternativo), Cinemax (que promove a exibição comentada de filmes nacionais em película ou vídeo), Escadaria (que utiliza uma vez por mês as escadarias do teatro como palco para apresentações) e Encontro com o Artista (debates mensais entre o público e representantes das mais diversas linguagens artísticas).
Todas essas iniciativas demandam cuidado e conscientização para a preservação do teatro. A última grande reforma do Bacabeiras durou mais de um ano, entre fevereiro de 2001 e junho de 2002. Foram restaurados o sistema de refrigeração, a infra-estrutura básica de alvenaria, as madeiras de revestimento acústico, os espelhos e materiais similares, os forros de gesso, toda a caixa cênica, as poltronas, os carpetes e o sistema de som e iluminação. A manutenção é feita através de pequenos reparos num recesso anual, que acontece sempre em janeiro, mês em que o teatro sempre fica fechado.
Hoje tem se trabalhado intensamente pela inserção no Bacabeiras de iniciativas de cunho sócio-cultural e parcerias com ONGs que desenvolvem projetos na área da cultura, como cineclubes, clubes de atores e entidades ligadas à música. Isso é mais uma prova de que um teatro não precisa ser antigo para ser o mais representativo de uma cidade.



Amazonas - Manaus



Manaus é uma cidade brasileira, capital do estado do Amazonas e principal centro financeiro da região norte do Brasil. Situa-se na confluência dos rios Negro e Solimões. É a cidade mais populosa da Amazônia, de acordo com as estatísticas do IBGE e bem conhecida pelo ecoturismo. Manaus pertence a mesorregião do Centro Amazonense e a microrregião de Manaus. É localizada no extremo norte do país, a 1932 quilômetros da capital federal, Brasília.

A vista de Manaus



Fundada em 1669 com o forte de São José do Rio Negro. Foi elevada a vila em 1832 com o nome de Manaus, que significa "mãe dos deuses", em homenagem à nação indígena dos Manaós, sendo legalmente transformada em cidade no dia 24 de outubro de 1848 com o nome de Cidade da Barra do Rio Negro. Somente em 4 de setembro de 1856 voltou a ter seu nome atual. A cidade de Manaus é a capital do estado do Amazonas no Brazil e conta com cerca de 2 milhoes de habitantes. Espera-se que a cidade de Manaus dentro de 10 anos atinja os 3 milhoes de habitantes. Manaus é o mais importante centro de comercio da regiåo do Amazonas. Por volta da viragem do seculo em 1900 floresceu Manaus devido a Industria da Borracha. Enquanto os Seringueiros na floresta morriam de fome e doenças, mandavam construir os ricos Baroes da borracha grandes casas. Assim tambem foi o Teatro do Amazonas construido. Tambem agora tem Manaus um extenso terreno industrial e um importante Porto De exportacåo e importaçåo
Teatro de Manaus


A industria atraie muitas pessoas do interior para Manaus, elas esperam encontrar aqui A sua subsistençia e reconstruir a sua vida. As diferenças entre ricos e pobres såo no Brazil em todo o lado enormes. Que ricos e pobres tåo perto e tåo longe de si podem viver é para o padrå o de vida Europeu quase inadmissivel
Ficou conhecida no começo do século XX, na época áurea da borracha. Nessa época foi batizada como Coração da Amazônia e Cidade da Floresta. Atualmente seu principal motor econômico é o Pólo Industrial de Manaus, em grande parte responsável pelo fato de a cidade deter o 7º maior PIB do país, atualmente.
Sétima cidade mais rica do Brasil, a cidade possui a segunda maior região metropolitana do norte do país, e a décima segunda do Brasil, com 2.006.870 habitantes (IBGE/2009).Na capital amazonense residem atualmente (2009) 1,73 milhão de pessoas, sendo a oitava cidade mais populosa do Brasil de acordo com dados do IBGE. A cidade aumentou gradativamente a sua participação no PIB brasileiro nos últimos anos, passando a responder por 1,4% da economia do país e abriga a primeira universidade do Brasil, a Universidade Federal do Amazonas fundada em 1909. Representa sozinha 49,9% da população do Amazonas e 10,89% da população de toda a Região Norte do Brasil.


Hotel Tropical


Manaus


Praia de Manaus


Cidade de Manaus


Bahia - Bom Jesus da Lapa



Bom Jesus da Lapa é um município brasileiro do estado da Bahia, situado a 796 km da capital estadual. A sua população em 2007 era de 62.199 habitantes conforme o IBGE, mas a estimativa em 2009 tenha aumentado para 66.192 habitantes. Possui uma área total de 4148,5 km² e é banhada pelo rio São Francisco. Suas atividades econômicas estão baseadas na agricultura, comércio, turismo e pesca.
A cidade de Bom Jesus da Lapa concentra a segunda maior festa religiosa católica do Brasil, no mês de agosto, conhecida como a procissão ou romaria do Bom Jesus em que atrai milhares de fiéis todos os anos, por este motivo é conhecida como a “Capital Baiana da Fé”.
O grande diferencial entre Bom Jesus da Lapa e as outras cidades da região é o morro em estilo gótico e suas grutas que lhe conferem um clima místico e diferenciado.

Bom Jesus da Lapa




História

A região fazia parte da sesmaria do Conde da Ponte, Antônio Guedes de Brito, quando Francisco de Mendonça Mar, peregrino para uns, andarilho para outros, descobriu um morro à margem direita do Rio São Francisco, em 1691. Nas redondezas do lugar existiam apenas alguns currais de gado e empregados de Antônio Guedes. O monge, como mais tarde ficou conhecido, tinha por esse tempo uns trinta anos. Distribuiu os seus bens, fez-se pobre, andou pelo sertão vestido de um grosso burel e carregando uma imagem do Bom Jesus. Caminhou cerca de duzentas léguas por entre tribos de índios, esteve exposto aos perigos das onças e outros animais selvagens que abundavam nas florestas virgens do sertão.

Em 1691, Francisco de Mendonça Mar descobre o morro que viria a ser o Santuário de Bom Jesus da Lapa. Numa de suas inúmeras grutas, começa uma vida de eremita, devoto do Jesus e de Maria da Soledade.
 
Bom Jesus da Lapa


A cidade de Bom Jesus da Lapa começou sua existência à sombra do Santuário do Bom Jesus. Na data em que o Monge chegou a este lugar, havia entre o morro e o rio São Francisco apenas algumas palhoças de índios Tapuias. Mas, com o tempo, foram agregando-se devotos que resolveram fazer sua moradia perto do lugar, onde se achava a imagem do Bom Jesus. O Monge construiu junto ao Santuário, um hospital e um asilo para os pobres e doentes, dos quais cuidava. Assim começou a crescer ao lado da lapa do Bom Jesus um povoado, assumindo o mesmo nome de Bom Jesus da Lapa.
Graças às constantes peregrinações que se transformaram em grandes e permanentes romarias de fiéis ao Santuário do Senhor Bom Jesus, o povoado foi se desenvolvendo, transformando-se em vila em 1870, atingindo a categoria de cidade em 1923 e chegando a ser município em 1953.
Ainda hoje a crença Católica é muito forte na cidade e isso se reflete nas inúmeras igrejas espalhadas por todos os bairros.


Bom Jesus da Lapa


Centro – É o bairro mais movimentado de toda a cidade. Nele estão os principais pontos comerciais da cidade: famárcias, supermercados, clínicas particulares, bancos, casas lotéricas etc. Também comporta o Santuário do Bom Jesus, a praça Marechal Deodoro (antiga praça da prefeitura) , a Câmara de Vereadores, algumas secretarias, o Hospital Municipal Carmela Dultra, a sede da CODEVASF e a Filarmônica Euterpe Lapense.
São Gotardo – Abriga escritórios de advocacia, a lagoa do São Gotardo, que, na época de chuvas, alaga as casas adjacentes.
Amaralina - Considerado um dos bairros nobres da cidade, por conter casarões e ser muito calmo, nele pode-se encontrar o Ginásio de Esportes do município, o Estádio Benjamim Farah, o campus da Universidade do Estado da Bahia - UNEB e a Catedral Nossa Senhora do Carmo (em construção).
João Paulo II – É um bairro humilde localizado entre a Amaralina e a Vila Nova. Continha casinhas padronizadas, escolas municipais e estaduais e pessoas de baixo poder aquisitivo.

Bom Jesus da Lapa



São João - Nele se encontram o Colégio e a Biblioteca Pública Estadual Luís Eduardo Magalhães, o aeroporto da cidade com vôos para Salvador, Guanambi e Barreiras e alguns vôos particulares para Brasília e demais capitais, o Fórum Bernadino de Souza e é onde acontece anualmente uma das festas joninas mais animadas da cidade. Pode se encontrar também a igreja do São João.
Maravilha I & II – São bairros recém formados. Ainda não receberam pavimentação, mas estão se desenvolvendo.
Beira Rio – Bairro de classe média baixa, é próximo ao Mercado Municipal. Abriga o cáis do Rio São Francisco. Há um calçadão ao redor do rio onde dá acesso ao Santuário do Bom Jesus.
Cavalhadas – É próximo ao Beira Rio e ao Iraque. É bem simples e nele encontra-se uma pracinha.
Barrinha – Localiza-se do outro lado do rio. Um bairro distante da cidade, mas com uma vista deslumbrante para o Rio São Francisco.


Bom Jesus da Lapa


João Paulo II - Lá se encontra uma Feira Livre, realizada aos domingos, também temos as escolas municipais Agenor Magalhães, Martinha Gonçalves além das estaduais Maria Vitalina Maria de Jesus e Isabel Bonfim, acontece anualmente o Arraiá da Catarina realizado na Rua Santa Catarina.
Jurema – Um bairro distante da cidade, não é calçado.
Nova Brasília - O bairro mais próximo a gruta do Bom Jesus, recebe em torno de 1 milhão de pessoas todos os anos na festa do Bom Jesus e de Nossa Senhora da Soledade, é um bairro considerado periférico pois suas ruas são muito pequenas e suas casas mal construídas mas é de extrema importância para a cidade, nele se encontram o cais e uma das agências dos Correios.
Parque Verde - É um bairro arborizado, além de ser povoado e ficar ao lado da entrada da cidade, serve como rota de escape para os veículos que querem chegar ao interior do município sem passar pelo trânsito do centro.

Bom Jesus da Lapa



Vila Maia - E considerado um dos bairros mais pobres da cidade pois lá nõo existe nenhum tipo de pavimentaçao, seus esgotos são a céu aberto a muita dificuldade para se encontrar algo lá que é o bairro mais distante do centro.
Lagoa Grande – Localizado na saída da cidade. Abriga o aeroporto da cidade e a rodoviária.
Bairro Magalhães Neto - Bairro vizinho ao João Paulo II, também conhecido como "casas de bloco", pelo fato de terem suas casas construídas com blocos de alvenaria, também um lugar simples, lá encontramos a Praça do Magalhães Neto além da Igreja de São Miguel.

Bom Jesus da Lapa

Bom Jesus da Lapa



Bahia -  Barreiras

Barreiras é um município brasileiro do estado da Bahia, emancipado em 26 de maio de 1891.



Barreiras - Bahia




História

As terras do atual município de Barreiras faziam parte da imensa sesmaria de Antônio Guedes de Brito - o conde fundador do Morgado da Casa da Ponte. As que se prestavam à lavoura e criação foram vendidas no século XVII por descendentes seus a José Alves Martins, Domingos Afonso Serra e outros, ficando devolutas as chapadas das serras. O segundo deles, Domingos Afonso Serra, fez a Fazenda Tapera, onde criou gado. Após sua morte, a fazenda foi inventariada e vendida a diversos, quando se presume terem surgido as primeiras moradias.

Cachoeira do Redondo


Em 1850, habitava uma casinha junto ao porto, em terreno da Fazenda Malhada, de propriedade do coronel José Joaquim de Almeida, o barqueiro Plácido Barbosa, tido como o pioneiro do município, que juntamente com seu patrão, Francisco José das Chagas, morador a meia légua dali, se ocupava de receber e descarregar as barcas chegadas, cujas mercadorias fazia seguir em tropas de animais para localidades vizinhas do estado de Goiás ou para fadas da Ribeira. Em 1880 era um povoado com 20 casebres de taipa ou adobe. A grande abundância, nas matas locais, da mangabeira, de cuja seiva se fazia a borracha, foi fator definitivo de crescimento e de uma nova atividade econômica, pela qual o acanhado povoado pôde progredir mais rapidamente e obter, logo no ano seguinte, 1881, a criação de sua freguesia.


Cachoeira do Acaba-Vida


Mais 10 anos de franca prosperidade passou a ser distrito de paz do município de Angical, em virtude de Lei municipal de 20 de fevereiro de 1891. Em seguida ganhou a categoria de vila, a que foi elevado pela Lei estadual nº 237, de 6 de abril de 1891, que também criou o município respectivo, com território desmembrado do de Angical. A vila e o Conselho Municipal começaram a funcionar em 26 de maio de 1891, enquanto o "Fórum", em agosto do mesmo ano.

Igreja São João Batista


A sede municipal adquiriu foros de cidade pela Lei estadual nº 449, de 19 de maio de 1902, investindo-se nessa categoria em 15 de novembro desse mesmo ano, quando já possuía mais de 630 casas e 2.500 habitantes.
Em 15 de março de 1943 começou a operar uma agência do Banco do Brasil, o primeiro banco da cidade.

Rio de Ondas

Bahia - Castro Alves


Castro Alves é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a uma latitude 12º45'56" sul e a uma longitude 39º25'42" oeste, estando a uma altitude de 278 metros. Sua população estimada em 2004 era de 24 939 habitantes.
Possui uma área de 767,345 km².
Municípios Limítrofes: Conceição do Almeida, Sapeaçu, Elisio Medrade, Varzedo, Santa Teresinha; Cabaceiras do Paraguaçu, Muritiba e Rafael Jambeiro.


Castro Alves - Bahia



História

A história do município começa no século XVIII, quando a então sesmaria de Aporá foi desmembrada em duas, sendo uma delas doada a João Evangelista de Castro Tanajura, que, para colonizá-la, distribuiu terras com a condição de que os beneficiários iniciassem plantações e construíssem moradias e currais.
Uma das suas históricas construções, a Fazenda Curralinho, erguida pelo capitão Antônio Brandão Pereira Marinho Falcão, deu origem ao local onde hoje está situada a sede de Castro Alves.
Devido à sua posição como parada obrigatória de tropeiros que viajavam do Recôncavo para a região de Rio de Contas e para as Minas Gerais, a área acabou conquistando rápido progresso.
Por Lei Provincial de 26 de junho de 1880, tendo a denominação de Vila de Curralinho, o município foi criado com território desmembrado de Cachoeira. A sede foi elevada à categoria de cidade através de Lei Estadual de 22 de junho de 1893.

Castro Alves - Bahia


A cidade recebeu o nome de Castro Alves em 1900, em homenagem ao Poeta dos Escravos, nascido na então Fazenda Curralinho.


Castro Alves - Bahia

Castro Alves - Bahia



Bahia -  Camaçari



Camaçari é um município brasileiro do estado da Bahia.


Camaçari - Bahia



História

A história da ocupação do território de Camaçari nos remete aos primeiros anos da colonização, quando em 1558, foi criada a Aldeia do Divino Espírito Santo pelos padres jesuítas reunindo índios das várias aldeias tupinambá, ao redor de uma capela de taipa sob o comando do padre João Gonçalves e o Irmão Antonio Rodrigues às margens do Rio Joanes.


ponte sobre o rio jacuipe


A consolidação do domínio tupinambá nos oito mil anos de história indígena, sua dispersão no litoral e constantes conflitos com os denominados tapuias e posterior relação com as populações marginalizadas do processo produtivo (quilombolas) ainda estão por ser estudados.
Em 1562, na Igreja de "Santos Spiritus" ajuntaram sete aldeias, com mil almas cristãs. Há indícios que esses índios tenham participado da "guerra do Paraguaçu", apesar de serem tupinambás, assim como os índios do Vale do Paraguaçu (região onde é hoje o povoado de São Francisco de Iguape, pertencente a Cachoeira) e mais tarde já entre 1624 – 1640, os índios da aldeia do Espírito Santo participaram da luta contra a invasão holandesa, juntamente com o pessoal da Casa da Torre (hoje pertencente ao município de Mata de São João) o que fez crescer o índice de mortalidade por sucessivas epidemias e fome. Registrando-se antes mesmo da expulsão dos jesuítas no governo do Marquês de Pombal em 1755.


rio jacuipe



Após a expulsão dos jesuítas, a aldeia passou à categoria de Vila por provisão do conselho Ultramarino, Alvará Régio de 27 de setembro de 1758, denominando-se Vila Nova do Espírito Santo de Abrantes - Vila de Abrantes - com a Inauguração da Casa da Câmara e cadeia municipal (senado da Câmara e Pelourinho).
A vila foi extinta em 1846 pela Resolução provincial nº 241, de 16 de abril, sendo integrada ao município de Mata de São João. Em 1848 foi restabelecida pela Resolução nº 310, de 3 de junho, tendo o território desmembrado de Mata de São João.

barra de jacuipe


Entre os séculos XVIII e XIX. tem-se a administração da Marquesa de Niza, através de Tomas da Silva Paranhos, que enviava juros e rendas (enfiteuses e laudêmios) até adquirir a propriedade. Este latifundiário deixou 9 herdeiros, entre eles Maria Joaquina da Silva Paranhos, casada com José Garcez Montenegro de quem descende o desembargador Tomas Garcez Paranhos Montenegro.
No final do século XIX, com a expansão da malha ferroviária baiana, cujas principais diretrizes eram a integração com o recôncavo e a região do São Francisco, onde Camaçari está estrategicamente situada entre as duas bifurcações (uma em Simões Filho em direção ao recôncavo e Alagoinhas, onde a estrada toma neste ponto outras duas direções – Médio São Francisco e Litoral Norte). Abrantes, cuja importância se devia a ocupação pelos jesuítas e limitada exploração agrícola nas terras da Marquesa de Niza perdeu importância econômica em relação ao desenvolvimento que o interior passou a oferecer, a sede do município passa a ser em Parafuso (tendo posteriormente a construção da estação de trem). Por força política houve o retorno da sede para Abrantes em 1892.


Camaçari - Bahia


A primeira composição administrativa (municipal) de Vila de Abrantes (sede), abrangia os distritos de Abrantes, Monte Gordo e Ipitanga (atual Lauro de Freitas). A lei municipal de 22 de março de 1920 criou o distrito de Camaçari, com território desmembrado de Abrantes, criação essa, confirmada pela Lei estadual nº 1422, de 4 de agosto desse mesmo ano.
A lei estadual nº 1809, de 28 de julho de 1925, modificou-lhe o topônimo para Montenegro (em homenagem ao Desembargador Tomas Garcez Paranhos Montenegro) e transferiu-lhe a sede para o arraial de Camaçari, elevado a categoria de vila. Mas em 1938, em razão do Decreto-lei estadual nº 10.724, de 30 de março de 1938, em que todos os municípios passaram a ter o nome de suas respectivas sedes, o município passou a denominar-se Camaçari, constituindo-se dos distritos de Camaçari, Abrantes, e Monte Gordo. Incluindo as localidades, Parafuso e Dias d’Ávila que foi elevada à categoria de Vila e Distrito em 1953 (lei nº 628 de 30 de Dezembro de 1953).
Lauro de Freitas, em 1880, passou integrar o distrito de Montenegro, atual Camaçari. Em 1932 retornou a Salvador.

Iterlago Alphaville


Em 1957, estimava-se uma população de 4300 habitantes, caracterizou-se como a principal cidade de veraneio da região pela excelência de suas águas minerais.
A separação do Distrito de Dias d’Ávila, transformado em município segundo Lei Estadual nº 4404 ocorreu em 25 de dezembro de 1985, reduzindo a área de Camaçari para 773 km². Existem tendências separatistas para a desagregação do distrito de Vila de Abrantes. A lógica da agregação e desagregação em unidades administrativa municipais, bem como a distribuição demográfica em localidades, arruados, aldeias, arraiais, vilas, distritos e municípios, ainda precisa ser melhor esclarecida.
Passou a existir na região um padrão de ocupação a partir da agricultura de sobrevivência, roças, arruados, chácaras e sítios. Existindo no município, hoje, aglomeração de populações de remanescentes de quilombo.


Camaçari - Bahia


O município possui sobrevivências africanas da capoeira de Angola, candomblés e artesanatos, onde percebemos as influências indígenas numa fusão com as africanas. Estão presentes no município as etnias Bantus e Yorubás na sede e Orla.
As mais intensas transformações das paisagens e populações do município se dão a partir da década de 70, quando se inicia o processo de implantação do Pólo Petroquímico e mais tarde com a implantação da Ford e pólo de Apoio (2000) além da construção da estrada litorânea que liga o estado da Bahia a Sergipe.


Camaçari - Bahia



Bahia - Canavieiras

Canavieiras é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 36.504 habitantes. Cidade histórica que tinha no cacau a sua principal fonte de renda, com o advento da crise cacaueira, passou a dar maior atenção ao turismo.


Hafenzeile,Canavieiras


Canavieiras é ainda uma cidade conhecida pela pescaria de Marlin Azul, uma nobre pescaria esportiva conhecida no Mundo inteiro. Tambem um dos pontos mais conhecidos para pescaria esportiva de Robalo.

Canavieiras


Katholische,Kirche,Canavieira


Heilige,trezena,sao, Boaventura


Stadtverwaltung,Canavieiras


Traumstrand,Canavieiras



Bahia - Canudo

Canudos é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a uma latitude 09º53'48" sul e a uma longitude 39º01'35" oeste, estando a uma altitude de 402 metros. Sua população estimada em 2008 era de 15 229 habitantes, dos quais a metade vivia na sede. O município possui uma área de 2 984 km². Encontra-se inserido no Polígono das Secas e no vale do rio Vaza-Barris.
 
 

Praia de Canudos


Canudos

Parque estadual de Canudos



Bahia - Correntina

O Município de Correntina começou a surgir a partir das expedições dos entradistas e bandeirantes, Bartolomeu Bueno da Silva, Belchior Dias Moreira e Matias Cardoso de Almeida, que teriam visitado nosso Município, respectivamente em 1700 a 1790. Em 2 de março de 1938, através do Decreto Lei Federal de nº 311 assinado por Getúlio Vargas, autorizando que os Estados fizessem as divisões territoriais, foi que, pelo Decreto Estadual de nº 10.724, assinado pelo interventor Federal Landulpho Alves, em 30 de março de 1938, a Vila recebeu o foro de Cidade, sob a batuta do Intendente Major Félix Joaquim de Araújo, porém, somente vieram comemorar em 1 de janeiro de 1939, considerando a demora na arte de se comunicar. Banhada pelos Rios Correntina, Arrojado, Santo Antônio, Guará e Rio do Meio, todos de águas cristalinas, sendo o principal o Rio Correntina, cujo leito corta o Centro da Cidade, onde está a Ilha do Ranchão, de encantos e magia, Cartão Postal da Cidade, bastante visitada durante todo o ano e principalmente no período de carnaval.

Correntina - Bahia


Logo a 1.200 metros do Centro da Cidade forma o arquipélago “Sete Ilhas”, de uma beleza incomparável! Os outros rios banham quase todos os Povoados do Município, que impressionam pelas suas riquezas hídricas e naturais, como: Cachoeiras, Veredas, Paredões, Morros e Grutas. Visite Correntina, um verdadeiro paraíso ecológico. A culinária regional é uma tradição de seu povo, hospitaleiro por excelência. Localizada no Oeste Baiano, a 500 km de Brasília e a 980 km de Salvador.


Correntina - Bahia

Correntina - Bahia


Bahia  -  Feira de Santana
Feira de Santana é um município brasileiro do estado da Bahia, situado a 107 km de sua capital, Salvador, à qual se liga através da BR-324. Feira é a segunda cidade mais populosa do estado e maior cidade do interior nordestino.
Localiza-se a 12º16'00" de latitude sul e 38º58'00" de longitude oeste, a uma altitude de 234 metros. Sua população estimada em 2009 era de 591.707 habitantes.
Ganhou de Ruy Barbosa, o Águia de Haia, a alcunha de "Princesa do Sertão", apesar de localizada no agreste baiano.


Feira de Santana - Bahia


A cidade encontra-se num dos principais entroncamentos de rodovias do Nordeste brasileiro, é onde ocorre o encontro das BRs 101, 116 e 324, funcionando como ponto de passagem para o tráfego que vem do Sul e do Centro Oeste e se dirige para Salvador e outras importantes cidades nordestinas. Graças a esta posição privilegiada e à distância relativamente pequena de Salvador, possui um importante e diversificado setor de comércio e serviços, além de indústrias de transformação e a Universidade Estadual de Feira de Santana, com 21 cursos, além de seis faculdades particulares.

Centro de Feira de Santana - Bahia

Centro Universitário de Feira de Santana - Bahia


Mercado de Arte Popular de Feira de Santana - Bahia

Igreja do Senhor dos Passos de Feira de Santana - Bahia

Por do sol de Feira de Santana - Bahia

 
Prefeitura de Feira de Santana - Bahia

Praça da Igreja Matriz, Por Antônio de Macêdo - Feira de Santana - Bahia


Bahia - Ilheus

A história de Ilhéus remonta a época das capitanias hereditárias, quando D. João III doou vasta extensão de terra, 50 léguas de largura, ao donatário Jorge de Figueiredo Correia, escrivão da corte real. Instalada em 1535 na Ilha de Tinharé, antigo domínio da Capitania de Ilhéus, a sede administrativa logo se mudou para a região da Foz do Rio Cachoeira, a chamada Baía de Ilhéus. Ainda que se falasse da terra as maiores maravilhas, o donatário da Capitania preferiu o luxo e o fausto da corte, enviando o déspota espanhol Francisco Romero para representá-lo na administração da capitania, ademais, enfrentar e depois pacificar a bravura dos índios tupinambás.

Catedral de Ilhéus



Logo, a amizade dos colonizadores com os nativos tornou possível a fundação cultural da Vila de São Jorge dos Ilhéus, que se transformou em freguesia em 1556 por ordem de D. Pero Fernandes Sardinha. Considerada por Tomé de Sousa como "a melhor coisa desta costa, para fazenda" a região se tornou produtora de cana-de-açúcar e ganhou muitas construções. Mas, com a chegada dos ferozes índios Aimorés, que passaram a atacar as plantações, Ilhéus sofreu o declínio econômico que resultou em decadência. No século XVIII com a importação de mudas de cacaueiros da Amazônia e sua notável adaptação à condições climáticas da região, Ilhéus viu brilhar diante de si um novo eldorado. O cultivo do cacau passou a gerar um número sem fim de histórias, receadas de cobiça, amores e lutas pelo poder, formando um terreno fértil para os romances de Adonias Filho e Jorge Amado, onde narram as paixões desenfreadas dos coronéis por dinheiro, mulheres e terras.
A carta da doação da Capitania de Ilhéus a Jorge de Figueiredo Correia foi assinada em Évora a 26 de junho de 1534. O donatário mandou em seu lugar o preposto Francisco Romero, que primeiro se instalou na ilha de Tinharé, onde fica o Morro de São Paulo e depois, quando descobriram o que seria mais tarde a Baía do Pontal, se encantaram e fundaram a sede da capitania, dando o nome de São Jorge dos Ilhéus, uma homenagem ao donatário Jorge e Ilhéus, devido à quantidade de ilhas que encontraram no seu litoral.

Vista aérea da praia de Ilhéus



Além das que existem ainda hoje, como a Pedra de Ilhéus, Ilheusinho, Pedra de Itapitanga e a Ilha dos Frades, os morros de Pernambuco e o atual Outeiro de São Sebastião também eram ilhas.
Nos primeiros quinze anos o progresso da vila era enorme e atraía todo tipo de pessoa. Em 1556 a vila já possuía a igreja Matriz e relativa produção de cana-de-açúcar. Jorge de Figueiredo doou pedaços de terra que se chamavam sesmarias a diversas figuras importantes do reino, e em 1537 doou uma sesmaria a Mem de Sá, que seria o terceiro governador-geral do Brasil, localizada no que foi chamado Engenho de Santana, e onde hoje está localizado o povoado de Rio do Engenho. Ainda restam vestígios deste engenho que foi explorado pelos jesuítas e onde está localizada a capela de Nossa Senhora de Santana, considerada a terceira igreja mais antiga do Brasil. Em 1551, com a morte do donatário a capitania mudou de dono várias vezes e caiu no ostracismo, tornando-se apenas mais uma vila de pescadores na costa desse imenso país.

Porto de Ilhéus


Quando, em 1595, os franceses atacaram Ilhéus e foram repelidos, já existia na entrada do porto o fortim de Santo Antônio, transformado em 1611 em forte de pedra e cal.
Em 1754 o governo português acabou com o sistema de capitanias hereditárias e as terras brasileiras voltaram para as mãos do governo. Foi nessa época que iniciaram o plantio do cacau. As primeiras sementes foram trazidas do Pará, pois o cacau é planta nativa da região amazônica, pelo francês Louis Frédéric Warneaux, e plantada na fazenda Cubículo, às margens do rio Pardo, hoje município de Canavieiras.
Naquela época não se tinha conhecimento da importância do chocolate na alimentação e só pensava-se em cultivar a cana-de-açúcar, que era o que rendia muito. Foi somente na século seguinte, nas primeiras décadas que os alemães chegados à região e, 1821 começaram o plantio do cacau como cultura rentável. Até 1890 foram os estrangeiros que plantaram cacau. A partir desta data é que houve uma verdadeira corrida para a ocupação das terras de mineração.

Vista de Ilhéus


Em 28 de junho de 1881 Ilhéus foi elevada à categoria de cidade, numa ação referendada pelo Marquês de Paranaguá. Em 1913 a cidade foi transformada em bispado. O governo brasileiro doava terras a quem quisesse plantar cacau. Vieram sergipanos e pessoas fugidas da seca do nordeste, do próprio estado e de todo lugar, Em dez anos a população cresceu de uma forma explosiva, plantava-se cacau em abundância, vieram pessoas buscando o eldorado e a região mudou seu aspecto.
Nesta época começaram a construir belos edifícios públicos como o Palácio do Paranaguá que abriga até hoje a Prefeitura e a sede da Associação Comercial de Ilhéus; belas casas, como a do "coronel" Misael Tavares e a da família Berbert, uma cópia do Palácio do Catete no Rio de Janeiro e muitos outros belos prédios.
Na década de vinte do século passado, Ilhéus fervilhava de pessoas, de dinheiro, de luxo e riqueza. Foi construído o prédio do Ilhéos Hotel (a grafia antiga), o primeiro com elevador no interior do Nordeste, uma obra ainda hoje imponente, e o Teatro Municipal que esteve em ruínas, mas que foi reformado e é considerado um dos mais bem aparelhados do interior do Nordeste e fora das capitais.

Fábrica de chocolate caseiro


Ilhéus sempre primou pelo bom gosto e pelo requinte, sempre teve muita ligação com a Capital Federal, o Rio de Janeiro (enquanto capital do país) e também com a Europa. Em 1921, quando inaugurou, sua casa, o "coronel" Misael Tavares ofereceu um banquete e o cardápio do jantar estava escrito em francês. Era comum as famílias possuírem pianos, muitas vezes até de cauda em suas casas e até fazendas. Vinham da Europa nos navios.
A exportação de cacau era um problema, pois era feita pelo porto de Salvador. Havia muita dificuldade no embarque e perda de qualidade e de peso. Em 1924, os cacauicultores iniciaram a construção do porto de Ilhéus com recursos próprios, e a exportação do cacau começou a ser feita diretamente na cidade, trazendo com isso a presença de estrangeiros e um intercâmbio cultural com países da Europa. Nesta época vinham dançarinas, mágicos, e também aventureiros para divertir as pessoas que possuíam dinheiro.
Havia cabarés, clubes noturnos, cassinos. A cidade era movimentada e é esta época narrada por Jorge Amado em seus romances. Uma época de muito dinheiro e de muito luxo.

Entrada de Ilhéus


O grande fluxo financeiro originado pela produção e exportação de cacau deu origem a peculiaridades no desenvolvimento da Região da Costa do Cacau, região geoestratégica da Bahia. O desenvolvimento da produção e a busca por melhor qualidade nesta commodity, levaram as lideranças regionais e os produtores a criar a CEPLAC, Comissão Executiva de Desenvolvimento e Preservação da Lavoura Cacaueira. Hoje um órgão do Ministério da Agricultura, com importante centro de pesquisa, o CEPEC. A demanda regional por educação superior, buscada nas década de 1940 e 1950 em Salvador, principalmente pelos filhos de coronéis do cacau, gerou o anseio pela implantação de faculdades e instituições de ensino superior na região. A UESC, Universidade Estadual de Santa Cruz, é fruto desta demanda, e hoje torna-se referência nordestina em formação profissional de nível superior, e firma-se como importante instituição de produção científica no nordeste, sendo a segunda da Bahia, somente superada pela UFBA.

Ponte sobre a cachoeira

A cidade de São Jorge dos Ilhéus fica situada em local privilegiado. Recortada por muita água, sua chegada por avião é muito bonita e emocionante. O centro da cidade fica localizado numa ilha artificial formada pelos rios Almada, Cachoeira e Itacanoeira (ou Fundão) e ainda pelos canais Jacaré e Itaípe, este último construído no final do século antepassado pelo engenheiro naval François Gaston Lavigne, oficial do exército de Napoleão. Este canal foi construído para facilitar a passagem das canoas que traziam cacau da região do rio Almada para o embarque no porto. Compondo a área de preservação ambiental da bacia hidrográfica deste rio, a Lagoa Encantada possui beleza natural ímpar, elevado nível de preservação ambiental, lindos passeios de barco, com cachoeiras e contato com a natureza.
A partir de meados da década de oitenta, a monocultura cacaueira sofreu um rude golpe na sua característica principal que era a de gerar muita riqueza. A seca constante provocada pelo fenômeno El Niño, os baixos preços internacionais e por último a praga denominada vassoura-de-bruxa, fizeram da cacauicultura uma atividade menos rentável. Se para uns isto representou tristeza e angústia, para a região permitiu que se pensasse em outras atividades rentáveis. Foi então que Ilhéus renasceu, desta vez para o turismo. A implantação de projetos industriais e o surgimento do pólo de informática têm sido também alternativas de desenvolvimento.

Olivença - Back Door Ilhéus


A cidade tem infra-estrutura que permite, melhor que nenhuma outra no Estado, que se desenvolva esta atividade que cada vez mais pessoas no mundo procuram, que é o lazer e a vontade de descansar e aliviar o corpo da tensões cada vez maiores do trabalho. Hawaizinho, Olivença, Rio do Engenho, são alguns dos pontos turísticos que merecem uma visita à Ilhéus. A população gentil e hospitaleira, educados e respeitosos com o turista a mais.


Ilheus - Ponte Lomanto

 
Cristo na Entrada da Baia


Rio Cachoeira, ao entardecer


Igreja em Ilhéus



Bahia - Itabuna


A história do município de Itabuna tem sua cronologia confundida com a própria origem do seu perímetro urbano, a partir de meados do século XIX, reduzindo-se a importância da centenária Ferradas, que foi a primeira Vila - com o nome de D. Pedro de Alcântara, três décadas antes de Tabocas -, e o primeiro povoamento urbano no território daquele que viria a ser o município de Itabuna.


Itabuna - Bahia

Itabuna - Bahia

Panorama - Itabuna - Bahia

Rio Cachoeira - Itabuna - Bahia

Bahia - Itacaré
Treze praias paradisíacas abraçadas por coqueiros, cachoeiras, mata atlântica, riachos, areias translúcidas, e uma generosidade de águas cristalinas. Vista do alto, Itacaré parece uma miragem. No coração da Costa do Cacau, no litoral da terra do dendê e do acarajé, esta paisagem ainda intocada pelo homem repousa tranqüila nas margens da Bahia.
Por ondas fortes em algumas praias, Itacaré também é conhecida como a cidade do surf e abrigo de visitantes que buscam o equilíbrio entre o sossego e a badalação.
Itacaré é o lugar ideal para quem gosta de sol, mar, praias virgens, rios e cachoeiras. Com uma área de 730 km, com cerca de 20 mil habitantes, a cidade de Itacaré mantém as belezas da Mata Atlântica repletas de riachos que deságuam no Oceano Atlântico, relevos que vão das rochas aos morros à beira mar, reservas ecológicas e praias em forma de concha. Possui além das belezas naturais, um povo muito alegre. Seu litoral é repleto de praias belíssimas, muitas delas tão pequenas que nem aparecem em mapas ou em guias de viagem.
A cultura do cacau, durante muitos anos, desenvolvida na cidade foi preservada. A influência do fruto foi tão forte que Itacaré passou a ser incluído, também, na Costa do Cacau. Hoje vive da pesca e, principalmente, do turismo.
Os surfistas procuram suas praias de ondas fortes, enquanto os ecoturistas encontram em Itacaré praias desertas com acesso por trilhas, além de cachoeiras no meio da mata. Os próprios moradores da cidade lutam para manter as áreas verdes intactas, mostrando que têm consciência ambiental. E não só consciência ambiental, pois eles preservam costumes importantes, como a capoeira, tão praticada em Itacaré.

Itacaré - Bahia


Itacaré é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 17.960 habitantes.

Itacaré - Bahia


História

O município tem origem numa igreja fundada pelos jesuítas no século XVIII. A povoação foi elevada a sede de município em 1732 com a designação de São Miguel da Barra do Rio das Contas. Passou a ter a designação actual em 1931.
Quatro eventos estatisticamente improváveis fizeram Itacaré um lugar especial e com alto grau de preservação:

1.Tem uma formação geológica única no Nordeste Brasileiro, aonde a faixa costeira tem solo fértil e falésias rochosas, e por isso a Mata Atlântica avança até o mar.
2. A cultura agrícola predominante foi o cacau, que precisa da sombra da Mata Atlântica para ser plantado, se fosse cana de açúcar ou café toda a mata teria sido toda cortada.
3. O município cresceu muito entre 1890 e 1940 graças ao cacau, mas nos anos 40 o porto da cidade assoreou e a cidade ficou isolada porque as estradas eram muito ruins, esse isolamento impossibilitou o crescimento até a construção da Estrada Ilhéus-Itacaré em 1998.
4. Em 1993 o Governo do estado da Bahia criou uma APA - Área de Proteção Ambiental - antes de construir a estrada em 1998, dando regras ao crescimento da cidade. Essa APA estimulou o desenvolvimento de Itacaré como destino de ecoturismo e não de turismo de massa.
5. Hoje Itacaré é um dos principais centros turistícos do litoral sul baiano, se destacando como principal ponto de surfe do estado.

Praias de Itacaré

•Concha
•Coroinha
•Costa
•Engenhoca
•Havaizinho
•Itacarezinho
•Jeribucaçú
•Pontal
•Prainha
•Resende
•Ribeira
•São José
•Serra Grande
•Siriaco
•Tiririca


Bahia - Itaparica

Itaparica é um município brasileiro do estado da Bahia. Fica localizado na Ilha de Itaparica, na Baía de Todos os Santos.
Itaparica teve sua fama inicial como balneário de repouso e de saúde devido as suas bonitas prais e à sua água mineral que jorra na Fonte da Bica, localizada dentro da cidade, na costa oeste.
Sua população estimada em 2004 era de 20.941 habitantes.
Juntamente com Vera Cruz são os dois municípos que compõem a Ilha de Itaparica. Fica a 50 minutos em ferry-boat desde Salvador ou 15 minutos em catamarã.

Itaparica - Bahia

Itaparica - Bahia

Itaparica - Bahia


Bahia - Ituberá

Ituberá é um município brasileiro do estado da Bahia. Em tupi significa cachoeira reluzente.Sua população estimada em 2004 era de 25.970 habitantes. Em breve iniciará na região, a exploração de petróleo e gás.


Ituberá - Bahia



História

A cidade tem origem numa aldeia índia, elevada a vila em 1758 com o nome de Santarém. Em 1909 foi elevada a cidade, passando a chamar-se Serinhaém em 1943 e Ituberá em 1944.

Cachoeira de Pancada Grande - Ituberá - Bahia


Bahia - Lençois


Lençóis é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 9.590.


Chapada Diamantina - Lençois - Bahia



História

A cidade de Lençóis surgiu em meados do século XIX com a descoberta de muitas jazidas de diamantes na região da cidade de Mucugê. Contam os antigos que por volta de 1844 um "tal" de Casusa Prado e o seu escravo vieram do Mucugê para descobrirem diamantes. O escravo encheu os piquais e o Senhor mandou o pagem vendê-los à Chapada Velha. Aí o homem foi preso como ladrão de estrada; mas, sabida a história o povo arrancou como boiada para toda esta Lavra nova. Quem chegasse por último poderia ver de cima da serra, os tetos das barracas estendidas lá em baixo, como se fora uma cidade de lençóis. A notícia da descoberta propagou-se e para aqui afluíram logo aventureiros de toda a parte da Província, uns de condições baixas, e outros abastados, opulentos, gente mesmo de linhagem, de grandes recursos, inclusive numerosa escravatura, mas todos com o mesmo ideal.

Lençois - Bahia


Porque o nome Lençóis: Consta que, o nome da cidade de Lençóis vem dos lagedos por onde o rio passa espumando, serra abaixo, como se fora um lindo lençol todo bordado, todo rendado feito pelas mãos de fadas. Essa visão era obtida, principalmente, pelas pessoas que chegavam por cima da serra do Sincorá.
O Garimpo: O garimpeiro é típico local, nas Lavras Diamantinas com seus ranchos suas bateias e outros instrumentos peculiares à região e utilizados na busca de diamantes e carbonatos desde os primeiros tempos de mineração, a base de suas águas encontram-se algumas planícies. Aí, e no leito dos rios e riachos, e ainda nos canais naturais estão as jazidas dos diamantes. O diamante é o rei das pedras. Ali homens trabalhavam ao som do disco giratório (bateia) e o bater rítmico das águas na roda que impulsionava a indústria que faz brilhar, ainda mais as gemas que outrora serviram de adereço às damas da nossa sociedade e que hoje brilham também, como ornato das mulheres do nosso meio social.

Lençois - Bahia


O Coronelismo: "....Lençóis foi a "capital das Lavras", com um vice-consulado francês e apontada como "Vila Rica da Bahia". Depois de todo esse progresso, porém, a região transformou-se no maior centro do coronelismo e da jagunçada. A década de 20 foi dos homens valentes, revólveres a cinta, e das gatas-bravas, mulheres guerrilheiras. No Sertão baiano, homem valente já foi sinônimo de jagunço. Lutador por ideal ou profissão, jagunço não era o mesmo que cangaceiro. Era soldado sertanejo, a serviço de uma causa e de um chefe, que desconhecia o medo no campo de batalha. Horácio de Matos, que dominou a região das Lavras Diamantinas, foi o último e o maior de todos os chefes dos jagunços. O próprio governo de Epitácio Pessoa foi obrigado a assinar com ele um acordo de pacificação, e a Coluna Prestes teve de sair do país depois que invadiu os seus domínios.


Lençois - Bahia


Os feitos e as glórias de Horácio de Matos estão vivas e inscritas no calcinado sertão das Lavras. Lençóis não só teve lutas políticas, como ressaltam os escritores que daqui falaram, Lençóis também viveu grandes momentos de júbilo embalado nas mais belas e requintadas comemorações festivas, quer políticas, religiosas ou populares. As classes beneficiadas pela situação econômica mantinham um grande destaque por exibirem as modas estrangeiras vindas de Paris e de outras partes do mundo e, que aqui se faziam apresentar como privilégio dos senhores donos de garimpos e possuidores de escravos. Os primeiros senhores do garimpo levaram famílias inteiras de escravos para Lençóis.

Cachoeira do Ramalho - Lençois - Bahia


A Decadência: A partir de meados do século passado a cidade de Lençóis enfrentou uma grande crise econômica, pois com a grande procura de todos por diamantes a pedra começou a ficar escassa. A partir daí a cidade se viu em um cruzamento: continuar essa atividade extrativista ou aproveitar suas belezas naturais e arquitetônicas para a atividade turística. A partir do movimento social chamado MCC (Movimento de Criatividade Comunitária), composto por Steve Horman e moradores da cidade, Lençóis conseguiu em 1973 ser tombada pelo IPHAN (Instituto do Patrimônio Artístico Nacional) como Patrimônio Nacional. Esse foi o primeiro passo para o desenvolvimento do turismo na região da Chapada. Diamantina.



Bahia - Maraú

Maraú é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 18.812 habitantes.

Península de Maraú - Lagoa e Praia do Cassange




História

A cidade, inicialmente chamada de Mayrahú, tem sua origem numa aldeia indígena denominada Mayra. Foi descoberta em 1705 pelos frades Capuchinhos italianos,que lhe deram o nome de São Sebastião de Mayrahú. Em 1717 foi elevada a freguesia e em 1761 a vila e sede de concelho. Em 1938 tornou-se cidade.
Antes de ser emancipada a cidade de Maraú era distrito de Ubatã.

Maraú - Bahia


Os padroeiros da cidade são São Sebastião e Nossa Senhora da Conceição do Cambuízo, que têm como data festiva 20 de janeiro e 08 de dezembro, respectivamente. Com uma cultura riquíssima e quase totalmente preservada, essa cidade atrai cada vez mais turistas de todas as partes do mundo.

Maraú - Bahia


Chamada pela seleta mídia de "A Polinésia Baiana", devido a sua rara beleza e transparência de suas águas, Maraú possui belíssimas praias distribuídas entre seus vários povoados, além de dezenas de ilhas, cachoeiras, manguezais e quilômetros de Mata Atlântica totalmente preservados. Seus povoados costeiros mais conhecidos são: Barra Grande, Saquaíra, Taipús de Fora e Algodões. Maraú faz parte da Costa do Dendê, uma das regiões mais belas da Bahia. Lá também fica localizada a terceira maior baía do país, a Baía de Camamu, onde deságua o rio de mesmo nome que a cidade.

Lagoa do Cassange - Marau

Bahia - Nova Viçosa

Nova Viçosa é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população estimada em 2004 era de 35.414
habitantes. Um dos pontos de interesse turístico da cidade é a sua praia. Nova Viçosa foi "descoberta" em 1720 pelo capitão João Domingos Monteiro que aqui fundou o campiho peruipe e depois este pequeno vilarejo foi evoluindo e se tornou distrito da cidade de caravelas.Em 1733 foi fundada a igreja de nossa senhora da imaculada conceição que permanece ate hoje com sua estrutura preservada em 1962 Nova Viçosa se emancipou e tornou-se município.

Praia da Costa do Atlântico 
Praia da Ilha Cassuba  
Praia do Lugar Comum 
 Praia do Lugar Comum

Praia do Pau Fincado 
 Praia do Pau Fincado
Praia do Pontal da Barra 
  Praia do Pontal da Barra
Praia do Sabacuí 
 Praia do Sabacuí



Bahia - Paulo Afonso

Paulo Afonso é um município brasileiro do estado da Bahia. Foi emancipado em 28 de julho de 1958 do município de Glória. Sua área é de 1.574 km² e sua população é de 101.952 (2007). Sua densidade demográfica é de 64,77 h/km².
Paulo Afonso - Bahia


Faz limite, ao norte com o município de Glória, ao sul com o município de Santa Brígida, a leste com o estado de Alagoas, a oeste com o município de Rodelas e a sudoeste com o município de Jeremoabo. Sua localização geográfica é lat: 9º 24' 22"S e long: 38º 12' 53"W.

Cachoeira Paulo Afonso - Bahia


A cidade é conhecida pelo seu potencial hidrelétrico, que teve como pioneiro Delmiro Gouveia, um cearense que fez fortuna no sertão alagoano, e que apenas com meios próprios construiu a primeira usina do Nordeste: a Usina de Angiquinho, com maquinário trazido da Europa. O Complexo Hidrelétrico de Paulo Afonso é um conjunto de usinas, localizado na cidade de Paulo Afonso.

Paulo Afonso - Bahia

A usina tinha como propósito abastecer uma futura indústria têxtil que Delmiro planejava trazer para a Cidade de Pedra, e que hoje se chama Delmiro Gouveia em homenagem a ele. Angiquinho é hoje uma usina que encanta quem a visita, seja pela antiguidade do que ainda resta dela, seja pela beleza do local.

Paulo Afonso - Bahia



Bahia - Porto Seguro

Era o início do reinado de D. Manoel I, entre 9 de março e 22 de Abril de 1500, quando, apoiados na letra do Tratado de Tordesilhas, cerca de mil e quinhentos portugueses atravessaram o Atlântico, embarcados em 9 naus, três caravelas e uma pequena nave de mantimentos. Era a Segunda armada da Índia, a maior que alguma vez saíra de Portugal a caminho do mundo. Havia zarpado do Tejo por entre exclamações e lágrimas com 13 navios, mas a 23 de março, nas águas calmas, mas enevoadas de Cabo Verde uma das naus desapareceu sem deixar rastro.Em 22 de abril de 1500, depois de 42 dias de viagens, a frota de Pedro Álvares Cabral vislumbrava terra – mais com alívio e prazer do que com surpresa ou espanto. Segundo o testemunho do escrivão Pero Vaz de Caminha, naquela tarde de 22 de Abril “os nossos toparam um grande monte, mui alto e redondo ao qual monte alto o capitão pôs o nome Monte Pascoal e à terra a Terra de Vera Cruz.”
Porto Seguro

Pedro Álvares Cabral, o comandante, mandou fundear a armada a cerca de 19 milhas de terra, um pouco a norte do parque de Monte Pascoal, entre a pontas de Itaquena e Itapiroca, em frente à Barra do Rio dos Frades.
No dia seguinte, 23 de abril, iniciaram-se as sondagens do leito marinho e alguns navios ancoraram em frente à grandiosa Mata Atlântica. Muito provavelmente o capitão Nicolau Coelho terá sido o primeiro português a pôr pé no novo continente e a se comunicar com um pequeno grupo de índios tupiniquins que apareceu na praia.
Nos nove dias que se seguiram, nas enseadas generosas da Bahia, os 12 navios da maior armada já enviada às Índias pela rota descoberta por Vasco da Gama permaneceriam reconhecendo a nova terra e seus habitantes. O primeiro contato, amistoso com os demais deu-se já na quinta-feira, 23 de abril. O capitão Nicolau Coelho, veterano das Índias e companheiro de Gama, foi à terra, em um batel, e deparou com 18 homens “pardos, nus, com arcos e setas nas mãos”. Coelho deu-lhes um gorro vermelho, uma carapuça de linho e um sombreiro preto. Em troca, recebeu um cocar de plumas e um colar de contas brancas.

A Vista do Centro Historico de Porto Seguro

O Brasil, batizado Ilha de Vera Cruz, entrava, naquele instante, no curso da História. Foi justamente no município de Cabrália, na Coroa Vermelha, que Frei Henrique de Coimbra celebrou a primeira missa, que continua a ser orgulhosamente relembrada por brancos e índios em cada ano que passa.

Farol, no centro histórico de Porto Seguro

Centro histórico de Porto Seguro

Porto Seguro



Bahia - Prado


Prado é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a uma latitude 17º20'28" sul e a uma longitude 39º13'15" oeste, estando a uma altitude de 4 metros. Sua população estimada em 2004 era de 28 481 habitantes. Possui uma área de 1670,17 km².
A povoação foi elevada a vila e município em 1755, recebendo a categoria de cidade em 1896.
Prado - Bahia


Praias

•Praia da Areia Preta 

 Praia da Areia Preta 
•Praia da Barra do Jucuruçu



Praia da Barra do Jucuruçu


Praia da Barra do rio Cahy 

Praia da Barra do rio Cahy 
Praia da Lagoa Grande 

 Praia da Lagoa Grande
 
Praia da Lagoa Pequena 

 Praia da Lagoa Pequena

Praia da Paixão 

 Praia da Paixão 

Praia da Ponta do Moreira

 Praia da Ponta do Moreira


Praia da Viçosa 


Praia das Ostras 

 Praia das Ostras
 
Praia de Cumuruxatiba 

 Praia de Cumuruxatiba
 
Praia de Guaratiba

Praia de Guaratiba

 
•Praia de Imbassuaba 

Praia de Imbassuaba 




•Praia do Farol 

 Praia do Farol
Praia do Rio do Peixe Grande 
Praia do Rio do Peixe Grande 


Praia do Tororão

  Praia do Tororão

Praia Dos Irmãos

 Praia Dos Irmãos


Praia Japará grande

 Praia Japará grande


Praia Japará Mirim

 Praia Japará Mirim


•Praia Novo Prado 

 Praia Novo Prado




Praia Ponta do Corumbau

 Praia Ponta do Corumbau
 
Prado - Bahia


Vale apena conferir!!!!


Bahia - Salvador

Fundada em 29 de março de 1549, Salvador foi a primeira capital do Brasil, posição que manteve durante 214 anos (1549-1763). A Baía de Todos os Santos era conhecida pelos navegadores portugueses desde 1501; sua localização estratégica na costa brasileira propiciava as ligações Portugal - Brasil - África - Ásia e a eqüidistância entre as regiões Norte e Sul do Brasil, aliada às condições requeridas para o abrigo seguro e a correta manobra das embarcações. Tudo isso determinou a sua escolha como local ideal para a construção da capital do Brasil. O conjunto arquitetônico colonial de Salvador é de grande importância para a História, possuindo inclusive o título de "Patrimônio Histórico e Artístico da Humanidade" conferido pela O.N.U - Organização das Nações Unidas. Ao longo dos três primeiros séculos posteriores ao descobrimento do Brasil, Salvador - Capital entre 1549 e 1763 - serviu de palco dos acontecimentos mais marcantes do País e se transformou na principal localidade do Atlântico Sul. Em 1501, uma expedição de reconhecimento à terra descoberta por Pedro Álvares Cabral deparou-se com uma grande e bela baía - batizada de Baía de Todos os Santos pelo navegador Américo Vespúcio, por ter sido descoberta no dia 1º de novembro. O grande golfo tornou-se, então, uma referência para navegadores, passando a ser um dos pontos mais conhecidos e visitados no litoral do Novo Mundo.



Pelorinho



Alguns registros históricos da época relatam ocorrências, como a saga do português Diogo Álvares, em 1510. Náufrago de uma nau francesa, ele foi acolhido pelos indígenas Tupinambás da região e chamado de Caramuru. Posteriormente, tornou-se membro influente da comunidade, formou as primeiras roças de cana-de-açúcar e algodão e casou-se com uma índia, batizada com o nome de Catarina Paraguaçu (filha de um cacique da tribo Tupinambá). Caramuru desempenhou importante papel na implantação do Governo Geral. Em 1549, o rei de Portugal D. João III nomeou o militar e político Tomé de Sousa para ser o governador-geral do Brasil e decidiu enviá-lo para a missão no dia 12 de fevereiro do mesmo ano. A armada, capitaneada pela nau Conceição, trazia mais de mil pessoas em seis embarcações: as naus Conceição, Salvador e Ajuda, duas caravelas e um bergantim.

Farol da Barra


Depois de 56 dias, a esquadra aportou no porto de Vila Velha - fundada pelo donatário da capitania hereditária da Bahia, Francisco Pereira Coutinho - e foi recebida com festa pelos Tupinambás e por Caramuru. Tomé de Sousa ficaria no cargo até 1553, quando voltou à Lisboa e foi substituído por Duarte da Costa. Em 1550, a Capital viu os primeiros escravos chegarem nos navios vindos da Nigéria, Senegal, Angola, Moçambique, Congo, Benin e Etiópia. Com o trabalho dos negros, a cidade prosperou por influência econômica das atividades portuárias e da produção de açúcar, do fumo e do gado do Recôncavo. Em 1583, Salvador tinha duas praças, três ruas e cerca de 1.600 habitantes. A riqueza da Capital atraiu a atenção de estrangeiros, que promoveram expedições para conquistá-la, já que participou do ciclo da mineração como provedora de víveres e escravos. Durante 11 meses - de maio de 1624 ao último dia de abril de 1625 -, Salvador ficou sob ocupação holandesa.Em 1638, mais uma tentativa de invasão (desta vez de Maurício de Nassau) não obteve êxito. Salvador permaneceu na condição de Capital da América Portuguesa até 1763, quando este foro foi transferido para a cidade do Rio de Janeiro. Porém, a capital baiana preservou sua importância econômica, histórica e cultural e, em 1808, recebeu a família real portuguesa - em fuga das investidas de Napoleão na Europa. Nessa ocasião, o príncipe regente D. João abriu os portos às nações amigas e fundou a escola médico-cirúrgica, que viria a ser a primeira faculdade de medicina do País.

Castro Alves


A consciência libertária da população de Salvador deu origem a vários movimentos de contestação, com destaque para a Conjuração dos Alfaiates, em que um grupo de revoltosos inconformados com o domínio português, tentou fundar a República Baiense. Em 1823, mesmo depois da proclamação da Independência do Brasil, a Bahia continuou ocupada pelas tropas portuguesas do brigadeiro Madeira de Mello. No dia 2 de julho do mesmo ano, o exército nacional entrou na cidade pela Estrada das Boiadas, atual Liberdade. A data passou a ser referência cívica dos baianos, comemorada anualmente com intensa participação popular.

Praia do Forte - Salvador


Elevador Lacerda


A Vista da Praia do Forte


Costa de Sauipe


Bahia - Seabra

Seabra é um município brasileiro do estado da Bahia.

Seabra - Bahia


Segundo o IBGE, os primeiros núcleos de povoamento da Chapada Diamantina surgiram no início do século XVIII, com o crescimento das minas de ouro de Jacobina e Rio de Contas. A Coroa Portuguesa determinou uma abertura de uma estrada que ligasse as duas regiões de exploração aurífera. Esta estrada, chamada de “Estrada Real”, contava hoje as terras pertencentes ao município do Seabra, até então desertas.
Muitos portugueses foram atraídos pelo garimpo do ouro, mas desiludidos com as exigências do Império vinculadas ao precioso metal, se fixaram naquela região, dedicando-se à agricultura e pecuária.

Vista do Alto da Estrada Real


O primeiro núcleo de povoamento foi a Vila de Iraporanga (Ex - Esconso e Parnaíba), hoje Iraquara.
É tradição oral que a cidade de Seabra antes denominada povoado de São Sebastião do Cochó do Pega, originou-se de um aglomerado de casas de palhas que serviam de pouso aos viajantes, no início chamado de Passagem de Jacobina.

Cachoeira Veu da Noiva


Provavelmente, na mesma época surge a povoação de Campestre que foi a primeira Sede do município. Campestre pertencia na época ao município de Nossa Senhora do Livramento do Rio de Contas. Em 15 de Março de 1847 foi elevada à Sede de Freguesia de Nossa Senhora da Conceição do Campestre, confirmada pela Lei Providencial 899 de 15 de Maio de 1863 que criava o distrito de paz de campestre. Posteriormente em 1868 foi Freguesia de campestre elevado à categoria de vila com a denominação de vila agrícola de campestre pela Lei Provincial de número 2652 de 14 de Maio de 1889 que também criava o município de Campestre com território desmembrado de Lençóis, sendo instalado categoria de cidade pelo Decreto 491. Distrito de Jatobá, hoje Baraúnas pela Lei Estadual 776 de 265 de maio de 1910. Transferência da sede de campestre para o povoado de São Sebastião do Cochó do Pega.

Seabra - Bahia


Em 22 de Março de 1922, conforme ata do conselho municipal, já se pensava na transferência da Sede do município de Campestre para o Povoado de São Sebastião do Cochó – a proposta foi apresentada verbalmente pelo Conselheiro Manoel Muniz Barbosa, mas deixava a transferência a critério do Sr. Intendente do Diretório Político e do Coronel Horácio de Matos.
Em 1929, o Coronel Horácio de Matos fez a transferência para a referida povoação que passou a se chamar Dr. Seabra. Não se tem conhecimento de nenhum ato que oficialize a transferência.
Em 27 de Agosto, a Lei Estadual nº 1125 oficializava a nova denominação. Depois, os Decretos estaduais nº 7453, de Junho de 1931 e 7459, de 8 de Julho do mesmo ano, simplificam o nome da cidade e do município que passaram a ter a denominação de Seabra.



Bahia - Sobradinho

Sobradinho é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a 09º27'19" de latitude sul e 40º49'24" de longitude oeste, a uma altitude de 0 metros, ocupando uma área de 1328,45 km². Sua população estimada em 2004 era de 21.385 habitantes.

Sobradinho - Bahia


História

No dia 29 de março de 1549, aportava em Salvador comitiva de Tomé de Souza que viera assumir os destinos do Brasil, na qualidade de Governo Geral. Com ele veio Garcia D'Ávila, precursor dos bandeirantes que exercia o cargo de almoxarife do reino de Portugal, com o sonho de se tornar um senhor feudal nas terras brasileiras.
Garcia D'Ávila prosperou, construindo, mais tarde a Torre de São Pedro de Rates. Sua filha Izabel de Ávila casou-se com Diego Dias, irmão de Belchior Dias, o sonhador das minas de prata.

Sobradinho - Bahia


Belchior Dias, cunhado de Izabel de Ávila, foi o primeiro bandeirante a percorrer a região de Sobradinho, em 1593, em busca das sonhadas minas de prata. Nessa viagem encontrou índios Urucé, em Sento-Sé, os Galaches em Remanso, os Cariris em Juazeiro, os Massacará no Salitre, e os Tamoquim em Sobradinho.
Ao retornar à casa da Torre, o bandeirante descreveu o Vale do São Francisco, despertando em Garcia D'Ávila, o interesse em explorá-lo. No início do século XVII, introduziu no Vale do São Francisco os primeiros currais que deram origem aos povoados ribeirinhos. Iniciava-se, assim, a exploração econômica do maior latifúndio do mundo cujas fronteiras a leste e oeste eram o Oceano Atlântico e o poente do atual Município de Sento-Sé. Sobradinho fazia parte desse latifúndio.
Aos pés da cachoeira residia, no serrote da aldeia, hoje Vila São Francisco, a tribo Tamoquim, possíveis remanescentes de grupos humanos pré-históricos, que deixaram impressos, nas serras próximas, de onde vieram nascer as fazenda cujos vaqueiros usavam uma estranha Flecha de Fogo para caçar. Na linguagem tupi-guarani, essa arma recebeu o nome de Tatuí (Tatá = fogo, ui = flecha).
Sobradinho - Bahia

Na fazenda Tatuí, Garcia D'Ávila deixou um casal de escravos, dez novilhas, um casal de equinos, um casal de cães, galinhas, porcos e sementes para lavoura, como fizera com os outros currais que implantou na região.
Aos poucos, os índios Tamoquim foram se aproximando dos escravos deixados por Garcia D'Ávila na fazenda Tatuí. Aprenderam a arte de criar gados e enfrentar conjuntamente as durezas da vida nos sertões, desassistidos pela Coroa portuguesa. Essa aproximação fomentou o surgimento de casamentos entre os vaqueiros da fazenda Tatuí, conhecida na região como Moquim.
A família Moquim fez prosperar a fazenda Tatuí. Durante 373 anos, criou gado solto na caatinga, caçou, pescou e plantou, na vazante do rio, cultura de subsistência e cana de açúcar para fazer rapadura.
Essa mesma família viu, centenas de mineiros e garimpeiros subirem o Rio São Francisco, procurando ouro e minérios diversos nas Minas Gerais, na época em que a mineração atingiu lugar de destaque na economia colonial, entre os anos 1696 e 1760.

Sobradinho - Bahia


Esgotaram-se as minas e os sertanejos da fazenda Tatuí continuaram se dedicando as mesmas atividades extrativistas e coletoras herdadas dos índios Moquim e pecuaristas, trazidas pelos colonizadores portugueses.
Presume-se que o nome Sobradinho tenha se originado em função de um pequeno sobrado localizado próximo a cachoeira, para operação do sistema de eclusagem, a qual era chamada ora de Cachoeira do Sobrado ora de Cachoeira do Sobradinho.
Gentílico: sobradinhense
Formação Administrativa
Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Sobradinho, pela lei estadual nº 4843, de 24 de fevereiro de 1989, desmembrado de Juazeiro. Sede no distrito de Sobradinho ex-localidade. Constituído do distrito sede. Instalado em 1 de janeiro de 1990.
Em divisão administrativa referente ao ano de 2003, o município é constituído do distrito sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2007.
Fonte: IBGESobradinho foi idealizada inicialmente para servir de acapamento aos trabalhadores que seriam nescessários para se construir a barragem. Porém, após a construção, muitas famílias decidiram adotar o lugar como moradia e fixaram residência na cidade em uma das suas vilas (São Joaquim, São Francisco e Santana).
Sobradinho - Bahia



Bahia - Valença


Valença é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a uma latitude 13°22'13" sul e a uma longitude 39°04'23" oeste, estando a uma altitude de 39 metros. Sua população estimada em 2004 era de 82 936 habitantes. Possui uma área de 1195,65 km².
Valença é muito visitada principalmente por ser o principal acesso a Ilha de Tinharé, turisticamente famosa pelo povoado de Morro de São Paulo. Destaca-se como o principal produtor de mariscos da Bahia.

Valença - Bahia



Praias

•Praia da Ponta do Curral

Praia da Ponta do Curral




•Praia de Guaibim

Praia de Guaibim



•Praia de Guaibizinho

Praia de Guaibizinho



•Praia de Taquari

Praia de Taquari



•Praia de Atracadouro


Praia de Atracadouro

Valença - Bahia

Valença - Bahia

Valença - Bahia

Valença - Bahia


Bahia - Vera Cruz

Vera Cruz é um município brasileiro do estado da Bahia. Localiza-se a uma latitude 12º 57' 32" sul e a uma longitude 38º 36' 16” Oeste, estando a uma altitude de 13 metros. População estimada 2005 em 01.07.2005 34.520 habitantes. Possui uma área de 211 km². Vera Cruz é um município essencialmente urbano, freqüentado nos finais de semana mormente pelas classes média e média-alta da capital baiana, das cidades do Recôncavo e do Distrito Federal.

Vera Cruz - Bahia


Sol e Praia (turismo e lazer) é o principal atrativo natural de Vera Cruz, que ainda tem Rios que banham falésias; espelhos d'água que retratam o verde do manguezal; fontes de água potável à beira-mar; restinga de mata atlântica com trilha para o turismo de aventura e o mais belo cenário do planeta para a prática dos esportes náuticos (regatas) e o aéreo (pára-quedismo).

Vera Cruz - Bahia


Ruínas de igrejas, de fornos e de moinhos representam os atrativos históricos. A cultura é retratada fortemente pelas festas religiosas com procissões marítimas e terrestres. A Folia de Reis, o Bumba-Meu-Boi, a Puxada de rede, o Maculelê, a Capoeira, as festas de largo e o carnaval compõem o folclore de Vera Cruz. A Igreja do Nosso Senhor da Vera Cruz é o mais importante Patrimônio Histórico da ilha de Itaparica,(Sec. XVI) está localizada no povoado de Baiacú, (Vila de Pescadores). Ver projeto REPESCAR.
Na culinária os veracruzenses fisgam os visitantes com o tempero que o Brasil herdou da África, mas com matéria prima nativa.

Por do sol - Vera Cruz - Bahia


Vivendo tipicamente da pesca, a maior parte da população se alimenta de frutos do mar: ostra, chumbinho, aratu, siri, caranguejo, sarnambi, polvo, lula, camarão, lagosta e os mais diversos tipos de peixe.
A grande diversidade biológica, a fauna e a flora terrestres e marinhas, despertam em biólogos, agrônomos, oceanógrafos e demais especialistas o desejo de explorar cientificamente Vera Cruz; um nítido exemplo é a parceria da UFBA / Prefeitura, que culminou com as criações do Parque Ecológico do Baiacu e da APA das Pinaúnas.

Mar Grande - Vera Cruz - Bahia



Praias

•Praia da Barra do Gil
•Praia da Barra do Pote
•Praia da Barra Grande
•Praia da Coroa
•Praia da Gameleira
•Praia de Aratuba
•Praia de Berlinque
•Praia de Cacha-Prego
•Praia de Conceição
•Praia de Jiribatuba
•Praia de Mar Grande
•Praia de Matarandiba
•Praia de Tairu

Bahia - Vitória da Conquista


Vitória da Conquista é um município brasileiro do estado da Bahia. Sua população, conforme o IBGE, em 1 de Julho de 2009, era de 318.901 habitantes, o que a torna a terceira maior cidade do estado e também do interior do Nordeste (excetuando-se as regiões metropolitanas).Possui um dos PIBs que mais crescem no interior desta região. Capital regional de uma área que abrange aproximadamente setenta municípios na Bahia, além de dezesseis cidades do norte de Minas Gerais. Tem a altitude, nas escadarias da Igreja Matriz, de 923 metros podendo atingir mais de 1.000 metros nos bairros mais altos. Possui uma área de 3.743 km².

Vitória da Conquista - Bahia




História


O Arraial da Conquista foi fundado em 1783 pelo sertanista português João Gonçalves da Costa, nascido em Chaves em 1720, no Alto Tâmega, na região de Trás-os-Montes que com dezesseis anos de idade, foi para o Brasil ao serviço de D. José I, Rei de Portugal, com a missão de conquistar as terras ao oeste da costa da Bahia.

Vitória da Conquista - Bahia

 
Vitória da Conquista - Bahia



Ceara - Fortaleza

A história de Fortaleza é marcada de altos e baixos constantes. A chegada dos colonizadores foi muito custosa e de pouco sucesso inicial. A seca e os índios foram grandes entraves alem do fato de não ter sido achado nenhum metal precioso. O forte marca a ocupação e o surgimento da cidade como elemento protetor dos colonizadores. A vila, depois cidade, se consolida como entreposto para navegadores entre as capitânias do sul e do norte. Mais tarde (1799) com a autonomia administrativa da província do Ceará, Fortaleza torna-se a capital e principal ponto de convergência da produção de charque e algodão, que geram a riqueza necessária para a consolidação da cidade como líder dentre todas as outras.


Fortaleza


Na virada do século XIX para o século XX Fortaleza passa por grandes mudanças urbanas, entre melhorias e o êxodo rural, e cresce muito chegando ao final do da década de 1910 sendo a sétima cidade em população do Brasil. Entre as décadas de 1950 e 1960 a cidade passa por um crescimento econômico que supera 100% e ao final dos anos 70 começa a despontar como um futuro pólo industrial do Nordeste com a implantação do Distrito Industrial de Fortaleza. Durante a abertura política após o Regime Militar o povo elegeu a primeira mulher prefeita do Ceará, Maria Luiza e a primeira prefeitura comandada por um partido de esquerda. No final do século a administração da prefeitura e a cidade passam por diversas mudanças estruturais com a abertura de várias avenidas e despontando como um dos principais destinos turísticos do Nordeste e do Brasil.


Catedral de Fortaleza


Beach Park





Distrito Federal - Brasília

Brasília é a capital da República Federativa do Brasil e sua quarta maior cidade. Na última contagem realizada pelo IBGE em 2009, sua população foi estimada em 2.606.885 de habitantes. Brasília também possui o segundo maior PIB per capita do Brasil (34.510,00 reais) entre as capitais, superada apenas por Vitória (47.855,00 reais) . Junto com Anápolis (139 km) e Goiânia (209 km), faz do eixo Goiânia-Anápolis-Brasília, a região mais desenvolvida do Centro-Oeste brasileiro.

Brasília


Inaugurada em 21 de abril de 1960, pelo então presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira, Brasília é a terceira capital do Brasil, após Salvador e Rio de Janeiro. A transferência dos principais órgãos da administração federal para a nova capital foi progressiva, com a mudança das sedes dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário federais.


Congresso de Brasília

O plano urbanístico da capital, conhecido como "Plano Piloto", foi elaborado pelo urbanista Lúcio Costa, que, aproveitando o relevo da região, o adequou ao projeto do lago Paranoá, concebido em 1893 pela Missão Cruls. O lago armazena 600 milhões de metros cúbicos de água. Muitas das construções da Capital Federal foram projetadas pelo renomado arquiteto Oscar Niemeyer.

Museu jucelino kubichek


Catedral


Dois Candangos


Catetinho


Nova Ponte jucelino kubichek





Goias - Goiânia


Goiânia é um município brasileiro e capital do estado de Goiás.
É a segunda cidade mais populosa do Centro-Oeste do Brasil. Localiza-se no Planalto Central, a 48 quilômetros de Anápolis, e 209 quilômetros a sudoeste da capital federal, Brasília.
A cidade possui 1.281.975 de habitantes, sendo o 13º município mais populoso do Brasil. A Região Metropolitana de Goiânia possui 2.102.097 de habitantes, o que a torna a décima primeira região metropolitana mais populosa do Brasil.

Goiânia


Assim como algumas outras cidades brasileiras, Goiânia desenvolveu-se a partir de um plano urbanístico, tendo sido construída com o propósito de desempenhar a função de centro político e administrativo do estado de Goiás. Foi fundada em 24 de outubro de 1933, absorvendo, em 1937, da cidade de Goiás, a função de capital do estado.

Ponto Turisticos


Praça Cívica

Viaduto Latif Sebba


Praça do Bandeirante, Goiânia


Kaikan, Goiânia


Av. Goiás, Goiânia


Coreto da Praça, Goiânia




Espirito Santo - Vítória


Vitória é a capital do estado do Espírito Santo, e uma das três ilhas-capitais do Brasil (as outras são Florianópolis e São Luís). Está localizada na Região Sudeste. Situada a 20º19'09' de latitude sul e 40°20'50' de longitude oeste, Vitória limita-se ao norte com o município da Serra, ao sul com Vila Velha, a leste com o Oceano Atlântico e a oeste com Cariacica.

Fotos da cidade de Vitória


Com uma população de 320.156 habitantes, segundo estimativas de 2009 do IBGE, a cidade é a quarta mais populosa do estado (atrás dos municípios limítrofes de sua região metropolitana: Vila Velha, Serra e Cariacica) e integra uma área geográfica de grande nível de urbanização denominada Região Metropolitana da Grande Vitória, compreendida pelos municípios de Vitória, Cariacica, Fundão, Guarapari, Serra, Viana e Vila Velha.

Catedral Metropolitania de Vitória



Vitória é cercada pela Baía de Vitória, é uma ilha de tipo fluviomarinho, e é formada por várias ilhas, inclusive algumas a mais de 1100 km da costa.Além da ilha principal, Vitória, fazem parte do município outras 34 ilhas e uma porção continental, perfazendo um total aproximado de 93,38 km². Originalmente eram 50 ilhas, muitas das quais foram agregadas por meio de aterro à ilha maior.Entre as capitais do Brasil, Vitória possui o 3° melhor IDH e o maior PIB per capita.


Santuario Santo Antônio


Vitória possui dois grandes portos, o porto de vitória e o Porto de Tubarão. Esses portos fazem parte do maior complexo portuário do Brasil, que inclui vários portos do estado, e são considerados os melhores (em qualidade) do Brasil.


Camburi


A cidade administra a Ilha de Trindade e a Ilha de Martim Vaz, a 1100 km da costa, no meio do oceano, que são importantes bases meteorológicas por causa de sua posição estratégica, em área de dispersão de massas de ar.


Palacio Anchieta


A cidade é uma das menores do território Brasileiro, com área de apenas 93,381 km² e uma população de 317.817 habitantes. Além disso, 40% da área da cidade é montanhosa, ou seja, não é possível grande expansão no local. A cidade seria a menor do território do Brasil, se não fosse pela Ilha de Trindade e pela Ilha de Martim Vaz.

Remadores na Baia de Vitória


Vitória



Vila Velha - Espirito Santo


Vila Velha é o mais antigo município do estado do Espírito Santo, Brasil. Foi fundada em 23 de Maio de 1535 com o nome de Vila do Espírito Santo pelo português Vasco Fernandes Coutinho, donatário da Capitania do Espírito Santo, e foi sede da capitania até 1549, quando esta foi transferida para Vitória e o município passou a ter o nome atual. É o município mais populoso do estado (inclusive superando a capital) sendo a grande maioria da população residente na área urbana. Tem um grande porte Industrial e o maior centro comercial do Estado. Está a 5 km da capital do estado e possui 32 quilômetros de litoral, sendo praticamente todo recortado por praias, as quais constituem importantes ícones turísticos e paisagísticos, como a Praia da Costa, de Itapoã e de Itaparica. Por ser a cidade mais antiga do estado, possui construções do século XVI, como o Convento da Penha e a Igreja do Rosário; do século XVII, o Forte de São Francisco Xavier e do século XIX, o Farol de Santa Luzia.


Municipio de Vila Velha - Espirito Santo

Praia do Itapoã - Vila Velha - Espirito Santo


Convento Vila da Penha - Vila Velha - Espirito Santo


Praia Itaparica


Fabrica Garoto - Vila Velha - Espirito Santo

Praia da Costa - Vila Velha - Espirito Santo




Maranhão - São Luis


São Luís é um município brasileiro, capital do estado do Maranhão, fundada no dia 8 de setembro de 1612. Localiza-se na ilha Upaon-Açu (denominação dada pelos índios Tupinambás significando "Ilha Grande"), no Atlântico Sul, entre as baías de São Marcos e São José de Ribamar. De modo semelhante ao que ocorre com Belém do Pará e Vitória do Espírito Santo, habitantes de outros Estados brasileiros certas vezes se referem à cidade como São Luís do Maranhão. Quando em 1621 o Brasil foi dividido em duas unidades administativas - Estado do Maranhão e Estado do Brasil - São Luís foi a capital da primeira unidade administrativa.Sendo que em 1737 com a criação do Estado do Grão-Pará e Maranhão,Belém passa a ser a nova capital.

Centro Historico de São Luis


É a principal cidade da Região Metropolitana Grande São Luís, possui 1.027.098 habitantes, após a recontagem solicitada pela prefeitura, sendo a 16º cidade cidade mais populosa do Brasil. São Luís é a única cidade brasileira fundada pelos Franceses (ver França Equinocial), e é uma das três capitais brasileiras localizadas em ilhas (as outras são Florianópolis e Vitória).

Praça Gonçalves Dias


De acordo com dados do IBGE possui o 12º maior parque industrial entre as 27 capitais do Brasil. É considerada também em pesquisa realizada pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) uma das melhores cidades para se trabalhar no Brasil. São Luís é a quarta maior cidade da Região Nordeste.È a 13ª maior capital brasileira. Em termos de manifestações culturais é a capital mais rica do Brasil.


São Luis


Praias de São Luis


Lençois Maranhense


A festa do Boi



 
Mato Grosso - Cuiaba



Cuiabá é um município brasileiro e a capital do estado brasileiro do Mato Grosso. O município está situado às margens do rio de mesmo nome, na sua margem esquerda, e forma uma conurbação com o município de Várzea Grande. Segundo a estimativa realizada em 2008 pelo IBGE, a população de Cuiabá é de 544.737 habitantes, enquanto que a população da conurbação ultrapassa os 780 mil habitantes. Já a sua região metropolitana possui 815.392 habitantes.


Cuiaba

Fundada em 1719, ficou praticamente estagnada desde o fim das jazidas de ouro até o início do século XX. Desde então, apresentou um crescimento populacional acima da média nacional, atingindo seu auge nas décadas de 1970 e 1980.
Nos últimos 15 anos, o crescimento diminuiu, acompanhando a queda que ocorreu na maior parte do país. Hoje, além das funções político-administrativas, é o pólo industrial, comercial e de serviços do estado. É conhecida como "cidade verde", por causa da grande arborização.

Pontos Turisticos


Museu de Pedra Ramis Buscair


Igreja N. Sra. do Rosário e Capela São Benedito



Basílica Sr. Bom Jesus de Cuiabá



Palácio da Instrução


Casa Cuiabana



Centro Geodésico da América do Sul


Igreja do Bom despacho


Museu de Arte Sacra


Arsenal de Guerra


Igreja São Gonçalo


Casa do Artesão


Museu do Rio


Artesanato feito na Comunidade São Gonçalo


Museu Rondon - Museu do Índio


Mini zoológico - UFMT



 
 
Mato Grosso do Sul - Campo Grande

Campo Grande é um município brasileiro da região Centro-Oeste, capital do estado de Mato Grosso do Sul. Reduto histórico de divisionistas entre o sul e o norte, Campo Grande foi fundada há mais de 100 anos por colonizadores mineiros, que vieram aproveitar os campos de pastagens nativas e as águas cristalinas da região dos cerrados. A cidade foi planejada em meio a uma vasta área verde, com ruas e avenidas largas. Relativamente arborizada e com diversos jardins por entre as suas vias, apresenta, ainda nos dias de hoje, forte relação com a cultura indígena e suas raízes históricas. Por causa da cor de sua terra (roxa ou vermelha), recebeu a alcunha de Cidade Morena. A cidade está localizada em uma região de planalto, em que é possível ver os limites da linha do horizonte ao fundo de qualquer paisagem. O aqüífero Guarani passa por baixo da cidade.



Campo Grande


Campo Grande está localizada no centro do estado e eqüidistante dos extremos norte, sul, leste e oeste de Mato Grosso do Sul, fator que facilitou a construção das primeiras estradas da região, contribuindo para que se tornasse a grande encruzilhada ou pólo de desenvolvimento de uma vasta área. É considerado o mais importante centro catalisador de toda a atividade econômica e social do estado, posicionando-se como o de maior expressão e influência cultural, sendo também o pólo mais importante de toda a região do antigo estado, desmembrado em 1977. Em 1950, o município concentrava 16,3% do total das empresas comerciais de Mato Grosso do Sul; em 1980, este número subiu para 24,3% e, em 1997, a 34,85%. Também registrou crescimento populacional acima da média nacional nos anos 1960, 70 e 80. Hoje, a cidade possui dimensões e características próximos aos de uma metrópole, com uma população próxima de 1 milhão de habitantes, sendo considerada uma das cidades mais desenvolvidas da região Centro-Oeste do Brasil. Segundo pesquisa feita em 2006 pela revista Exame, Campo Grande é a 28ª melhor cidade do Brasil em infra-estrutura, fator decisivo na atração de investimentos.

Ponto Turisticos

 Pensão Pimentel



Morada dos Baís


A antiga Pensão Pimentel, passou a chamar-se novamente de Morada dos Baís no ano de 1993, quando foi tombada oficialmente como Patrimônio Histórico e Cultural da cidade de Campo Grande. Após a finalização de uma grande reforma em 1995, artistas, escritores, apreciadores da cultura e turistas transformaram a Morada em parada obrigatória no circuito cultural da cidade, resgatando a importância turística que o local representa para Campo Grande. Situada na esquina da Av. Noroeste com a Av. Afonso Pena, a Morada do Baís foi o primeiro sobrado da cidade. Construída por etapas, entre os anos de 1913 e 1918, o prédio foi, durante 20 anos, residência do comerciante italiano, Bernardo Franco Baís. A partir de 1938, após a morte de seu proprietário, o sobrado de arquitetura em estilo eclético, projetado pelo engenheiro José Pandiá Calógeras e edificado pelo cosntrutor italiano Mathias, passou a atrair hoteleiros, por sua beleza e posição estratégica que permitia apreciar a passagem do trem do pantanal de suas altas portas-janelas. Arrendada para Nominando Pimentel, a Morada dos Baís transformou-se na Pensão Pimentel e assim permaneceu até 1979 quando a Pensão deu lugar a variados tipos de comércio, tais como escola de datilografia, casa lotérica e alfaiataria. Hoje, após a reforma de 1995 a Morada dos Baís conta com três salas para exposições de artes, um espaço para apresentações musicais, um restaurante, hoje desativado, além do espaço Lídia Baís que reconstitui o quarto da filha de Bernardo Baís, uma das primeiras artistas de Campo Grande, com seus afrescos espalhados pelas paredes e seus objetos pessoais.
*O Projeto de restauração foi dos arquitetos Regina Maura Lopes Couto, Fernando Antônio Castilho e Mário Sérgio Sobral Costa. A recuperação dos painéis de Lídia Baís ficou sob a responsabilidade da artista Dulcimira Campesani, professora dos Departamento de Artes e Comunicação da UFMS.

Onde fica: Avenida Noroeste, 5.140
Horário: de 3ª a sáb. das 8h às 19h, dom.das 9h às 12h

Parque das Nações Indígenas


Parque das Nações Indígenas



Maior parque urbano de lazer do País. Possui 119ha, com 4 mil metros de pista para caminhada, lanchonetes, sanitários, policiamento, lago, local destinado a shows e apresentações e restaurante.

Horário de visitação: 3ª a domingo das 6h às 21h

Camelódromo


Camelódromo


Possui 646 boxes, com comércio variado, prevalecendo os artigos importados, uma lanchonete e banheiros públicos. O prédio é adaptado para portadores de necessidades especiais.

Horário de visitação:
De 2ª a sábado, das 7h às 18h

Mercado Municipal de Campo Grande



Mercado Municipal de Campo Grande



Construído em 1933. Pavilhão da Firma Irmãos Fidale e Prefeitura Municipal. No local são comercializados hortifrutigranjeiros e artesanatos regionais.

Horário de visitação
2ª a sábado as 6:30h as 18:30h; domingo das 6:30h às 12h

Horto Florestal
PARQUE FLORESTAL ANTÔNIO DE ALBUQUERQUE


PARQUE FLORESTAL ANTÔNIO DE ALBUQUERQUE


Possui 4,5 ha, distribuídos em pista para Cooper, orquidário, biblioteca municipal, cancha de bocha, teatro de arena, espelho d’água, projetos de reflorestamento, paisagismo. Onde José Antônio Pereira, fundados da capital, ergueu acampamento em 1872.
Endereço: Rua Francisco Candido Xavier, s/n.
Bairro: Amambaí - CEP: 79002-050 - Região Urbana: Centro
Telefone: 3314-3691
Funcionamento: de terça a sexta-feira, das 5 h. às 20 h.. Aos sábados, domingos e feriados, das 5h às 21h, e às segundas-feiras o parque é fechado para manutenção.
Para maiores informações, na Administração do Horto Florestal: 3314-3691
Para a utilização da cancha, Teatro de Arena, da pista de bicicross e da pista:
Utilização individual: o acesso é livre.
Utilização de grupos: enviar ofício a FUNDAC, solicitando o agendamento para eventos.
Oficinas e Cursos do Horto Florestal
Endereço: Rua Francisco Candido Xavier, s/n.
Bairro: Amambaí - CEP: 79002-050 - Região Urbana: Centro
Telefone: 3314-3691
Funcionamento: terça-feira a domingo
Cursos oferecidos: papel reciclado, mosaico, violão, desenho, pintura a óleo, mandala, capoeira, mosaico, e Projeto Alternativo.
Para maiores informações - Administração do Horto Florestal - 3314-3691
Projeto "Só Rock no Horto" - Apresentação de bandas de rock.
Local de realização: Horto Florestal
Telefone: 3314-3222 - Bairro: Amambaí - Região Urbana: Centro
Data da realização: primeiro domingo de cada mês, das 17h às 20h
Taxa: isento
Shows de música
Para maiores informações: FUNDAC
Telefone: 3314-3222
Setor: Departamento de Cultura Biblioteca Pública Municipal "Anna Luiza Prado Bastos" - Prof. Galega
Endereço: Rua do Parque, s/n.º - Horto Florestal Bairro: Amambaí -
CEP: 79002-050 - Região Urbana: Centro
Telefone: 3314-3209
Funcionamento: segunda a sexta-feira, das 7h e 30 min Às 18h e aos sábados das 7h e 30 min às 13h
Taxas: isento

Catedral Nossa Senhora da Abadia

Igreja  Santo Antônio 



Era chamada de Igreja Santo Antônio. Foi a primeira igreja da cidade, construída em meados de 1880. Recebeu este nome por ser o santo protetor do fundador da cidade, José Antônio Pereira. Recebeu o título de Catedral, após a bênção do Papa João Paulo.
Rua 14 de Julho, Bairro Santo Antônio

Praça Ary Coelho


Praça Ary Coelho

 
Praça Ary Coelho: é a praça mais tradicional da cidade, localizada no centro da capital.
Foi o 1º cemitério da cidade, tornando-se praça em 1909.
Recebeu o nome de Ary Coelho em 1954.
Em 1922 é construído o Coreto, dando lugar à fonte luminosa em 1957.
Endereço: Av. Afonso Pena entre as ruas 13 de maio e 14 de julho, Centro

Memorial da Cultura Indígena

Memorial da Cultura Indígena


Situado na única Aldeia Indígena do País.. Espaço de resgate da cultura indígena, com acervo variado de cerâmica Terena, artesanato em palha, telas com motivos indígenas e literatura específica. Sua arquitetura – construída em bambu e palha de sapé – é pioneira no país.

Horário de visitação:
Diariamente das 8h às 18h. R$ 1,00 (por pessoa)
Endereço: Saída para Três Lagos

Praça das Araras


Praça das Araras


Por causa das polêmicas esculturas das araras, que lhes emprestam o nome, a Praça das Araras é uma das mais procuradas pelos campo-grandenses e visitantes.

Endereço: R. Dr. João Rosa Pires x R. Dom Aquino, Amambaí


Casa de Menória Arnaldo Estevão Figueiredo


Casa de Menória Arnaldo Estevão Figueiredo



Criada para resgatar e preservar documentos sobre a história de Mato Grosso do Sul, a Casa da Memória Arnaldo Estevão de Figueiredo é uma edificação do inicio da década de 1920. Situado na Avenida Calógeras, esquina com a Rua Barão do Rio Branco, o local abriga moveis de época, quadros e objetos pertencentes à família do seu patrono dispondo de videoteca, banco de dados e museu virtual.
Localização: Av. Calógeras, 2.163.


Igreja São Francisco


Igreja São Francisco


Considerada uma das mais belas construções históricas de Campo Grande, a Igreja São Francisco pertence à paróquia de mesmo nome, cujas origens remontam ao decreto assinado por Dom Orlando Chaves, então bispo de Corumbá, em 1950. Em seus primeiros tempos não há ainda o belo conjunto arquitetônico que encanta os freqüentadores e os visitantes de hoje, e as missas são celebradas em um salão alugado. A Matriz que hoje se vê foi concluída em 1955, graças ao trabalho do engenheiro construtor frei Valfrido e de outros franciscanos, e ao esforço ativo da comunidade. A fachada do edifício acompanha espacialmente as linhas das fachadas da estação ferroviária e de sua vila operária, e o local escolhido para sua construção será próximo ao trajeto do Trem do Pantanal.
As construções são realizadas com a ajuda de freis franciscanos e alemães recém-chegados ao Brasil, cuja subsistência será assegurada por famílias de pequenos produtores rurais residentes em áreas contíguas ao conjunto. Cada família “adota” um franciscano e assegura-lhe o necessário para a existência. Também os materiais são adquiridos por meio de contribuição popular, inclusive os delicados vitrais finalmente executados por uma sociedade de artesãos italianos.
Totalmente reformado em 1995-96, o conjunto franciscano engloba a Matriz, que é a igreja paroquial e conventual, e seu convento. As atividades da paróquia estão organizadas especialmente em torno da catequese, liturgia, batismo, pastoral vocacional e grupos de apoio social, entre outros. É no território da paróquia que se encontram as principais instituições católicas de Campo Grande, tais como a sede regional da CNBB, o Tribunal Eclesiástico, o Instituto de Teologia, a residência do bispo e a Universidade Católica Dom Bosco.

Localizada: Na rua 14 de julho n.4213

Igreja São José


Igreja São José


Paróquia São José: construída em 1938, sendo uma das mais frequentadas na cidade. Notar os belos vitrais da igreja. Localizado nas esquina das ruas Dom Pedro Celestino e Dom Aquino.

Parque do Soter


Parque do Soter


O parque preserva a nascente do córrego Sóter. Proporciona atividade de lazer e educação ambiental. Dotado de pista de caminhada, ciclovia, pista de skate e quadras de esporte.
Endereço - Rua Cristóvão Lechuga Luengo, 25- Vila Mata do Jacinto

Parque Estadual do Prosa


Parque Estadual do Prosa


Regado pelas águas dos córregos Joaquim Português e Desbarrancado, com uma localização constituída pelas Secretarias e Governadorias da Capital do Estado de Mato Grosso do Sul, Campo Grande, no Parque dos Poderes, com avenidas de circulação (Av.Afonso Pena e Av. Mato Grosso), que permitem acesso ao parque. Atualmente, o Parque Estadual do Prosa (PEP) tem uma área aproximada de 135 ha e altimetrias em torno de 600m, situa-se no Planalto da Serra de Maracaju, dentro do perímetro urbano da capital do Estado.Está localizado no domínio dos Cerrados (chapadões recobertos por cerrado e penetrados por florestas e galerias) e pertence á bacia do Paraná. O parque apresenta basicamente três formações vegetacionais: Cerrado; Cerradão; Mata Ciliar.O Parque conta com: sistema de captação de água da empresa Águas Guariroba, Casa do Zelador, CRAS (Centro de Reabilitação de Animais Silvestres), Centro de visitantes, Cantinho do Prosa, Trilhas interpretativas e Portaria central (Av.Afonso Pena). Horário de funcionamento: de terça a domingo das 8h ás 14h, na terça-feira é reservado para escolas, e na quinta e sábado, á visita no CRAS

Museu da Arte Contemporânea - MARCO


Museu da Arte Contemporânea - MARCO



O Museu de Arte Contemporânea - MARCO foi criado em 1991, abrigando atualmente um acervo de cerca de 500 peças em pintura, esculturas, gravura, desenho e instalações em sua grande maioria de autores regionais. O mais importante museu de artes plásticas do Estado dispõe de uma coleção de 70 peças de desenhos, pinturas e discos doados pela família de Lídia Baís. Funcionando atualmente no Parque das Nações Indígenas.

Localização: R. Antonio Maria Coelho, 6000.
Fone: (67) 326-7449
Horário de Visitação: 3ª a 6ª das 12h ás 18h; sáb., dom., feriado, das 14h ás 18h.

Praça Cuiabá


Praça Cuiabá


O ponto de confluência das Ruas Dom Aquino, Marechal Rondon, Sargento Cecílio Yule e Avenida Duque de Caxias teve traçado topográfico para sediar um logradouro em 1923, sendo ali instalado um Coreto, em 1925. Somente em 1960, foi construída a praça conhecida como Cabeça de Boi, nome dado pela população desde que um açougueiro colocou uma caveira de bovino na porta do seu estabelecimento. O local serviu também para atividades culturais, tornando-se para fazendeiros ponto de comercialização para seus rebanhos de gado. Em 1996, a Praça Cuiabá passou por uma remodelação adequando-se o espaço para o lazer.

Localização: Rua Dom Aquino com Avenida Duque de Caxias.
Relógio da 14 de Julho


Relógio da 14 de Julho


Toda a simbologia de uma época foi recuperada com a reconstrução do primeiro relógio público de Campo Grande, que se situava entre as principais vias da cidade: no cruzamento das ruas 14 de julho com Afonso Pena. Foi construído em 1.933, em alvenaria com 5 metros de altura, com mecanismo de tecnologia alemã e funcionava a cordas. Demolido, sob protestos, em 1970, hoje, localiza-se a 100 metros do antigo local.

Localização: Av. Afonso Pena com a Av. Calógeras.
    




Minas Gerais - Belo Horizonte


Belo Horizonte é um município brasileiro, capital do estado de Minas Gerais.
Cercada pela Serra do Curral, que lhe serve de moldura natural e referência histórica, foi planejada e construída para ser a capital política e administrativa do estado mineiro sob influência das idéias do positivismo, num momento de forte apelo da ideologia republicana no país. De acordo com estimativas de 2009, sua população é de 2.452.617 habitantes, sendo a sexta cidade mais populosa do país. Belo Horizonte já foi indicada pelo Population Crisis Commitee, da ONU, como a metrópole com melhor qualidade de vida na América Latina e a 45ª entre as 100 melhores cidades do mundo.


Belo Horizonte


A cidade tem o quarto maior PIB entre os municípios brasileiros, representando 1,38% do total das riquezas produzidas no país. Uma evidência do desenvolvimento da cidade nos últimos tempos é o ranking da revista América Economía, no qual Belo Horizonte aparece como uma das 10 melhores cidades para fazer negócios da América Latina em 2009, segunda do Brasil e à frente de cidades como Rio de Janeiro, Brasília e Curitiba. A Região Metropolitana de Belo Horizonte, formada por 34 municípios, possui uma população estimada em 5.397.438 habitantes, sendo a terceira maior aglomeração populacional brasileira, sétima da América Latina e 62º maior do mundo. Belo Horizonte é uma das 12 cidades brasileiras que serão sede dos jogos da Copa do Mundo da FIFA Brasil 2014, e uma das sub-sedes dos Jogos Olímpicos de Verão de 2016.

Pontos Turisticos:


A Praça da Estação ou Praça Rui Barbosa



A Praça da Estação ou Praça Rui Barbosa, foi um importante ponto de apoio durante a construção de Belo Horizonte, pois o local abrigava os materiais para a obra. Por sua localização na estação da cidade, foi agraciada com o primeiro relógio público, ao alto de sua torre. Seu prédio é de estilo neoclássico, com estátuas de bronze lembrando os inconfidentes e dois leões de mármore. Na inauguração de Belo Horizonte, um dos principais pontos da cidade era a Praça da Liberdade. No ano de 1969, a mesma foi invadida por feirantes, causando vários danos à sua arquitetura. Porém, em 1990 as feiras foram proibidas no local, iniciando-se as obras de restauração da praça, que hoje se encontra toda reformada, mas seguindo o estilo eclético e neoclássico da época de sua fundação.

Casa do Baile


Em 1943 inaugurou-se a Casa do Baile, uma construção de fachada diferenciada por suas formas circulares e sinuosas, projetada por Oscar Niemeyer. A mesma chama atenção pela beleza de sua arquitetura, que se completa com uma ponte de onze metros. Na época da inauguração, o local funcionava com um dos principais salões de dança de Belo Horizonte, mas hoje representa a memória da arquitetura e do design desenvolvido pelo arquiteto.

A Praça do Papa


A Praça do Papa, antes conhecida como Praça Israel Pinheiro, é um mirante de onde se concebe uma das melhores vistas de Belo Horizonte, pois encontra-se a mil e cem metros de altitude. Seu nome foi modificado, popularmente, após a visita do Papa João Paulo II, que, em sua visita ao local, pronunciou a frase “que belo horizonte”. Hoje o local serve para a realização de shows e pregações religiosas.


Museu da Pampulha


O Museu da Pampulha também é uma obra de Oscar Niemeyer, a primeira construída na Pampulha, sendo inaugurada como cassino. A partir de 1957, tornou-se museu, tendo em sua estrutura interna um acervo de mais de novecentas obras, além de salas de multimídia, biblioteca, café e loja de souvenir. A ideia de Niemeyer para a construção da obra foi baseada nos fundamentos de Le Corbusier.


Palácio do Governo



Na inauguração de Belo Horizonte, um dos principais pontos da cidade era a Praça da Liberdade. No ano de 1969, a mesma foi invadida por feirantes, causando vários danos à sua arquitetura. Porém, em 1990 as feiras foram proibidas no local, iniciando-se as obras de restauração da praça, que hoje se encontra toda reformada, mas seguindo o estilo eclético e neoclássico da época de sua fundação.
Na praça ficam localizados os prédios do Palácio do Governo e as primeiras Secretarias de Estado.

 


Pará - Belém

Belém é um município brasileiro, capital do estado do Pará. É considerada a maior cidade na linha do Equador, a segunda cidade mais populosa da região Norte e a maior Região Metropolitana do Norte,é conhecida como "Metrópole da Amazônia". A cidade possui o maior IDH entre as capitais nortistas e concentra a maior população metropolitana da região. A capital paraense, excluindo-se da população metropolitana, conta com cerca de 1.424.124 habitantes. Assemelhando-se a uma península, cercada por água, áreas militares e de proteção ambiental, teve pouco espaço para expansão, ocasionando conurbação com municípios próximos dando origem a Grande Belém que tem população estimada em 2,1 milhões de habitantes.


Vista da Praça da Republica na cidade de Belém-PA


Pela abundância de mangueiras em suas ruas, é popularmente chamada de "Cidade das Mangueiras". Denominada também de "Cidade Morena", característica herdade da miscigenação do povo português com os índios Tupinambás, nativos habitantes da região à época da fundação. Há 200 anos, a corte portuguesa embarcava em direção ao Brasil, numa viagem que mudaria completamente o rumo da história brasileira. A família real foi para o Rio de Janeiro, mas na região Norte, outra cidade se preparou para ser a capital do reino: Belém do Pará virou a Capital das Especiarias. No século XX, na década de 1970, a imigração japonesa fez do Pará um dos maiores exportadores mundiais da pimenta do reino, a mais nobre das especiarias da Índia. O Pará hoje é o maior produtor de pimenta do reino do Brasil. Em seus quase 400 anos de história, Belém vivenciou momentos de plenitude entre os quais o período áureo da borracha, no início do século XX, quando o município recebeu inúmeras famílias européias, o que veio a influenciar grandemente a arquitetura de suas edificações, ficando conhecida na época como Paris n'América. Hoje, apesar de ser cosmopolita e moderna em vários aspectos, Belém não perdeu o ar tradicional das fachadas dos casarões, das igrejas e capelas do período colonial.


Mercado municipal de Belém - Pará


Historicamente, constituiu-se na principal via de entrada na região norte do Brasil, devido a sua privilegiada posição geográfica. Situada às margens do rio Guamá, próxima à foz do rio Amazonas, abriga o moderno Aeroporto Internacional de Val de Cans. Com sua localização no extremo Norte da malha rodoviária brasileira BR-316 (Nordeste), BR-010 (Belém-Brasília) e PA-150 (Alça Viária), Belém pode ser facilmente acedida por vias terrestre, aérea e fluvial, sendo uma das principais entradas para toda a região norte.


Belém - vista baia de Guajará







João Pessoa - Paraíba

Fundada em 1585, João Pessoa já nasceu cidade. Sem nunca ter passado pela designação de vila, povoado ou aldeia, visto que foi fundada pela Cúpula da Fazenda Real, uma Capitania da Coroa, é considerada a terceira cidade mais antiga do Brasil (Mello, 1987). No início da colonização, quando a colônia brasileira foi dividida em Capitanias Hereditárias, grande parte do atual território paraibano situava-se na então capitania de Itamaracá, sob o domínio de Pero Lopes de Sousa. Posteriormente esta capitania foi desmembrada, dando origem à capitania da Paraíba (Sampaio, 1980). João Pessoa foi criada durante o antigo Sistema Colonial para exercer funções administrativas e comerciais, tomando forma a partir de uma colina à margem direita do Rio Sanhauá (Rodriguez, 1992).

Bairro Manaíra


A cidade de João Pessoa teve vários nomes antes da atual denominação. Primeiro foi chamada de Nossa Senhora das Neves, em 05 de agosto de 1585, em homenagem ao Santo do dia em que foi fundada. Depois foi chamada de Filipéia de Nossa Senhora das Neves, em 29 de outubro de 1585, em atenção ao rei da Espanha D. Felipe II, quando Portugal passou ao domínio Espanhol. Em seguida recebeu o nome de Frederikstadt (Frederica), em 26 de dezembro de 1634, por ocasião da sua conquista pelos holandeses, em homenagem a Sua Alteza, o Príncipe Orange, Frederico Henrique. Novamente mudou de nome, desta vez passando a chamar-se Parahyba, a 01 de fevereiro de 1654, com o retorno ao domínio português, recebendo a mesma denominação que teve a capitania, depois a província e por último o Estado. Em 04 de setembro de 1930, finalmente recebeu o nome de João Pessoa, homenagem prestada ao Presidente do Estado assassinado em Recife por ter negado apoio ao Dr. Júlio Prestes, candidato oficial à Presidência da República, nas eleições de 1930 (Rodriguez, 1991). A primeira capela da cidade foi erguida onde hoje se situa a catedral metropolitana. Datando do início da colonização, a mesma foi construída para o culto a Nossa Senhora das Neves, padroeira da cidade (Nóbrega, 1982).

Catedral Metropolitana



Os holandeses, atraídos pela riqueza do açúcar, invadiram a cidade em 1634, passando ela a chamar-se Frederistadt. Assim permaneceu durante 20 anos (Sampaio, 1980). Registros históricos afirmam que a cidade abrigava aproximadamente 1.500 habitantes e 18 engenhos de açúcar na época desta invasão (Mello, 1987). Em 1808, a cidade possuía 3.000 moradores, cinco ermidas, uma matriz, três conventos, uma igreja misericórdia com seu hospital. Por sua vez, em 1859 já contava com cerca de 25 mil (Mello, 1987). Até o início do século XIX, a cidade era habitada praticamente por militares, administradores e religiosos. No entanto, com a ampliação do comércio brasileiro em geral, João Pessoa, bem como todo o litoral brasileiro, teve seu povoamento acelerado (Mello, 1987). Na parte baixa da cidade, encontravam-se os prédios da Alfândega, os armazéns do porto e as casas comerciais (estes prédios ainda hoje podem ser vistos, embora em ruínas). Já na parte alta localizavam-se as construções administrativas, religiosas e os prédios residenciais de padrão alto (Rodriguez, 1992).


Ponto do Seixas


Até a década de 1910, a lagoa do Parque Solon de Lucena não permitia o crescimento da cidade em direção ao litoral. Em 1913, no governo de Saturnino de Brito, foi realizado o saneamento da bacia da lagoa, permitindo, com isso, a expansão da cidade em direção ao leste e ao sul . Após permanecer por mais de três séculos restrita às margens do rio Sanhauá e à colina onde fora fundada, a cidade, agora denominada João Pessoa, avança para o leste, em direção às praias, num crescente processo de urbanização que se estende até os dias atuais, com sua população de mais de 500 mil habitantes (Mello, 1987).


PONTOS TURISTICOS EM JOÃO PESSOA

Estação Cabro branco


Estação Cabo Branco foi inaugurada recentemente na cidade de João Pessoa e reune, em um só local, ciência, arte e uma bela vista da cidade. O projeto é do famoso arquiteto Oscar Niemeyer. Passeio obrigatório!

Farol de Cabo Branco



Farol do Cabo Branco localiza-se no cabo Branco, bairro do Cabo Branco, João Pessoa -Paraíba, Brasil. É um dos mais importantes e visitados cartões Postais da Capital Paraibana. Torre triangular em concreto, com três projecções pontiagudas em forma de asa a 3,5 m do chão. Não tem lanterna. Farol pintado de branco com uma faixa horizontal preta logo acima das asas. O projeto do monumento é de Pedro Abraão Dieb, professor aposentado do Departamento de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB), que faleceu no dia 26 de novembro de 2007, em João Pessoa. Foi inaugurado em abril de 1972, governo de Emílio Médici, plena ditadura militar. O Farol do Cabo Branco tem uma forma triangular única no país. Os seus projetistas tiveram a intenção de representar uma planta de sizal, ao desenhar o farol. O sizal representou um dos ciclos econômicos mais duradouros e lucrativos no estado da Paraíba. ( Wikipédia 22/10/2009 11:47)


Praia Bela


Praia Bela



Também não pode deixar de conhecer a praia bela um dos cartões postais de Jõao Pessoa-PB. Praia Bela tornou-se acessível com a construção da nova estrada PB-008. É um lugar ideal para apreciar a beleza natural e disfrutar da tranquilidade. Praia Bela oferece kilometros e kilometros de areia branca longe do stress da vida moderna.



Praia de Tambau


Vista noturna do lago em João Pessoa


Praia de Tambaú está localizada a 23 km do Aeroporto e a 9 km do centro da cidade de João Pessoa. Além de usufruir da orla de Tambaú, os passeios até Picãozinho podem ser interessantes. Nesse local há uma formação de recifes com piscinas naturais que chegam a uma temperatura de 28ºC. Na lua cheia, os hotéis organizam serenatas sobre a água morna.


Por do sol na praia de Jacaré- Com som de Bolero de Ravel



Ver o Pôr-do-sol na Praia do Jacaré é simplesmente espetacular! Extremamente original. Como se não bastasse assistir a tal espetáculo às margens de um rio, ainda há um sabor especial com o som do Bolero de Ravel, através de saxofones. Belíssimo! 

Areia Vermelha


Quando a maré está baixa, barcos, lanchas e jet-skis seguem em direção à Ilha de Areia Vermelha, acessível a partir da praia de Camboinha, em Cabedelo. O banco formado por areias avermelhadas é cercado por piscinas naturais repletas de peixes. Para lá seguem também os barcos com serviços de bar que servem, entre outros petiscos, o tradicional caranguejo ao coco.



Paraná - Curitiba


Curitiba é uma cidade brasileira, capital do estado do Paraná, localizada a 934,6 metros de altitude no primeiro planalto paranaense. A aproximadamente 90 quilômetros do Oceano Atlântico. Segundo a revista norte-americana Reader's Digest, é a cidade com melhor qualidade de vida do Brasil. É a sétima cidade mais populosa do Brasil e a maior do sul do país, com uma população de 1.851.215 habitantes. É a cidade principal da Região Metropolitana de Curitiba, formada por 26 municípios e que possui 3.172.357 habitantes sobre uma área de 15.447 km², o que a torna a oitava região metropolitana mais populosa do Brasil.


Jardim Botânico de Curitiba


Fundada em 1693, a partir de um pequeno povoado bandeirante, Curitiba se tornou uma importante parada comercial com a abertura da estrada tropeira entre Sorocaba e Viamão. Em 1853 tornou-se a capital da recém-emancipada província do Paraná e desde então a cidade, conhecida pelas suas ruas largas, manteve um ritmo de crescimento urbano fortalecido pela chegada de uma grande quantidade de imigrantes europeus ao longo do século XIX, na maioria alemães, poloneses, ucranianos e italianos, que contribuíram para a diversidade cultural que permanece até hoje. A cidade experimentou diversos planos urbanísticos e legislações que visavam conter seu crescimento descontrolado e que levaram a ficar famosa internacionalmente pelas suas inovações urbanísticas e o cuidado com o meio ambiente, sendo a maior delas no transporte público, cujo sistema inspirou o TransMilenio, sistema de transporte de Bogotá, na Colômbia. Hoje, a cidade tem um senso de vida cosmopolita, considerada a capital com melhor qualidade de vida do Brasil, com um pólo industrial diversificado que lhe dá o posto de 5ª maior economia do Brasil e considerada umas das 5 melhores cidades para se investir na América Latina.

Coral de Natal de Curitiba


Curitiba também tem altos índices de educação. Tem o menor índice de analfabetismo e a melhor qualidade na educação básica entre as capitais, e abriga a primeira universidade do Brasil, a Universidade Federal do Paraná, fundada em 1912.

Museu Oscar Niemayer


Parque Barigui


Curitiba


Pernambuco - Barreiros


O município de Barreiros está localizado ao sul do litoral pernambucano, a 110 km da capital, Recife, limitado ao norte pelo município de Tamandaré e ao sul com o município de São José da Coroa Grande. Suas praias são de grande beleza, rodeadas de coqueiros, com areia fina e dourada, porém de difícil acesso, dentre as quais merece especial destaque a Praia do Porto. Outras das suas atrações turísticas é o Rio Una, uma de suas maiores atrações são os passeios em barco e a ilha do coqueiro, sem esquecer de sua saborosa gastronomia, especializada em frutos do mar.


Barreiros



Pernambuco - Belém de São Francisco


Belém do São Francisco é um município brasileiro do estado de Pernambuco.


Belém de São Francisco



História

O povoado de Belém do São Francisco surgiu a partir de uma fazenda pertencente a Antônio de Sá Araújo, que, em 1830, se estabeleceu às margens do Rio São Francisco, em terras do município de Cabrobó. Entre 1839 e 1840, durante uma das chamadas Santas Missões, tendo à frente o padre Francisco Correia, foi lançada a pedra fundamental de uma capela consagrada à Nossa Senhora do Patrocínio. Em 1902 a povoação foi elevada à categoria de vila. O município de Belém do São Francisco foi criado em 11 de setembro de 1928, desmembrando-se do território de Cabrobó. Em 1919, a cidade foi destruída por uma grande enchente, quando apenas a Igreja de Nossa Senhora do Patrocínio, padroeira da cidade, ficou de pé. O município precisou, então, mudar-se para uma parte mais acima das margens do rio.

Belem de São Francisco

Belem de São Francisco


Bonito


Bonito é um município brasileiro do estado de Pernambuco. O município é constituído de 3 distritos: Bonito,Alto Bonito e Bentivi.


Pernambuco - Bonito


História

O território do município de Bonito era, até o final do século XVIII, totalmente coberto de imensas florestas e situava-se na área abrangida pelo célebre Quilombo dos Palmares.
A beleza do local deu à cidade o nome de Bonito. O município foi batizado por caçadores, vindos do povoado de São José dos Bezerros, que percorriam as florestas e deparavam-se com belos riachos de águas límpidas.
Em 1812 foi edificada a Matriz de Nossa Senhora da Conceição - padroeira da cidade - tendo contribuído para a povoação local.
Bonito foi palco de diversas revoltas que terminaram na morte de muitos habitantes do município. Em 19 de dezembro de 1874, ocorreu a invasão denominada Revolta do Quebra-Quilos. A revolta deu-se devido à alteração do antigo sistema de pesos e medidas para as unidades de metro, centímetro e quilo, de acordo com a Lei Imperial nº1157, de 1862.
O mesmo local, nos fins de 1819, no governo Luiz do Rego, foi palco da grande matança dos habitantes da Serra do Rodeador (comunidade pertencente, hoje, ao município), a qual D. Pedro I, em seu manifesto aos brasileiros, assim se exprimiu: "Pernambucanos, lembrai-vos das fogueiras do Bonito".
O caso messiânico do Rodeador, liderado pelo ex-soldado do 12º Batalhão de Milícias de Alagoas, Silvestre José dos Santos, assim como outros movimentos que unem interesses religiosos à esperança da saída da miséria, foi abafado com sangue. Silvestre pregava o Sebastianismo - uma forma de messianismo em Portugal. Os seguidores acreditavam na volta de D. Sebastião, que não teria morrido na África, na batalha de Alcácer-Quibir.
A cidade foi emancipada em 3 de julho de 1895.


Bonito



Pernambuco - Cabo de Santo Agostinho



Cabo de Santo Agostinho é o principal município industrial do Estado de Pernambuco, onde destaca um dos mais importantes complexos portuários e industriais do Brasil, o Porto de Suape. Localiza-se ao sul do Recife, entre os municípios de Jaboatão dos Guararapes a norte e Ipojuca ao sul. Possui um patrimônio histórico de grande valor, cheio de igrejas e fortificações entre outras construções, além de possuir excelentes praias situadas nas proximidades do Cabo de Santo Agostinho, ideais para o banho e a prática de todos os tipos de esportes náuticos, com águas tépidas e cristalinas, vegetação atlântica e piscinas naturais

Cabo de Santo Agostinho



Pernanmbuco - Caruaru


O município de Caruaru está situado na Região do Agreste do Estado de Pernambuco, no interior do Vale do Ipojuca. 'Capital do Forró' é conhecida também como 'Princesa do Agreste', sua capital do mesmo nome é palco de uma das festas populares mais importantes do Brasil, o famoso São João, onde durante 30 dias mais de um milhão de pessoas visitam a cidade. Além disso, conta com uma das maiores feiras de Caruaru, onde se pode adquirir qualquer produto que deseje. Não deixe de visitar o Alto do Moura, comunidade de artistas elegida pela UNESCO como o maior centro de arte figurativa das Américas, onde encontra-se cento de artesãos, modelando todo tipo de objetos, especialmente o barro, transformando suas casas em ateliê que podem ser visitados.


Caruaru


Pernambuco - Fernando de Noronha


Fernando de Noronha é um arquipélago formado por 21 ilhas e ilhotas com uma área de 26 km2, declarado Patrimônio Mundial da Humanidade pela UNESCO no ano de 2001. Pertence ao Estado de Pernambuco e está a 545 km de Recife, sua capital, lugar de onde saem a maioria dos vôos. É considerado pelos turistas de todo o mundo o melhor ponto turístico do Brasil, verdadeiro paraíso natural e ecológico cheio de praias paradisíacas e com uma maravilhosa flora e fauna, tanto terrestre como aquática. Sua principal ilha que tem o mesmo nome do arquipélago, é a maior com 17 km2 e a única habitada, e parte dela encontra-se integrada desde o ano de 1988 no Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha. É sem sombra de dúvidas um dos lugares mais belos e espetaculares do mundo.

Fernando de Noronha


Pernambuco - Goaina


Goiana é um município do Estado de Pernambuco localizado 65 km ao norte da capital, Recife, na divisa com o Estado da Paraíba às margens do Oceano Atlântico. Na nossa visita não podemos deixar de visitar seu Centro Histórico declarado Patrimônio Histórico Nacional, lugar onde estão concentrados os monumentos civis e religiosos mais importantes da cidade, entre os quais merece especial destaque a Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos, a Igreja Matriz de Nossa Senhora dos Homens Brancos e a Igreja de Nossa Senhora dos Homens Pardos, sede do Museu de Arte Sacra de Goiana. 
 
 
Goiana - Pernambuco



Pernambuco - Igarassu


O município de Igarassu está localizado a aproximadamente 30 km de Recife, no litoral norte da região metropolitana do Estado de Pernambuco. Um dos seus principais atrativos, além das suas belas praias de areia fina e águas tranquilas, é seu Sítio Histórico, considerado um dos Patrimônios Civis e religiosos mais importantes do país, onde destacam a Igreja Matriz dos Santos Cosme e Damião, uma das mais antigas do Brasil, e o Convento de Santo Antônio, onde está o Museu Pinacoteca de Igarassu.


Igarassu

Igarassu

Igarassu



Pernambuco - Paulista


Município Pernambucano localizado a escassos quilômetros ao norte da capital, Recife, fazendo fronteira ao sul com o município de Olinda e ao norte com o município de Igarassu. Uma das suas principais atrações turísticas é o Park Aquático Temático Veneza Walter Parque, sem esquecer de suas excelentes praias repletas de coqueiros com areia fina e águas tranquilas ideais para o banho e a pratica de todos os esportes náuticos. Como monumento civil mais importante merece especial destaque o Forte do Pau Amarelo, situado na praia que possui o mesmo nome.

Paulista - Pernambuco



Pernambuco - Petrolina


O município de Petrolina é o maior em extensão da região do Sertão. Sua capital do mesmo nome, está localizada às margens do Rio São Francisco, na divisa com o Estado da Bahia, separado somente por uma ponte do vizinho município de Juazeiro. A cidade é conhecida como a Encruzilhada do Progresso, por ser o maior núcleo agroindustrial do Estado de Pernambuco e também como a cidade das Carrancas, famosas esculturas que possuem somente cabeça e pescoço utilizadas pelos barcos que navegavam pelo Rio São Francisco no século XIX para afugentar os maus espíritos, que podem ser adquiridas em todas as lojas e mercados da cidade. Uma de suas principais atrações turísticas é a imponente Barragem do Sobradinho, maior lago artificial do mundo, lugar onde se pode praticar todos os tipos de esportes náuticos.


Petrolina

.
Permambuco - Recife

Pequena colônia de pescadores fundada em 1537, numa localização privilegiada, a Cidade chamou a atenção de colonizadores portugueses que fundaram um porto no local. Olinda era a Capital da Capitania de Pernambuco e passou a escoar toda a produção de açúcar através deste porto.A evolução da exportação acelerou as atividades portuárias e desenvolveu a povoação, então chamada Povoação dos Arrecifes, ou Ribeira Marinha dos Arrecifes. Esta prosperidade provocou a invasão holandesa. Estes incendiaram Olinda, fazendo com que um grande fluxo migratório chegasse a Recife. A Cidade iniciava uma nova fase. Foram feitos aterros e em 1637, Maurício de Nassau, holandês na qualidade de Governador-Geral, deu início a um plano de urbanização para a construção da chamada Cidade Maurícia. Construiu-se palácios, pontes, escolas, estradas, o primeiro Jardim Botânico do País e até um observatório astronómico.


Fonte: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=374439



Mesmo com o fim do domínio holandês, em 1654, a Cidade continuou a se desenvolver e passou à categoria de Vila em 1710, contrariando os senhores-de-engenho da reconstruída Olinda, gerando uma série de revoltas dos nativos como a Guerra dos Mascates. Em 1711, instala-se a alfândega e em 1823 é elevada a Cidade e, quatro anos depois, a Capital da Província. Olinda reage através de várias insurreições, destacando-se a Confederação do Equador (1824) e a Revolução Praieira (1848). No fim do século XIX Recife era um empório comercial. Inicia-se, então, a implantação de indústrias. O desenvolvimento da Capital deu origem a fluxos migratórios causando altas taxas de desemprego e subemprego e à construção de moradias em mangues e elevações, formando os mocambos com precárias condições de vida.


Fonte: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=374439



O Recife é um dos portões de entrada do Brasil. Cortada por vários rios e banhada pelo mar, o Recife é uma cidade de contrastes, onde o antigo, legado português e holandês do tempo do Brasil Colonial, une-se às modernas construções. Na fronteira do Recife com Olinda está o Centro de Convenções de Pernambuco, um dos maiores e mais modernos do País. Entre os pontos de interesse turístico, o Recife oferece a Praia de Boa Viagem, o Bairro do Recife, com belos sobrados e o melhor em animação nocturna, o Centro Cultural Judaico de Pernambuco. Na Rua do Imperador, no Bairro de Santo António, a Capela Dourada é uma das mais expressivas representações da arte barroca nas igrejas brasileiras. Esta Capela Dourada é considerada a expressão máxima da arte sacra barroca no Recife. O Mercado de São José, foi inaugurado em 1875 e representa uma das primeiras construções do Brasil com toda a estrutura feita em ferro.




A Casa da Cultura está localizada na Rua Floriano Peixoto s/n, bairro de Santo António, no prédio construído originalmente para abrigar a Casa de Detenção do Recife. Foi inaugurada em Abril de 1976, dispõe de 90 lojas de artesanato além de instalações para três museus, um teatro de arena, um cinema de arte e um restaurante. A Oficina de Cerâmica Brennand, com aproximadamente 1.500 peças do artista pernambucano homónimo, possui exposição permanente dentro da reserva da Mata Atlântica, no Engenho São João, bairro da Várzea. As peças mostram a diversidade da expressão do ceramista. No local, funciona ainda uma fábrica que produz cerca de 20.000 m2 de cerâmica por mês. A cerâmica Brennand é considerada uma das melhores do Estado.

Fonte: http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=374439


O Carnaval de Recife é conhecido nacionalmente pela sua alegria, animação e espontaneidade. Os ritmos contagiantes e variados e as fantasias criativas brilham nas cidades cheias de gente, luzes e sons. No Recife, estão todos os Carnavais do Brasil:

Frevo, com todas as suas variações, Maracatu,Afoxé, Samba e Caboclinhos.


Dos trombones e trompetes do frevo-de-rua aos tambores e ganzás dos maracatus e afoxés; dos bandolins e banjos do frevo-de-bloco às sanfonas e triângulos dos ursos, o carnaval recifence está pronto para encantar os foliões locais, nacionais e internacionais. As denominadas Festas Juninas contemplam as Festas de Santo António, a 13 de Junho, e São João, a 24 de Junho, e de São Pedro, a 29 de Junho. No Nordeste brasileiro, estas festas são acompanhadas de fogueiras, de milho assado e de quadrilhas. As fogueiras são homenagens prestadas a São Pedro, que morreu crucificado e queimado pelos romanos. O milho, nestas festas, representa a alegria da colheita, sendo a espiga o símbolo da fecundidade da terra. No Nordeste, a Festa de São João é muito comemorada, sobretudo nos sertões, destacando-se as cidades de Caruaru, em Pernambuco, e Campina Grande, na Paraíba, com os maiores festejos juninos. As quadrilhas de São João são originárias da França e chegaram ao Brasil, por volta de 1808, com os membros da Corte Portuguesa. ( http://recifeveneza.com.tripod.com/cultura.htm, extraída dia 28/10/2009 as 17:04)

http://www.skyscrapercity.com/showthread.php?t=374439



Praia mais visitadas


Praia de Boa Viagem A praia do Recife


Praia de Boa Viagem - Recife



Praias do sul de Pernambuco

Gaibu


Praia do Guaibu




Calhetas


Calhetas



Porto de Galinhas


Porto de Galinhas



Praias do norte de Pernambuco


Olinda


Praia de Olinda


Maria Farinha


Maria Farinha



Itamaracá


Itamaracá


Pernambuco - São José da Coroa Grande


São José da Coroa Grande está localizado ao sul do Estado Pernambucano, a pouco mais de 120 km de sua capital, Recife, faz fronteira com o Estado de Alagoas. É considerado um dos núcleos turísticos mais importantes do Estado onde seus atrativos são suas belas praias e piscinas naturais que formam-se nas marés baixas ao longo de todo o seu litoral, bancos de areia e rochas conhecidas como 'Coroas'. Toda a sua costa está repleta de recifes de coral, forma parte da área de Proteção Ambiental da Costa dos Corais.


São José da Coroa Grande

 

Piaui - Teresina

Teresina é a capital e o município mais populoso do estado brasileiro do Piauí. Localiza-se no Centro-Norte Piauiense a 366 quilômetros do litoral, sendo, por tanto, a única capital da Região Nordeste que não se localiza as margens do Oceano Atlântico. É a 22ª maior cidade do Brasil, com 802.537 habitantes. Está conurbada com o município maranhense de Timon e, juntos, aglomeram cerca de 1 milhão e 40 mil habitantes. A única barreira natural que as separa é o Rio Parnaíba, o maior rio totalmente nordestino[carece de fontes?]. A cidade representa cerca de 25% da população piauiense e cerca 45% de sua economia, sendo sua região metropolitana 60% do PIB do Piauí[carece de fontes?].


Teresina - Piaui


A cidade é a terceira onde mais acontecem seqüências de descargas elétricas no mundo. Por esta razão, a região recebe a curiosa denominação de "Chapada do Corisco". Destaca-se como um pólo de medicina, recebendo pacientes de vários estados do Nordeste[carece de fontes?], e por ser a primeira capital planejada do Brasil. Segundo o IPEA, é a terceira capital mais segura do Brasil (perdendo apenas para Natal/RN e Palmas/TO).

A estação de Teresina


Seu lema é a frase "Omnia in Charitate", que significa, em português, "Tudo pela caridade". A cidade é a terra natal de Torquato Neto, poeta do Tropicalismo, e Carlos Castelo Branco, colunista político do Jornal do Brasil.

Teresina




Angra dos Reis- Rio de Janeiro



Angra dos Reis é um município brasileiro situado na microrregião da Costa Verde, Sul Fluminense no estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma altitude de 6 metros e possui em seu litoral 365 ilhas. Foi descoberta em 6 de janeiro de 1502, mas colonizada apenas a partir de 1556. Sua população aferida em 2008 era de 164.191 habitantes.
Possui uma área de 816,3 km². Os municípios limítrofes são Paraty, Rio Claro e Mangaratiba no território fluminense, e Bananal e São José do Barreiro no lado paulista.
Após 1872 entra em decadência com a inauguração das estradas de ferro, voltando a ocupar posição de destaque na terceira década do século XX quando um ramal ferroviário liga-o aos estados de Minas Gerais e Goiás, por ele escoando a produção agrícola dos mesmos. O ramal ferroviário, em bitola métrica, ainda existe, sendo operado atualmente pela Ferrovia Centro-Atlântica.


Angra dos Reis- Rio de Janeiro


Angra dos Reis é um município brasileiro situado na microrregião da Costa Verde, Sul Fluminense no estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma altitude de 6 metros e possui em seu litoral 365 ilhas. Foi descoberta em 6 de janeiro de 1502, mas colonizada apenas a partir de 1556. Sua população aferida em 2008 era de 164.191 habitantes.
Possui uma área de 816,3 km². Os municípios limítrofes são Paraty, Rio Claro e Mangaratiba no território fluminense, e Bananal e São José do Barreiro no lado paulista.
Após 1872 entra em decadência com a inauguração das estradas de ferro, voltando a ocupar posição de destaque na terceira década do século XX quando um ramal ferroviário liga-o aos estados de Minas Gerais e Goiás, por ele escoando a produção agrícola dos mesmos. O ramal ferroviário, em bitola métrica, ainda existe, sendo operado atualmente pela Ferrovia Centro-Atlântica.


Angra dos Reis


Hoje em dia, devido a beleza de suas praias e das regiões próximas, Angra virou ponto forte do turismo não só estadual, mas também nacional. Possui mais de três centenas de ilhas, muitas delas tendo por donos celebridades nacionais e internacionais, sendo a maior de todas denominada de Ilha Grande.
A maior parte da cidade é cercada por morros, o que contribuiu para no início de 2010 várias residências e pousadas sofrerem com os efeitos de deslizamentos, principalmente em Ilha Grande.

Angra dos Reis

Armação dos Buzios- Rio de Janeiro



Armação dos Búzios ou apenas Búzios, como é mundialmente conhecido, é um município do estado do Rio de Janeiro localizado na Região dos Lagos. Faz divisa a oeste com Cabo Frio, município do qual tornou-se autônomo em 1995. Localiza-se a cerca de 165 quilômetros da capital do estado.
É uma península com oito quilômetros de extensão e 23 praias, recebendo de um lado correntes marítimas do Equador e do outro correntes marítimas do pólo sul, o que faz com que tenha praias tanto de águas mornas quanto de águas geladas. Entre as principais praias, destacam-se Geribá, João Fernandes, Ferradura, Ferradurinha, Armação, Manguinhos, Tartaruga, Ossos, Tucuns, Brava e Olho-de-Boi, esta última reservada para a prática do nudismo.


Armação dos Búzios



A exploração turística e a ocupação imobiliária do local tiveram início após a fama internacional dada a Búzios pela atriz francesa Brigitte Bardot, que a visitou em 1964. Hoje, a cidade é tão visitada por turistas do mundo inteiro (principalmente argentinos) que alguns a chamam de 'a Saint-Tropez brasileira'.
Armação dos Búzios, com seus ventos fortes, é ideal para a prática de iatismo, e vôo livre. É uma cidade que abriga diversas culturas com um grande número de estrangeiros. A temperatura média anual é de 24 °C e tem o índice pluviométrico mais baixo do estado de Rio de Janeiro, cerca de 750mm anuais apenas.


Armação dos Búzios

Araruama - Rio de Janeiro



Araruama é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a 22º52'22" de latitude sul e 42º20'35" de longitude oeste, a uma altitude de 15 metros. A população estimada em 2008 pelo IBGE foi de 109.705 habitantes.
Estende-se por uma área de 635,4 km², marcados por planícies e alguns lagos, entre os quais a Lagoa de Araruama e a Lagoa de Juturnaíba – esta situada entre os municípios de Araruama e Silva Jardim, a uma distância de 12,5 km do centro da localidade de São Vicente de Paulo.

Araruama


História


O município de Araruama foi ocupado de forma intensa pelos índios Tupinambás, populações horticultoras e ceramistas de origem amazônica, que deixaram marcante presença de suas aldeias desde tempos pré-coloniais. Urnas funerárias, tigelas pintadas, além de uma grande variedade de formas cerâmicas utilitárias são exemplos do que pode ser encontrado nos diferentes sítios arqueológicos da região. As aldeias já pesquisadas, Morro Grande, em particular, com data de 2.200 anos, estão entre as mais antigas ocupações desse grupo Tupi em território nacional.

Araruama


O local que atualmente corresponde ao município de Araruama integrava a capitania de São Vicente, doada a Martim Afonso de Sousa, ainda no Brasil Colônia (1534), mas as primeiras notícias sobre a ocupação do território foram dadas em 1575 através da expedição do governador do Rio de Janeiro, Antônio Salema, que ia para Cabo Frio e dizimou centenas de franceses e indígenas.
Os registros sobre o território de Araruama datam de 1615, em conseqüência da fundação da atual cidade de Cabo Frio, a qual veio promover o reconhecimento do rio São João e da lagoa de Araruama.

Araruama


Em 1626, as terras de Araruama integravam as sesmarias doadas a Manuel Riscado que implantou uma serraria utilizando o pau-brasil e outras madeiras de lei.
Através do edital de 10 de janeiro de 1799, foi criada a freguesia de São Sebastião de Araruama, que pertenceu ao município de Cabo Frio até 1852, quando por Lei Provincial nº 628, passou a integrar o município de Saquarema.


Araruama


Em 6 de fevereiro de 1859, a freguesia de São Sebastião de Araruama foi elevada à categoria de Vila de Araruama devido à extinção da Vila de Saquarema.
A elevação de Araruama à categoria de cidade verificou-se em 22 de janeiro de 1890 através de decreto do governador Francisco Portela.
O hino da cidade de Araruama foi incorporado à história da cidade em 1999 pelo compositor Pedro Paulo Pessoa Pinto.

Araruama

Barra Mansa - Rio de Janeiro



Barra Mansa é um município brasileiro situado no sul do estado do Rio de Janeiro, na microrregião do Vale do Paraíba dentro da mesorregião do Sul Fluminense. Localiza-se a uma latitude 22º32'39" sul e a uma longitude 44º10'17" oeste, estando a uma altitude de 381 metros. Sua população estimada em 2008 era de 176.469 habitantes, formando uma conurbação com as cidades de Volta Redonda e Pinheiral com uma população de mais de 450 mil habitantes. Possui uma área de 548,9 km².
Seu centro administrativo e legislativo é o bairro Centro já que nele estão localizados a prefeitura e a câmara municipal e seu centro judiciário é o bairro Barbará pois nele está situado o fórum municipal.
Em 1954 Volta Redonda emancipou-se e em 1991 foi a vez de Quatis, levando consigo os distritos de Ribeirão de São Joaquim e Falcão. Em 1993 Antônio Rocha foi elevado a condição de distrito assim como o bairro Santa Rita de Cássia, no ano de 2006.


Barra Mansa



A população de Barra Mansa, é composta por descendentes de imigrantes europeus (principalmente portugueses, italianos, e espanhóis), mas também de franceses e alemães, além de uma dinâmica colônia sírio-libanesa, assim como também de ameríndios e de escravos africanos.
Com toda essa riqueza racial, o município continua sendo uma das maiores cidades do Sul Fluminense, ficando, em termos de produção econômica, atrás apenas de Volta Redonda e de Resende, como mostra a análise do PIB destas cidades. O município tem a segunda maior população da região, possuindo mais de 528 unidades industriais, um grande entroncamento ferroviário, rodoviário e fluvial, e uma posição privilegiada, estando próximo às duas maiores metrópoles brasileiras: o Rio de Janeiro e São Paulo. O município é próximo também a importantes centros ecônomicos regionais como São José dos Campos, Juiz de Fora e Volta Redonda, e faz divisa com outras cidades importantes, como a própria Volta Redonda e Resende.

Barra Mansa


O município tem um comércio forte e tradicional, principalmente no Centro, Estamparia e Ano Bom. Seus bairros nobres são o Centro, Santa Rosa, Verbo Divino, Ano Bom, Bairro de Fátima e Jardim Boa Vista. Os bairros mais pobres são os da Periferia Leste do Distrito Sede (Barra Mansa).
Seus monumentos principais são a Fazenda da Posse, a sede da prefeitura, o Palácio Barão de Guapi o Jardim das Preguiças e a Ponte dos Arcos. Os quatros principais rios que cortam o município de Barra Mansa são o Paraíba do Sul, o Barra Mansa o Bananal e o Bocaina.


Buzios - Rio de Janeiro


Essa terra dos buzios visitada por nômades, habitada por índios expulsos por colonizadores que fundaram a aldeia e se tornaram pescadores é, hoje, uma cidade que encanta os visitantes pelo seu alto astral, suas 23 praias e, principalmente, pela qualidade de vida
Se Pedro Alvarez Cabral tivesse aportado na "baía formosa" da costa buziana, teria encontrado índios Tupinambás, um subgrupo da nação dos Tamoios, que viviam da caça e pesca e do cultivo do milho e mandioca. Seus ancestrais, povos nômades, nos visitaram há cerca de 2 mil 500 anos, cálculo feito pelo estudo de alguns sambaquis (restos de cozinha e esqueletos) encontrados na região.

Buzios


Nessa terra era encontrado em abundância a espécie Caesalpinia echinatta, o ibirapitanga na língua Tupi, o popular pau-brasil, o alvo preferido das incursões européias, tanto dos portugueses que buscavam a valiosa madeira-de-lei desperdiçada como lenha pelos índios, quanto dos franceses, que vieram também por razões de estratégia geográfica.
A briga colonizadora entre franceses e portugueses dizimou os aguerrridos Tupinambás que de herança deixaram nomes como jerivá ou jeribá (palmeira baba-de-boi que dá um coquinho doce ) e que, muitos anos depois, passou a nominar uma praia e seu bairro, mas com a escrita alterada pelo povo buziano para Geribá. E, ainda, tucum ou tucuns (palmeira de cujas folhas se extraem fibras e, de cujas sementes das nozes saem um rico óleo).


Búzios



Cabo Frio - Rio de janeiro



Cabo Frio é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a 22º52'46" de latitude sul e 42º01'07" de longitude oeste, a uma altitude de quatro metros acima do nível do mar. É o sétimo município mais antigo do Brasil. É o principal município da Região dos Lagos. Possui 186.004 habitantes, segundo a estimativa realizada pelo IBGE em 2009. É muito conhecido por suas atrações turísticas, como a Praia do Forte, a principal praia e pelas festas.


Cabo Frio


História

A ocupação humana das terras onde viria se estabelecer o município de Cabo Frio teve início há mais ou menos seis mil anos, quando um pequeno bando nômade de famílias chegou em canoas pelo mar e acampou no Morro dos Índios até então pequena ilha rochosa na atual barra da Lagoa de Araruama e ponto litorâneo extremo da margem de restinga do Canal do Itajuru.
Conforme as evidências arqueológicas encontradas nesse "sambaquí", que mais tarde seria abandonado pelo esgotamento de recursos para sobrevivência, o grupo nômade dispunha de tecnologia rudimentar e baseava-se numa economia de coleta, pesca e caça, onde os moluscos representavam quase todo o resultado do esforço para fins de alimentação e adorno. Há mais de 1.500 anos, os guerreiros indígenas tupinambás começaram a conquista do litoral da região.
Os restos arqueológicos das aldeias Tupinambás estudados na região de Cabo Frio (Três Vendas em Araruama e Base Aero Naval em São Pedro da Aldeia) e também nos acampamentos de pesca (Praia Grande no Arraial do Cabo) evidenciam uma adaptação ecológica mais eficaz que a dos bandos nômades pioneiros. O profundo conhecimento biológico da paisagem regional, em particular a Lagoa de Araruama e dos mares costeiros riquíssimos em recursos naturais, fez com que o pescado se tornasse a base alimentar dos tupinambás, reforçada pela captura de crustáceos, gastrópodes e moluscos.
A vegetação de restingas e mangues da orla marítima ofereciam excepcionais possibilidades de coleta de recursos silvestres, o que levou ainda a horticultura de várias espécies botânicas, destacando-se a forte presença da mandioca no cardápio e ao domínio das técnicas de cerâmica. A caça, atividade masculina exclusiva, era muito importante como complemento de proteínas na dieta alimentar dos grupos locais.
Os índios tupinambás batizaram a região de Cabo Frio como Gecay, único tempero da cozinha, feito com sal grosso cristalizado. Nos terrenos onde viria se estabelecer a Município de Cabo Frio, foram encontrados quatro possíveis sítios tupinambás. Os dois primeiros, o Morro dos Índios e a Duna Boavista, apresentavam indícios de serem acampamentos de pesca e coleta de moluscos, enquanto o terceiro, a Fonte do Itajuru, próxima do morro de mesmo nome, era a única forma segura de abastecimento de água potável e corrente disponível na restinga.

Cabo Frio


Na referida elevação junto a fonte, o atual Morro da Guia, acha-se o sítio mais importante da região e um dos mais relevantes do Brasil pré-histórico: o santuário da mitologia tupinambá, formado pelo complexo de pedras sagradas do Itajuru ("bocas de pedra" em tupi-guarani). Sobre estes blocos de granito preto e granulação finíssima, com sulcos e pequenas depressões circulares, os índios contavam histórias do seus heróis feiticeiros que ensinavam as artes de viver e amar a vida. Quando estes heróis civilizadores morriam, transformavam-se em estrelas, até que o sol decidisse enviá-los ao itajuru, sob forma de pedras sagradas, para serem veneradas pela humanidade. Caso fossem quebradas ou roubadas, todos os índios desapareciam da face da terra.
Em 1503, a terceira expedição naval portuguesa para reconhecimento do litoral brasileiro, sofreu um naufrágio em Fernando de Noronha e a frota remanescente se dispersou. Dois navios, sob o comando de Américo Vespúcio, seguiram viagem até a Bahia e depois até Cabo Frio. Junto ao porto da barra de Araruama, os expedicionários construíram e guarneceram com 24 "cristãos" uma fortaleza feitoria para explorar o pau-brasil, abundante na margem continental da lagoa.

Cabo Frio



Em 1512, este estabelecimento comercial-militar pioneiro, que efetivou a posse portuguesa da "nova terra descoberta" e deu início a conquista no continente americano, e que foi destruído pelos índios tupinambás em função das "muitas desordens e desavenças que entre eles houve" em 1526. Os franceses traficavam pau-brasil e outras mercadorias com os índios, na costa brasileira, desde 1504. Durante as três primeiras décadas do século XVI, praticamente restringiram sua atuação ao litoral da região nordeste.
A partir de 1540, por causa do rigoroso policiamento naval português nestes mares, os franceses exploraram o litoral e levantaram os recursos naturais de Cabo Frio. Em 1556, construíram uma fortaleza-feitoria para exploração de pau-brasil, na mesma ilhota utilizada anteriormente pelos portugueses, junto ao porto da barra de Araruama. A "Maison de Pierre" cabofriense ampliou e consolidou o domínio francês no litoral sudeste, iniciado com o Forte Coligny no Rio de Janeiro, um ano antes.



Cordeiro - Rio de Janeiro

Cordeiro é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se a uma latitude 22º01'43" sul e a uma longitude 42º21'39" oeste, estando a uma altitude de 485 metros. Sua população estimada em 2009 era de 19.902 habitantes. Possui uma área de 116,38 km².

Cordeiro

História

Inicialmente ocupada por índios goytacazes e coroados, a região de Cordeiro constou como rota para os colonos que se aventuravam à procura de ouro e pedras preciosas no interior da colônia, no final do século XVIII. A colonização de Cordeiro teve origem à margem esquerda do Rio Macuco, próximo da fazenda Cordeiro, propriedade do bandeirante Manoel Rosendo Cordeiro, que cedeu parte de suas terras para a trilha de ferro Cantagalo. Em 1883, novos fluxos de colonização, lavradores e artífices chegaram à região, dando origem ao pequeno núcleo. O desenvolvimento da localidade proporcionou a criação, em 1890, do distrito de Cordeiro, subordinado ao município de Cantagalo.

Cordeiro


O progresso apresentado pelo distrito motivou a criação do município de Cordeiro, em 1891, sendo a sede municipal elevada à categoria de vila. No entanto, essa autonomia durou pouco tempo, retornando o município de Cordeiro a sua antiga situação de distrito de Cantagalo. Em 1920, Cordeiro já era o mais importante centro comercial da região Centro-Norte Fluminense.
Esse fato determinou a instalação de um parque industrial, que teve início em 1922 com a Fábrica de Tecidos Nossa Senhora da Piedade. Em 1936, Cordeiro foi elevada à categoria de sub-prefeitura, no governo do Almirante Protógenes Guimarães. Data, verdadeiramente, daí, o grande desenvolvimento de Cordeiro, com a execução de inúmeros serviços, dentre os quais se destacam os melhoramentos nos serviços de abastecimento de água, construção de várias linhas de esgoto, pontes, praças públicas, jardins, avenidas e etc.A reintegração na categoria de município somente realizou-se em 1943. Cordeiro era uma área eminentemente agrícola, cultivando, sobretudo café, que aos poucos foi substituído pela pecuária. O município se tornou centro urbano de importância, em nível regional, pois, apesar da implantação das indústrias de cimento ter sido em Cantagalo, a maioria dos trabalhadores reside em Cordeiro.
A ocupação do núcleo urbano se processou em torno da antiga estação ferroviária. A expansão deu-se em direção às áreas planas nas margens do Rio Macuco, ao longo da linha férrea e em direção às principais vias de acesso.


Ilha Grande - Rio de Janeiro



A ilha Grande é uma ilha do litoral brasileiro ao sul do estado do Rio de Janeiro, próxima à cidade de Angra dos Reis, município do qual é também um distrito.
 
Ilha Grande


A Ilha Grande é a maior das ilhas do litoral de Angra dos Reis. É uma ilha de 193 km² com relevo acidentado e montanhoso, cujas maiores elevações são o Pico da Pedra D'Água (1031 m) e o Pico do Papagaio (982 m), este último o mais famoso pela sua forma pitoresca. As costas da ilha são recortadas por inúmeras penínsulas e enseadas (sacos), formando várias praias. A vegetação é exuberante, formada por mata atlântica, mangue e restinga.

Ilha Grandre


A principal localidade da ilha é a Vila do Abraão, com 3000 habitantes, que concentra a infraestrutura da ilha com posto de saúde, escola primária, bombeiros, correios e polícia. Um serviço de barcas liga diariamente a Vila do Abraão com Angra dos Reis e Mangaratiba, no continente. A vila conta também com ampla oferta de pousadas, campings, bares, restaurantes e comércio para turistas. Além desta, existem algumas outras pequenas comunidades espalhadas pela ilha também dotadas de infraestrutura turística.
As atividades econômicas giram em torno da pesca e, principalmente, do turismo. A ilha oferece atualmente muitas alternativas turísticas: passeios de barco, praias com águas calmas para mergulho em família, praias destinadas à prática de esportes como o surfe, trilhas ecológicas por dentro da mata ao centro da ilha, além de algumas atrações históricas.

Ilha Grande


A ilha é dividida em dois parques: Parque Estadual da Ilha Grande e Parque Marinho do Aventureiro, e uma Reserva Biológica: Reserva Biológica das Praias do Sul, cujo acesso é somente permitido a pesquisadores e pessoas autorizadas pelo IBAMA. As áreas de proteção ambiental visam garantir a proteção da grande reserva de mata atlântica ainda existente lá e da vida marinha existente no entorno da ilha.



Itaguaí - Rio de Janeiro

Itaguaí é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro, localizado na Microrregião de Itaguaí pertencente a Mesorregião Metropolitana do Rio de Janeiro a 73 km da capital fluminense.


Itaguaí



Itaperuna - Rio de Janeiro


Itaperuna é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Está a uma altitude de 108 metros. Sua população atual é 102.781 habitantes, dados do IBGE 2008.Itaperuna está a 72 km do município de Carangola.

Itaperuna


História

A região de Itaperuna foi desbravada por José de Lannes Dantas Brandão a partir de 1829, após sua deserção da milícia do Exército. Ao chegar nessa região em 1834, se estabeleceu num lugar que foi denominado Porto Alegre. Pelos serviços de colonização prestados à Coroa, com o advento da economia cafeeira foi perdoado, tendo sido morto por seus escravos em 1852.
Em 24 de novembro de 1885 por decreto de nº 2.810, eleva a freguesia de Nossa Senhora da Natividade de Carangola (um dos primeiros nomes da cidade) à categoria de Vila de Itaperuna, levando esse nome por ser passagem para se chegar a Pedra do Elefante, localizada em Carangola, estado de Minas Gerais. Em 1887, foi criada a freguesia de São José do Avaí, nome em homenagem às Armas Brasileiras na Guerra do Paraguai. Foram doados 15 alqueires de terra para patrimônio dessa Vila pelo Sr. Jayme Porto e Senhora.
Em 10 de maio de 1889 foi feita a primeira eleição para a Câmara dos Vereadores, sendo a vitória dos Republicanos, que tomaram posse no dia 4 de julho do mesmo ano, sendo portanto a primeira Câmara republicana do país, em pleno regime monárquico, regime esse que viria a ser desbancado pelo Marechal Deodoro.
Em 6 de dezembro de 1889 foi a vila de São José do Avaí transformada em município de Itaperuna, sendo criada sua respectiva Comarca.
A cultura cafeeira foi um grande destaque na economia da cidade por mais de quatro décadas, tornando-a em 1927 a maior produtora nacional.

Itaperuna


Do território original do município de Itaperuna foram desmembrados outros seguintes: Bom Jesus do Itabapoana em 1938, Natividade e Porciúncula em 1947 e Laje do Muriaé em 1962, ficando Itaperuna com seu atual contorno. Itaperuna também é destaque no esporte, em especial no futebol, em que o Itaperuna Esporte Clube, antigo Porto Alegre, já elevou o nome da cidade em várias competições.
O Itaperuna Esporte Clube já disputou memoráveis partidas contra os principais clubes da capital fluminense, conseguindo inclusive êxito em jogos contra Botafogo, Fluminense, Flamengo. O curioso é que contra o Vasco da Gama o Itaperuna jamais conseguiu um empate sequer, perdendo todos os jogos para o time carioca.


Macaé - Rio de Janeiro

Macaé é um município localizado no estado brasileiro do Rio de Janeiro. Possui uma área total de 1.215,904 km².

Macaé


As ligações da sede municipal são feitas por duas rodovias e uma ferrovia. A RJ-106 percorre todo o litoral, de Rio das Ostras a Carapebus, atravessando o centro da cidade. A RJ-168 corta o município de leste a oeste, acessando a BR-101, que alcança Conceição de Macabu, ao norte, e Rio das Ostras, ao sul. Com apenas um pequeno trecho asfaltado, a RJ-162 tem um traçado pelo interior, alcançando Trajano de Moraes, ao norte e Casimiro de Abreu, ao sul.
A ferrovia, que liga o Rio de Janeiro ao Espírito Santo, é usada quase que exclusivamente para transporte de cargas.
Macaé está localizada a uma latitude de -22º22'33" e longitude de -41º46'30" e faz divisa com as cidades de Quissamã, Carapebus, Conceição de Macabu, ao Norte; Rio das Ostras e Casimiro de Abreu, ao Sul; Trajano de Moraes e Nova Friburgo, a Oeste; e com o Oceano Atlântico, a Leste.

Macaé

Macaé

Rio de Janeiro - Niterói


Niterói é um município do estado do Rio de Janeiro. Conta com uma população estimada de 479.384 habitantes (2009)[2] e uma área de 129,375 km².

Niterói


Nova Friburgo - Rio de janeiro




Nova Friburgo é uma cidade, sede do município de mesmo nome, no estado do Rio de Janeiro, no Brasil.
Localiza-se no centro-norte do estado do Rio de Janeiro, na região serrana, a 22º16'55" de latitude sul e 42º31'52" de longitude oeste, a uma altitude de 846 metros, distando 136 km da capital fluminense. Ocupa uma área de 935,81 km². Compreende os distritos de Riograndina, Campo do Coelho, Amparo, Conselheiro Paulino, Lumiar, São Pedro da Serra e Muri.
Sua população estimada no dia 1 de Julho de 2009 era de 178.653 habitantes, mas presume-se que na cidade já tenham quase 200 mil habitantes. As principais atividades econômicas são baseadas em: indústria de moda íntima, olericultura, caprinocultura e indústria (têxteis, vestuário, metalúrgicas e turismo). É a segunda maior cidade da região atrás apenas de Petrópolis e a principal cidade de uma região que compreende cerca de 12 municípios do centro norte fluminense, tendo influência em várias cidades da zona da mata mineira. É também a cidade mais fria do estado.

Nova Friburgo

 
Nova Friburgo

Nova Friburgo


Rio de Janeiro - Rio das Ostras

Rio das Ostras é um município brasileiro do estado do Rio de Janeiro. Localiza-se na Região dos Lagos, a 22º31'37" de latitude sul e 41º56'42" de longitude oeste, a uma altitude de 4 metros. Sua população aferida na contagem do IBGE de 2008 foi de 91.085 habitantes.
Dotado de belas praias, tem recebido altos investimentos aplicáveis em infra-estrutura provenientes dos royalties concedidos pela Petrobras na área em questão. As praias mais conhecidas são: Praia da Tartaruga, Praia do Centro, Praia do Bosque e Costa Azul. Nesta última existe a possibilidade da prática do surfe. Um dos pontos mais visitados no município é a Praça da Baleia, ao final da praia de Costa Azul. Nesta praça, há uma estátua de baleia Jubarte esculpida em bronze.

Praça da Baleia

Rio das Ostras


Rio de Janeiro - Rio de janeiro


A região que ocupa atualmente a cidade do Rio de Janeiro foi descoberta no dia 1º de janeiro de 1502 por uma expedição portuguesa comandada por Gaspar de Lemos, que acreditou ter chegado à desembocadura de um grande rio, assim, batizou a baía com o nome de Rio de Janeiro. Contudo, foram os franceses que primeiro se estabeleceram na região e competiam com os portugueses no comércio madeireiro. Os portugueses estabeleceram serrarias naquela localidade e, em resposta à ameaça da presença portuguesa, os franceses trouxeram colonos para habitar e explorar o lugar, em 1555. Depois de anos de luta os franceses foram expulsos. Como resposta às intenções francesas, no dia 1º de março de 1565, Estácio de Sá funda a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro. A cidade possuía ruas irregulares e estilo português medieval. A expulsão definitiva dos franceses ocorreu em 1567. Devido à posição estratégica da cidade na Baía de Guanabara, desenvolveu-se ali uma zona portuária e comercial (madeira, pesca e cana-de-açúcar), desta forma, a população também aumentou. Em 1660, a população daquela cidade contava com 6000 índios, 750 portugueses e 100 negros. No fim do século XVII e início do século XVIII, a descoberta de metais, especialmente ouro, em Minas Gerais, fez com que o Rio de Janeiro se transformasse numa ponte entre as minas e a Europa.


Foto: Pão de açucar


No final do século XVIII, a cidade foi abalada por uma crise econômica, as minas já não produziam tanto e havia outros países sul-americanos que competiam com o Brasil na produção de cana-de-açúcar. Contudo, o cultivo do café, a chegada da família real, em 1808, e o conseqüente translado do governo português para a colônia deram um novo alento à economia da cidade. Nesta época, a realeza construiu igrejas e palácios. Na segunda metade do século XIX, a instalação de vias férreas trouxe um novo impulso à produção agrícola e de café, começavam a aparecer as primeiras indústrias no centro da cidade, a iluminação a gás e circulavam transportes com tração animal. A cidade havia crescido bastante, no final do século XIX, contava com 800.000 habitantes e os problemas sanitários, de emprego, habitacionais e as constantes epidemias de varíola, tuberculose e febre amarela castigavam a então capital do Brasil. Em 1903, Francisco Pereira passos tornou-se prefeito da cidade. Durante sua administração foram criadas avenidas e parques e também um novo porto, casas sem condições adequadas de higiene foram demolidas levando a população pobre a viver nos subúrbios.

Praia de Copacabana


A cidade do Rio de Janeiro conheceu seu maior esplendor entre 1920 e 1950, quando pessoas do mundo inteiro vinham atraídas pela sua imagem romântica, seus cassinos e suas belezas naturais. Em 1960, deixou de ser capital do país.


Foto do Cristo

Maracana

Vista do Rio de Janeiro




                                                       Rio Grande do Norte - Natal


Natal é um município brasileiro, capital do estado do Rio Grande do Norte, pertencente à Região Metropolitana de Natal, à microrregião de Natal, à mesorregião do Leste Potiguar e ao Pólo Costa das Dunas. A cidade nasceu as margens do rio Potengi e do Forte dos Reis Magos, no extremo-nordeste do Brasil numa região chamada "esquina do continente" distante a 2.507 quilômetros de Brasília. É conhecida como a "Cidade do Sol" ou "Noiva do Sol" por ser uma das localidades com o maior número de dias de sol no Brasil, chegando a aproximadamente trezentos.Também a chamam de "Capital Espacial do Brasil" devido às operações da primeira base de foguetes da América do Sul, o Centro de Lançamento da Barreira do Inferno no município limítrofe de Parnamirim.


Natal

Capital menos violenta do Brasil, décima-quarta cidade mais segura do Brasil, e terceira cidade com melhor qualidade de vida do Norte-Nordeste, é a vigésima-primeira cidade mais populosa do país, detendo em 2009, uma população de 806.203 habitantes (ou 1.312.123, contando a região metropolitana). Há controvérsias com relação a população da cidade. Pesquisas não-oficiais indicam que Natal já vive a expectativa para o anúncio, embora não oficial da cifra de 1 milhão de habitantes, já que os censos populacionais não contabilizam Nova Parnamirim que é uma extensão da zona sul da cidade dentro do município vizinho de Parnamirim;região de conurbação de aproximadamente 50 mil habitantes. Atualmente a cidade cresce num ritmo alucinante. Só a Zona Norte tem uma população de 440 mil habitantes, sendo assim quase que impossível a cidade toda ter pouco mais de 800 mil moradores. Atrai aproximadamente 2 milhões de turistas ao ano por dotar de muitas praias e belezas naturais e também por sediar a maior micareta do país, o Carnatal; o que faz com que a cidade se configure como a oitava cidade mais visitada por turistas do Brasil (dado de 2005), e a cidade mais visitada por portugueses. O município foi eleito pela Aviesp (Associação das Agências de Viagens Independentes do Estado de São Paulo) como melhor destino turístico do Brasil em 2007,e também é uma das cidades com o maior número de leitos turisticos do Brasil, sendo aproximadamente 28 mil.


Praça André de Albuquerque - Centro


Historicamente, a cidade também teve grande importância durante a Segunda Guerra Mundial em 1942 durante a Operação Tocha, já que os aviões da base aliada americana se abasteciam com combustível no lugar que hoje é o Aeroporto Internacional Augusto Severo, sendo classificada como "um dos quatro pontos mais estratégicos do mundo" pelo Departamento de Guerra dos EUA, junto com Suez, Gibraltar e Bósforo.
É o trigésimo-nono maior PIB municipal da nação, sendo que sua economia não se resume só no turismo, mas também no comércio, indústria e construção civil, tanto que foi eleita a quarta melhor cidade do Nordeste para se trabalhar e a capital do Nordeste em que se paga melhor a um trabalhador em um emprego formal no Nordeste do Brasil tendo também o quinto maior poder de compra por parte da população no Brasil. É terra do folclorista Luís da Câmara Cascudo e do poeta Ferreira Itajubá, possuindo monumentos históricos como o Teatro Alberto Maranhão e a Coluna Capitolina Del Pretti, ambos no Centro Histórico de Natal, além de outras atrações como a Ponte Newton Navarro, o maior cajueiro do mundo, o Parque da Cidade e praias como Ponta Negra, Genipabu e Pipa.

Rua da Conceição - Ribeira



É a capital brasileira mais próxima do continente europeu, estando situada numa espécie de triângulo natural com um vértice para o norte, que é banhado de um lado pelo Rio Potenji e de outro pelo Oceano Atlântico, recebendo ventos constantes, condição que lhe concedeu o título, segundo a NASA, de cidade detentora do ar mais puro e renovável do continente sul-americano. Está localizada no litoral do estado, numa região essencialmente cercada de dunas com uma altitude média de trinta e três metros acima do nível do mar.


Largo cidade Alta - Natal


Praia de Genipabu (Litoral Norte) Os passeios de jangada com parada para um mergulho a 3 Km da costa, as emoções dos passeios de bugre nas dunas e a visita a sua lagoa fazem de Genipabu um passeio inesquecível. Acesso pela Estrada da Redinha.
 

Praia de Genipabu (Litoral Norte)



Barreira do Inferno (Litoral Sul) A cidade do Natal também é conhecida como "Capital Espacial do Brasil" por abrigar a primeira base de lançamentos de foguetes instalada na América do Sul. Hoje, realiza pesquisas espaciais e recebe visitantes com horário marcado.


Barreira do Inferno (Litoral Sul)


Centro de Turismo Antiga Casa de Dentenção de Natal, abriga a Galeria de Arte Antiga e Contemporânea, lojas de artesanato e é palco de apresentações folclóricas. Situado a rua Aderbal de Figueiredo, no bairro de Petrópolis.


Antiga Casa de Detenção de Natal





Capitania das Artes Restaurada pela SECTUR, seu prédio reúne a beleza da arquitetura neoclássica, de seu frontão; e amplos vãos livres de arquitetura moderna, de seu interior. Já foi Capitania dos Portos e sede do Governo.
 
 

Capitania das Artes Restaurada pela SECTUR

Forte dos Reis Magos Construído sobre os recifes e banhado pelo rio Potengi e pelo Oceano Atlâtico, é o marco inicial da história da cidade do Natal. É tombado pelo Patrimônio Histórico Nacional. Praia do Forte.


Forte dos Reis Magos



Teatro Alberto Maranháo Teve a sua construção iniciada em 1818 e concluida em 1904. Sua arquitetura neoclássica encontra-se totalmente restaurada. Localizado na praça Augusto Severo, no bairro Ribeira.


Teatro Alberto Maranhão, Natal, RN


Praia da Barra de Tabatinga (Litoral Sul) Vale a pena esticar mais um pouco o passeio pelo litoral sul, passar pela praia de Búzios e chegar a Tabatinga para conhecer o Mirante e a lagoa da Arituba. As altas barreiras de pedras fazem a singularidade do lugar.


Barra de Tabatinga - Natal - RN


Praia de Muriú (Litoral Norte) Uma das praias mais procuradas pelos veranistas de Natal, Muriú, destaca-se pelo seu vasto coqueiral e pela maciez de suas ondas. No seu cardápio, camarões e lagostas tipo exportação. Acesso pela Estrada de Extremoz.


Praia de Muriú

Praia de Pirangi (Litoral Sul) Assim como Ponta Negra, Pirangi conta com ótima infra-estrutura turística. Destacam-se a beleza de seus coqueirais, o rio Pirangi e o passeio de barco no baía de Cotovelo. Acesso pela Rota do Sol - Sul.



Praia de Pirangi


Praia de Ponta Negra (Litoral Sul) Um dos mais conhecidos cartões postais da cidade, Ponta Negra é um capricho da natureza. Nas suas barraquinhas de praia podemos apreciar petiscos como: peixe frito, caranguejo e ostras. O Morro do Careca é sua principal atraçáo natural.


Praia de Ponta Negra


Praia da Redinha (Litoral Norte) A praia da Redinha abriga a beleza do encontro das águas do rio Potengi com o mar. Fonte de inspiração de poetas e escritores, de sua margem avista-se o Forte dos Reis Magos e os bairros de Santos Reis e Petrópolis. Acesso pela ponte de Igapó


Praia da Redinha (Litoral Norte)



Via Costeira Ao lado esquerdo da Via, fica o Centro de Convenções e 9 km de dunas preservadas em plena cidade. Ao lado direito, concentram-se, a beira-mar, hotéis com arquiteturas arrojadas. Acessos pela praia de Areia Preta ou pela Estrada de Ponta Negra.

Via Costeira



Porto Alegre



Porto Alegre é um município brasileiro e a capital do estado mais meridional do Brasil, o Rio Grande do Sul. Pertence à mesorregião metropolitana de Porto Alegre e à microrregião de Porto Alegre, e localiza-se junto ao Guaiba, a 2027 quilômetros de Brasília.
A cidade constituiu-se a partir da chegada de casais açorianos portugueses na primeira metade do século XVIII. No século XIX contou com o influxo de muitos imigrantes alemães e italianos (também recebeu imigrantes árabes e poloneses).


Porto Alegre

O feriado de Porto Alegre é o dia 2 de fevereiro, dia de Nossa Senhora dos Navegantes, festa religiosa mais popular da cidade. É uma das capitais estaduais no Brasil onde o índice de desenvolvimento humano é o mais elevado. É também a capital da Região Sul com a maior Renda per capita, e sua região metropolitana é entre todas as pesquisadas, a com o menor indice de pobreza e desemprego, segundo o IPEA e IBGE respectivamente.
É a maior região metropolitana do sul do país, e a quarta mais populosa do Brasil, com 3 959 807 habitantes, e a terceira mais rica (IBGE/2007).Na capital gaúcha residem atualmente (2009) 1.436.123 milhões de pessoas, sendo a décima primeira cidade mais populosa do Brasil de acordo com dados do IBGE.


Porto Velho

Em 2004, Porto Alegre foi eleita pela consultoria britânica Jones Lang LaSalle uma das 24 cidades com maior potencial para atrair investimentos no mundo, e a única representante brasileira. A cidade é também um importante pólo educacional que atrai estudantes de toda a região Sul do Brasil e até de outras regiões do país e também dos países do Mercosul, pois conta com ótimas universidades, entre elas a UFRGS que é classificada como uma das melhores do mundo.Porto Alegre é umas das cidades brasileiras que mais sediam eventos internacionais na América Latina. Em 2001, a cidade ganhou reconhecimento internacional ao sediar a primeira edição Fórum Social Mundial, evento agora itinerante, que enfoca as questões sociais do mundo atual sob a perspectiva da esquerda política. Foi sede deste evento também em 2002, 2003 e 2005 em 2010 o evento volta a cidade.


Porto Alegre

Porto Alegre será uma das 12 cidades-sede da Copa do Mundo de 2014. O anúncio foi feito em 31 de maio de 2009, em Nassau (Bahamas). Em virtude dos jogos, está prevista a realização de diversas obras, como duplicação de avenidas e ampliação do metrô.




Porto Alegre - Pontos turísticos


Prefeitura

Praça Italia


Estátua do Laçador


Monumento aos Açorianos


Catedral Metropolotana


Igreja Nossa Senhora das Dores


Mercado Público


Museu de Arte do Rio Grande do Sul (MARGS)


Fundação Iberê Camargo


Chalé da Praça XV


Casa de Cultura Mario Quintana


Parque Moinhos de Vento











                                                                          Porto Velho


Porto Velho é a capital e o maior município, tanto em extensão territorial quanto em população, do Estado de Rondônia. Com uma área de 34.068,50 km², o município é maior que os estados de Sergipe e Alagoas. Contudo, sua população é de 379.186 habitantes, sendo a terceira maior capital da região Norte (superada apenas pelas cidades de Manaus e Belém), e a 57ª cidade mais populosa do Brasil. Localiza-se à margem direita do rio Madeira (afluente do Rio Amazonas).


Palácio Getúlio Vargas


Escadarias de acesso ao Palácio Getúlio Vargas, sede do governo do estado de Rondônia. O prédio está situado bem no centro da cidade, em frente a uma praça generosamente arborizada, e que - graças ao forte calor que costuma fazer na região costuma reunir pessoas a procura de uma sombra amiga para descansar ou simplesmente bater um papo após o almoço. Nos últimos anos, a cidade tem apresentado um grande crescimento em direção aos bairros afastados do centro, como o de Esplanada. É lá onde hoje erguem-se os modernos prédios administrativos estaduais e federais, bem como luxuosas residências.


Catedral Sagrado Coração


A Catedral Sagrado Coração de Jesus é uma das principais referencias arquitetônicas e religiosas da cidade. A pouca distância dela estão as movimentadas ruas do centro, com um comércio quase sempre frenético. Para conhecer a cidade a pé é recomendável é recomendável não esquecer de beber muita água e um bom protetor solar. O calor de Porto Velho é intenso e está presente quase o tempo todo. Boas alternativas para quem quiser se refrescar um pouco é ir nadar na Lagoa Belmont, Praia dos Periquitos ou Praia da Areia Branca, estas duas últimas às margens do rio Madeira. Quanto à culinária local, não deixe de experimentar alguns quitutes, como tacacá, pato no tucupi, tucunaré frito e as frutas típicas tucumã, jambo ou cajá.


praça e prédio residencial


Ao lado, praça e prédio residencial próximo ao centro da cidade. Muitos turistas que vem a Porto Velho gostam de esticar o passeio para conhecer também o lugar conhecido como Jerusalém da Amazônia. Situada somente a 20 km do centro de Porto Velho, ela constitui a segunda maior cidade cenográfica do país. Embora menos conhecida que sua irmã de Recife, a Jerusalém da Amazônia atrais todos milhares de turistas para assistir as comemorações da Semana Santa. Observe, no entanto, que aqui a encenação ocorre geralmente na segunda semana de maio.

Real Forte Príncipe da Beira


Outro ponto turístico situado próximo a Porto Velho é o Real Forte Príncipe da Beira, construído às margens do rio Guaporé, próximo a fronteira com a Bolívia. Trata-se do mais importante e antigo patrimônio histórico do estado de Rondônia, e com certeza um dos mais significativos de toda região norte. Construído pelos colonizadores portugueses com a finalidade de proteger a fronteira oeste do Brasil, ele na verdade nunca chegou a desempenhar funções militares, e terminou sendo utilizado principalmente como presídio para os desterrados pela coroa portuguesa. Hoje, suas muralhas com mais de dez metros de altura, intercaladas por torres de guarda parecem estranhamente deslocadas em plena Amazônia, mas mesmo assim atraem centenas turistas em busca de aventura.
 
 

Transporte Fluvial

Típicas embarcações como esta formam o principal meio de transporte entre Porto Velho e tantas outras pequenas localidades situadas ao longo das margens dos rios que cortam a região. Daqui saem até mesmo embarcações com destino destinos mais distantes, como Manaus. Numa terra com poucas estradas e dezenas de rios, o transporte fluvial permanece ainda hoje como a principal alternativa para milhares de pessoas. Cada passageiro deve levar sua rede, onde passa a noite, mas algumas destas embarcações oferecem aposentos privativos e com mais conforto. Observe, no topo da embarcação a antena parabólica, símbolo da penetração que a televisão tem em praticamente todos os recantos do país.

Restaurantes

Um dos points de Porto Velho está situado às margens do rio Madeira, onde dezenas de restaurantes e bares, num ambientes informal e descontraído, oferecem pratos típicos a preços muito convidativos. Como é fácil de supor para uma cidade à beira de rio, os peixes são a pedida certa do cardápio local, assim Dourados, Capararis, Surubins, Piramutabas, Tambaquis e Tucunarés são sempre opções deliciosas. Ao sair, atravesse a rua e não deixe de visitar o prédio do Mercado Central, que oferece desde curiosidades e pratos típicos até artigos do dia a dia e peças do artesanato local.


Museu Ferroviário

No início do século passado centenas de desbravadores vieram para a região que hoje corresponde ao estado de Rondônia, com o objetivo de construir uma grande estrada de ferro, a Madeira Mamoré, que teria como objetivo servir como principal via de transporte para o escoamento da grande produção de borracha. Os trabalhos foram iniciados em 1907 e duraram cinco anos, mesmo assim a obra nunca chegou a ser concluída, devido às doenças tropicais que atingiam os trabalhadores. Porto Velho surgiu em outubro de 1914, ao término desta fase, e atualmente, entre suas atrações, está o Museu Ferroviário da Estrada de Ferro Madeira Mamoré (EFMM), onde podem ser apreciadas algumas das antigas locomotivas que desbravavam a selva, cem anos atrás.
Após a desativação da Estrada de Ferro Madeira Mamoré um de seus imensos galpões foi transformado em Museu. Lá estão diversas peças contando um pouco do período em que tantos desbravadores e aventureiros desafiaram a selva na tentativa de construir uma grande ferrovia. Entre as peças do museu destaca-se a primeira locomotiva trazida para a Amazônia, a Coronel Churchill, vinda diretamente da Inglaterra. Lá também estão diversos equipamentos ferroviários, móveis e fotografias da época.

Museu da EFMM


A primeira tentativa de construção de uma ferrovia em Rondônia aconteceu em 1872, mas na verdade somente após a assinatura do Tratado de Petrópolis, em 1903, quando foi definida a fronteira entre Brasil e Bolívia, foram iniciados os trabalhos de construção da ferrovia EFMM. Seu objetivo era permitir o transporte da borracha – na época considerada o Ouro Branco – dos seringais para os grandes centros consumidores e de exportação, ou seja, Porto Velho. No entanto, as dificuldades para construir uma ferrovia em plena selva amazônica foram muito maiores que o previsto, e milhares de homens morreram durante as obras, como conseqüência de malária e febre amarela. Na verdade a ferrovia nunca chegou a uma operação plena, como projetado, e após o término do ciclo da borracha na região Amazônia ela tornou-se inviável comercialmente e foi desativada. Somente nos anos 80 a EFMM voltaria a funcionar, mesmo assim somente para fins turísticos, ao longo de apenas sete de seus 366 km originais. Ao lado, outra foto do Museu da EFMM.


Rio Madeira


Um dos melhores passeios que podem ser feitos por quem está em Porto Velho é dirigir-se até o cais turístico da cidade e embarcar numa das embarcações turísticas que percorrem o rio Madeira. O roteiro básico costuma seguir até a Cachoeira de Santo Antônio e, em meio a muito verde e muita água, é impossível deixar de ficar impressionado com a exuberância da natureza desta região, seus rios e selvas.

Roraima


Boa Vista




Boa Vista é a capital e o município mais populoso do estado brasileiro de Roraima. Concentrando aproximadamente dois terços dos roraimenses, situa-se na margem direita do rio Branco. É a única capital brasileira localizada totalmente ao norte da linha do Equador.


Boa Vista


Moderna, a cidade destaca-se entre as capitais da Amazônia pelo traçado urbano organizado de forma radial, planejado no período entre 1944 e 1946 pelo engenheiro civil Darcy Aleixo Derenusson, lembrando um leque, em alusão às ruas de Paris, na França. Foi construído no governo do capitão Ene Garcez, o primeiro governador do então Território Federal do Rio Branco. As principais avenidas do Centro da cidade convergem para a Praça do Centro Cívico Joaquim Nabuco, onde se concentram as sedes dos três poderes — Legislativo, Judiciário e Executivo. Além de pontos culturais (teatros e palácios), hotéis, bancos, correios e catedrais religiosas.
É uma cidade tipicamente administrativa e concentra todos os serviços estaduais.


Catedral Cristo Redentor

Bosque Boa Vista

Verorio - Boa Vista
O Garimpeiro, Boa Vista



São Paulo


São Paulo

A fundação de São Paulo insere-se no processo de ocupação e exploração das terras americanas pelos portugueses, a partir do século XVI. Inicialmente, os colonizadores fundaram a Vila de Santo André da Borda do Campo (1553), constantemente ameaçada pelos povos indígenas da região. Nessa época, um grupo de padres da Companhia de Jesus, da qual faziam parte José de Anchieta e Manoel da Nóbrega, escalaram a serra do mar chegando ao planalto de Piratininga onde encontraram "ares frios e temperados como os de Espanha" e "uma terra mui sadia, fresca e de boas águas". Do ponto de vista da segurança, a localização topográfica de São Paulo era perfeita: situava-se numa colina alta e plana, cercada por dois rios, o Tamanduateí e o Anhangabaú.
Nesse lugar, fundaram o Colégio dos Jesuítas em 25 de janeiro de 1554, ao redor do qual iniciou-se a construção das primeiras casas de taipa que dariam origem ao povoado de São Paulo de Piratininga.
Em 1560, o povoado ganhou foros de Vila e pelourinho mas a distância do litoral, o isolamento comercial e o solo inadequado ao cultivo de produtos de exportação, condenou a Vila a ocupar uma posição insignificante durante séculos na América Portuguesa.

Cidade de São Paulo

Por isso, ela ficou limitada ao que hoje denominamos Centro Velho de São Paulo ou triângulo histórico, em cujos vértices ficam os Conventos de São Francisco, de São Bento e do Carmo.
Até o século XIX, nas ruas do triângulo (atuais ruas Direita, XV de Novembro e São Bento) concentravam-se o comércio, a rede bancária e os principais serviços de São Paulo.
Em 1681, São Paulo foi considerada cabeça da Capitania de São Paulo e, em 1711, a Vila foi elevada à categoria de Cidade. Apesar disso, até o século XVIII, São Paulo continuava como um quartel-general de onde partiam as "bandeiras", expedições organizadas para apresar índios e procurar minerais preciosos nos sertões distantes. Ainda que não tenha contribuído para o crescimento econômico de São Paulo, a atividade bandeirante foi a responsável pelo devassamento e ampliação do território brasileiro a sul e a sudoeste, na proporção direta do extermínio das nações indígenas que opunham resistência a esse empreendimento.

Anhangabau

A área urbana inicial, contudo, ampliou-se com a abertura de duas novas ruas, a Líbero Badaró e a Florêncio de Abreu. Em 1825, inaugurou-se o primeiro jardim público de São Paulo, o atual Jardim da Luz, iniciativa que indica uma preocupação urbanística com o aformoseamento da cidade.
No início do século XIX, com a independência do Brasil, São Paulo firmou-se como capital da província e sede de uma Academia de Direito, convertendo-se em importante núcleo de atividades intelectuais e políticas. Concorreram também para isso, a criação da Escola Normal, a impressão de jornais e livros e o incremento das atividades culturais.
No final do século, a cidade passou por profundas transformações econômicas e sociais decorrentes da expansão da lavoura cafeeira em várias regiões paulistas, da construção da estrada de ferro Santos-Jundiaí (1867) e do afluxo de imigrantes europeus. Para se ter uma idéia do crescimento vertiginoso da cidade na virada do século, basta observar que em 1895 a população de São Paulo era de 130 mil habitantes (dos quais 71 mil eram estrangeiros), chegando a 239.820 em 1900!). Nesse período, a área urbana se expandiu para além do perímetro do triângulo, surgiram as primeiras linhas de bondes, os reservatórios de água e a iluminação a gás.




Teatro Municipal



Esses fatores somados já esboçavam a formação de um parque industrial paulistano. A ocupação do espaço urbano registrou essas transformações. O Brás e a Lapa transformaram-se em bairros operários por excelência; ali concentravam-se as indústrias próximas aos trilhos da estrada de ferro inglesa, nas várzeas alagadiças dos rios Tamanduatey e Tietê. A região do Bexiga foi ocupada, sobretudo, pelos imigrantes italianos e a Avenida Paulista e adjacências, áreas arborizadas, elevadas e arejadas, pelos palacetes dos grandes cafeicultores .
As mais importantes realizações urbanísticas do final do século foram, de fato, a abertura da Avenida Paulista (1891) e a construção do Viaduto do Chá (1892), que promoveu a ligação do "centro velho" com a "cidade nova", formada pela rua Barão de Itapetininga e adjacências. É importante lembrar, ainda, que logo a seguir (1901) foi construída a nova estação da São Paulo Railway, a notável Estação da Luz.
Do ponto de vista político-administrativo, o poder público municipal ganhou nova fisionomia. Desde o período colonial São Paulo era governada pela Câmara Municipal, instituição que reunia funções legislativas, executivas e judiciárias. Em 1898, com a criação do cargo de Prefeito Municipal, cujo primeiro titular foi o Conselheiro Antônio da Silva Prado, os poderes legislativo e executivo se separaram.
Masp

O século XX, em suas manifestações econômicas, culturais e artísticas, passa a ser sinônimo de progresso. A riqueza proporcionada pelo café espelha-se na São Paulo "moderna", até então acanhada e tristonha capital.

Trens, bondes, eletricidade, telefone, automóvel, velocidade, a cidade cresce, agiganta-se e recebe muitos melhoramentos urbanos como calçamento, praças, viadutos, parques e os primeiros arranha-céus.
O centro comercial com seus escritórios e lojas sofisticadas, expõe em suas vitrinas a moda recém lançada na Europa. Enquanto o café excitava os sentidos no estrangeiro, as novidades importadas chegavam ao Porto de Santos e subiam a serra em demanda à civilizada cidade planaltina. Sinais telegráficos traziam notícias do mundo e repercutiam na desenvolta imprensa local.
Nos navios carregados de produtos finos para damas e cavalheiros da alta classe, também chegavam os imigrantes italianos e espanhóis rumo às fazendas ou às recém instaladas indústrias, não sem antes passar uma temporada amontoados na famosa hospedaria dos imigrantes, no bairro do Brás.


São Paulo

Em 1911, a cidade ganhou seu Teatro Municipal, obra do arquiteto Ramos de Azevedo, celebrizado como sede de espetáculos operísticos, tidos como entretenimento elegante da elite paulistana.

Na década de 20, a industrialização ganha novo impulso, a cidade cresce (em 1920, São Paulo tinha 580 mil habitantes) e o café sofre mais uma grande crise. No entanto, a elite paulistana, num clima de incertezas mas de muito otimismo, frequenta os salões de dança, assiste às corridas de automóvel, às partidas de foot-ball, às demonstrações malabarísticas de aeroplanos, vai aos bailes de máscaras e participa de alegres corsos nas avenidas principais da cidade. Nesse ambiente, surge o irrequieto movimento modernista. Em 1922, Mário de Andrade, Oswald de Andrade, Luís Aranha, entre outros intelectuais e artistas, iniciam um movimento cultural que assimilava as técnicas artísticas modernas internacionais, apresentado na célebre Semana de Arte Moderna, no Teatro Municipal.
Em 1933, foi criada a Escola Livre de Sociologia e Política, destinada a formar técnicos para a administração pública; em 1934, Armando de Salles Oliveira, interventor do Estado, inaugurou a Universidade de São Paulo; em 1935, o Município de São Paulo ganhou, na gestão do prefeito Fábio Prado, o seu Departamento de Cultura e de Recreação.

São Paulo

Nesse mesmo período, a cidade presenciou uma realização urbanística notável, que testemunhava o seu processo de "verticalização": a inauguração, em 1934, do Edifício Martinelli, maior arranha-céu de São Paulo, à época, com 26 andares e 105 metros de altura!
Na década de 40 o prefeito Prestes Maia colocou em prática o seu "Plano de Avenidas", com amplos investimentos no sistema viário. Nos anos seguintes, a preocupação com o espaço urbano visava basicamente abrir caminho para os automóveis e atender aos interesses da indústria automobilística que se instalou em São Paulo em 1956.
Em 1954, São Paulo comemorou o centenário de sua fundação com diversos eventos, inclusive a inauguração do Parque Ibirapuera, principal área verde da cidade, que passou a abrigar edifício diversos projetados pelo arquiteto Oscar Niemeyer.
Nos anos 50, inicia-se o fenômeno de "desconcentração" do parque industrial de São Paulo que começou a se transferir para outros municípios da Região Metropolitana (ABCD, Osasco, Guarulhos, Santo Amaro) e do interior do Estado (Campinas, São José dos Campos, Sorocaba).
A população da metrópole paulistana cresceu na última década, de cerca de 10 para 16 milhões de habitantes.



Santa Catarina


Florianópolis


Florianópolis é a capital do estado de Santa Catarina e uma das três ilhas-capitais do Brasil. Destaca-se por ser a capital brasileira com o melhor índice de desenvolvimento humano (IDH), da ordem de 0,875, segundo relatório divulgado pela ONU em 2000. Esse índice também a torna a quarta cidade brasileira com a melhor qualidade de vida, atrás apenas das cidades de São Caetano do Sul e Águas de São Pedro, no estado de São Paulo e Niterói, no estado do (RJ).


Florianópolis

Localiza-se no centro-leste do estado de Santa Catarina e é banhada pelo Oceano Atlântico. Grande parte de Florianópolis (97,23%) está situada na Ilha de Santa Catarina, onde, somadas às continentais, existem cerca de 100 praias.

Florianópolis

Possui, segundo o IBGE no ano de 2009, uma população de 408.161 habitantes, sendo o segundo município mais populoso do estado, atrás apenas do município de Joinville.
As imagem "cartão-postal" que a identifica é a famosa Ponte Hercílio Luz (inaugurada em 1926), primeira ligação rodoviária entre a ilha e o continente.

Ponte Hercílio Luz



Costa Leste da Ilha do Campeche





Adrenailha Turismo de Aventura - Surf, Surfrafting, Mergulho, Escalada, Rapel, Cicloturismo, Trekking, Sandboard, Kite Terra, Canoagem
A ilha é tombada pelo Instituto do Patrimonio Histório e Artistico Nacional, todas as vistas as inscrições rupestres são monitoradas e é cobrado uma taxa por pessoa. os sítios arqueológicos datam entre 2000 a 5000 anos, revelando uma antiga e inteligente civilização que habitava o Arquipélago de Santa Catarina.
Como chegar: Do centro, siga pelo tunel, em direção ao sul da ilha até a praia da armação, de onde saem os barcos que levam até a ilha.
Localização: Sudeste da Ilha de Santa Catarina.

A exuberante Ilha do Campeche


Localizada na Costa Leste de Florianópolis, a Ilha fica em frente a Praia do Campeche. É rica em inscrições rupestres e oficinas líticas. Alongada, correndo na direção sudeste, dispõe de um ancoradouro para pequenas embarcações. Atualmente, a Ilha é ocupada pelo Clube de Preservação Ecológica e Esportiva Couto Magalhães. Com uma pequena extensão de areia, oferece serviços de bar e telefone público. Transporte marítimo com saída das Praias da Armação, Pântano do Sul e Campeche, todos com acompanhamento de guias capacitados. Área: 381.648.00 m2.

Como chegar: Saindo do Centro sentido Sul da Ilha, direção à Praia do Campeche. O acesso à Ilha é feito de barco, partindo da praia da Armação.
Localização: Localizada na Costa Leste de Florianópolis. Em frente a Praia do Campeche.

Florianópolis de um angulo melhor



As praias de Florianópolis


Praça Municipal de Florianópolis


Florianópolis de outro Angulo melhor


 

 
Sergipe

Aracaju


Aracaju é um município brasileiro e capital do estado de Sergipe. Localiza-se no litoral, sendo cortada por rios como o Sergipe e o Poxim. De acordo com a estimativa realizada, a cidade conta com 570.039 habitantes. Somando-se as populações dos municípios que formam a Grande Aracaju, Nossa Senhora do Socorro, Barra dos Coqueiros, Laranjeiras e São Cristóvão, o número passa para 800 mil habitantes. A cidade é apontada como a capital com a melhor qualidade de vida do País, segundo o Ministério da Saúde. O topônimo "Aracaju" deriva da expressão indígena "ará acaiú", que em tupi-guarani significa "cajueiro dos papagaios". O elemento "ará" significa "Papagaio" e "acaiú", "fruto do cajueiro".


Aracaju

Horizonte de Aracaju

Ponte de Aracaju

Arcos da orla


Tocantins



Palmas


Fundada em 20 de maio de 1989, após a criação do Tocantins pela Constituição de 1988, Palmas primeiro foi criada nas pranchetas dos arquitetos urbanistas, depois pelas mãos dos trabalhadores locais e outros vindos de todo o País, e, por fim, só veio a ser implantada como Capital definitiva em 1º de janeiro de 1990, com a instalação dos poderes constituídos (após a alocação na capital provisória, Miracema do Tocantins). A Capital do Tocantins nascia como a realização dos anseios seculares de autonomia de um povo.


Palmas

Após quase vinte anos sua população está próxima dos 200 mil habitantes. Setenta por cento das quadras habitadas já estão pavimentadas. O mesmo ocorrendo com saneamento básico e água tratada que chega a 98% da população.


Praias belissimas

De um modo geral a cidade é caracterizada pelo seu planejamento, pois foi criada quase na mesma forma de Brasília, com a preservação de áreas ambientais, boas praças, hospitais e escolas.
A capital de Tocantins é a caçula entre as capitais brasileiras. A cidade é projetada e só foi inaugurada em 1989. Além de seus traços modernos onde abrigam um pouco menos de 200 mil habitantes, Palmas oferece uma boa infra-estrutura para o turismo.
Segunda capital mais segura do Brasil (superada apenas por Natal), é também, a última cidade do século XX completamente planejada, já que a cidade nasceu e foi projetada desde o ínicio para ser a capital do estado do Tocantins, sendo também a mais nova capital estadual do país fundada em 20 de maio de 1989.
O crescimento de Palmas foi demasiado grande durante a década de 1990, para se ter idéia, em 1991 a cidade tinha uma população de 24.261 habitantes. No ano de 2000, a cidade já contava com 130.528 habitantes. Apesar de uma desaceleração, Palmas tem um crescimento econômico de 8,7%, maior do que o índice nacional e do Tocantins.

Pontos Turísticos

Rio Tocantins

Por do Sol - Rio Tocantins

Banha a Cidade e serve de via de transporte para outros Municípios. Na época da seca oferece praias muito freqüentadas

Cachoeira do Roncador

Cachoeira do Roncador

Queda de 60 m de altura que termina numa piscina natural com água cristalina e gelada. Acesso por trilha que margeia o Riacho Brejo da Lagoa, na Serra do Lajeado.

Cachoeira Brejo da Lagoa

Cachoeira Brejo da Lagoa


Queda de aproximadamente 60 m de altura que termina numa piscina natural com água cristalina e gelada. Abriga um paredão de pedra que reflete a luz do sol nas pequenas gotas que caem, que ao encontrarem a piscina natural produzem cores como um caleidoscópio.

Praia da Graciosa

Praia da Graciosa

Montada às margens do Rio Tocantins, a 8 Km de Palmas, de julho a setembro, época na qual grande parte do País vive o período de chuvas intensas, a cidade oferece a praia de Graciosa, com uma vasta extensão de areias, estruturada para atender o turista em todos os aspectos. Ela se transforma em uma verdadeira cidade.

Parque Cesamar


Parque Cesamar

Tem uma ampla área para caminhada, lago onde se pode praticar canoagem, área de churrasqueira, bares e muito mais.


Reserva Ecológica do Lajeado

Reserva Ecológica do Lajeado

Com área de 1.050 km², apresenta relevos variados e vegetação de caatinga, cerrado e floresta úmida. É uma área de grande interesse biológico, possuindo fauna composta por gaviões-reais, urubus-rei, papagaios, araras, tucanos, antas, pacas, onças, entre outros.

Praça dos Girassóis

Praça dos Girassóis - Palmas, tocantins, Brasil

Localizada no ponto de encontro dos eixos Norte/Sul e Leste/Oeste que divide Palmas, é considerada a terceira maior praça pública do país. Tem 570 mil metros quadrados e conta com monumentos diversos, como o Memorial Luiz Carlos Prestes e Os 18 do Forte, além de uma cascata em frente a entrada Sul do Palácio Araguaia, sede do Governo do Estado

Fonte Luminosa
Fonte Luminosa

É impulsionada por vários tipos de iluminação e composições de jatos de água. Uma dessas formas é um girassol com pétalas abertas. É uma paisagem belíssima e relaxante.

Memorial Luiz Carlos Prestes

Memorial Luiz Carlos Prestes

Nos jardins em frente ao palácio há o monumento ao tenente Siqueira Campos, que participou do levante dos 18 do Forte de Copacabana e depois da Coluna Prestes, na primeira metade do Século 20. O Memorial guarda peças cedidas pela família de Prestes, que conta parte da história do levante.

Marco do Centro Geodésico do Brasil

Marco do Centro Geodésico do Brasil

O marco do centro geodésico do Brasil está situado na ala norte do Palácio Araguaia, simbolizado no centro da rosa dos ventos. O símbolo foi acrescido de referências das etnias indígenas do Tocantins que enriqueceu sua beleza e simetria, além de colocá-la em um contexto histórico e cultural. A rosa dos ventos da praça dos Girassóis possui em sua estrutura de formação toda a riqueza de detalhes artísticos da cultura tocantinense.



O Monumento 18 do Forte



O Monumento 18 do Forte

Localizado na Praça dos Girassóis, em Palmas - Tocantins, é uma homenagem ao Levante do Forte de Copacabana, Rio de Janeiro - RJ, de 5 de julho de 1922.

Palácio Araguaia

Palácio Araguaia - Palmas

Sede do poder executivo estadual, o Palácio Araguaia é um marco de onde foram projetadas ruas e avenidas da capital. Imponente, é o centro do plano diretor e ocupa uma área útil de 14 mil metros quadrados, com quatro pavimentos, sendo um subsolo. Seus arcos são uma referência histórica à Igreja de Nossa Senhora do Rosário dos Pretos, em Natividade. De arquitetura arrojada, o palácio Araguaia é o principal cartão postal de Palmas, e acompanha o projeto de modernidade da capital do Tocantins.
Praia de Palmas

Praia da Graciosa - Palmas

Lago - Palmas


Chile

O Chile (cujo nome oficial é República do Chile) é um país localizado no sudoeste da América do Sul, limitado a norte pelo Peru, a leste pela Bolívia e pela Argentina, a sul pelo Estreito de Drake e a oeste pelo Oceano Pacífico. Além do território continental e das muitas ilhas a ele próximas, em especial no sul do país, o Chile inclui também algumas ilhas oceânicas: a Ilha de Páscoa, a ilha Sala y Gómez, o Arquipélago Juan Fernández e as Ilhas Desventuradas. É ainda no Chile que se localiza a ponta sul da América do Sul: o Cabo Horn, que é simultaneamente o ponto mais próximo da Antárctida. Também no Chile está o que é considerado o lugar mais seco do planeta: o Deserto do Atacama, de 200 km de extensão, localizado em San Pedro do Atacama.

Chile

Colômbia



A Colômbia é um país da América do Sul. Seu limite ao norte é o Mar das Caraíbas, ao leste é a Venezuela e o Brasil, ao sul o Peru e Equador e a oeste o Oceano Pacífico e o Panamá. Além do território continental, inclui também dois pequenos territórios insulares, o território de San Andrés e Providencia, no Mar das Caraíbas, e a ilha de Malpelo, no Pacífico. É o segundo país mais populoso da América do Sul, com aproximadamente 45 milhões de habitantes, e é o terceiro país mais rico desta. É também o 25º maior país em área no mundo e o quarto da América do Sul, com 1.141.748 km² 
 Colômbia


Sua capital é Bogotá, fundada em 1538, com o nome de Santa Fé de Bogotá. Hoje possui quase sete milhões de habitantes, é a maior cidade do país e uma das mais populosas da América do Sul e do mundo.
Administrativamente, o país é dividido em 32 departamentos e em quatro distritos. A sua forma de governo é a República, com o presidente e o vice exercendo o mandato por quatro anos. A língua oficial é o castelhano, herdado dos colonizadores espanhóis que foram metrópole do país até o início do século XIX. Algumas de suas músicas típicas são o bambuco e a cumbia.
Equador

O Equador, oficialmente República do Equador (em espanhol: República del Ecuador) é um país da América do Sul, limitado a norte pela Colômbia, a leste e sul pelo Peru e a oeste pelo Oceano Pacífico. É um dos dois países da América do Sul que não fazem fronteiras com o Brasil, além do Chile. Além do território continental, o Equador possui também as ilhas Galápagos, a cerca de 960 km do território continental, sendo o mais próximo daquelas ilhas. Seu território de 256 370 km² é cortado ao meio pela Linha do Equador. A sua capital é Quito, todavia a maior cidade e a mais importante economicamente é Guayaquil.
 Equador

Parques nacionais do Equador

 
Guiana


A Guiana é um país localizado no norte da América do Sul, entre a Venezuela, o Brasil, o Suriname e o oceano Atlântico. A zona mais habitada é a faixa litorânea constituída por um terreno plano, pantanoso e, em grande parte, posicionado abaixo do nível do mar, para evitar inundações, foi construído um complexo sistema de diques e canais. O interior do país é ocupado pela densa floresta amazônica.
 Guiana
Guiana Francesa


A Guiana Francesa (em francês Guyane française, oficialmente apenas Guyane) é um departamento ultramarino da França (département d'outre-mer, em francês) na costa atlântica da América do Sul (e, como tal, é o principal território da União Europeia no continente). Ocupa uma superfície de 86.504 km², limitada ao norte pelo Oceano Atlântico, a leste e a sul pelo Brasil e a oeste pelo Suriname (junto à fronteira com este país está a cidade de Saint-Laurent-du-Maroni). Sua capital e principal cidade é Caiena (Cayenne).

Guiana Francesa

Ilha do Diabo - Guiana Francesa




Paraguai

O Paraguai (em espanhol Paraguay; em guarani Paraguái), oficialmente República do Paraguai (República del Paraguay; Tetã Paraguái), é um país do centro da América do Sul, limitado a norte e oeste pela Bolívia, a nordeste e leste pelo Brasil e a sul e oeste pela Argentina. Sua capital é a cidade de Assunção. O Paraguai é um dos dois países da América do Sul que não possuem uma saída para o mar, juntamente com a Bolívia. Possui uma área de 406.750km2, um pouco maior que o estado brasileiro de Mato Grosso do Sul. O nome do país é derivado da palavra guarani paraguái, que significa "de um grande rio". O "grande rio" é o rio Paraguai, que divide o pais em duas regiões, Region Oriental e Region Occidental (ou Chaco).

Paraguai


Situado no centro-sul da América do Sul, o Paraguai possui extensa área plana no leste, onde se cultiva soja, o principal produto de exportação. A região de savana do Gran Chaco, a oeste, é usada para a pecuária. O rio Paraguai, que liga o norte ao sul, é a principal via comercial num país sem acesso ao mar. Vivem no Paraguai muitos brasileiros, os brasiguaios, que ocupam uma área cada vez maior junto da fronteira com o Brasil, fonte de tensão com os habitantes locais. As usinas hidrelétricas construídas em associação com o Brasil (Itaipu) e a Argentina (Yaciretá) fornecem energia abundante e barata ao país.

Peru

O Peru (quéchua: Piruw; aimará: Piruw, oficialmente chamado de la República del Peru), é um país latino-americano limitado ao norte pelo Equador e pela Colômbia, a leste pelo Brasil e pela Bolívia e ao sul pelo Chile. O seu litoral é banhado pelo Oceano Pacífico.
O território peruano abrigou a civilização de Caral, uma das mais antigas do mundo, bem como o império Inca, considerado o maior Estado da América pré-colombiana. O seu território foi elevado a vice-reinado pelo Império Espanhol, no século XVI.
O Peru é uma república presidencialista democrática dividida em 25 regiões. A sua geografia é variada, exibindo desde planícies áridas, da costa do Pacífico, aos picos nevados, dos Andes, e à floresta amazônica, característica que proporciona a este país diversos recursos naturais.
 Catedral de Arequipa Segunda maior cidade do Peru.

As principais atividades econômicas incluem a agricultura, a pesca, a exploração mineral e a manufatura de produtos têxteis. Após a sua independência em 1821, o Peru passou por períodos de alternância entre turbulência política e crise fiscal e estabilidade e crescimento econômico.
A população peruana, estimada em 28 milhões, é de origem multiétnica e possui um alto grau de mestiçagem, incluindo ameríndios, europeus, africanos e asiáticos. O país é considerado nação em desenvolvimento e possui um nível de pobreza de 44%.
O idioma oficial é o espanhol, ainda que um número significativo de peruanos fale quechua e outras línguas nativas. A mistura de tradições culturais produziu uma diversidade de expressões nas artes, na culinária, na literatura e na música.
Suriname


O Suriname (em neerlandês: Suriname; em surinamês: Sranan), oficialmente chamado de República do Suriname, é um país do nordeste da América do Sul, limitado a norte pelo oceano Atlântico, a leste pela Guiana Francesa, a sul pelo Brasil e a oeste pela Guiana.
 Suriname
Uruguai


O Uruguai (oficialmente: República Oriental do Uruguai) é um país localizado na parte centro-sul da América do Sul e que é limitado a norte pelo estado do Rio Grande do Sul, República Federativa do Brasil, a leste pelo Oceano Atlântico, a sul pelo Rio da Prata e a oeste pela Argentina. Sua capital e maior cidade é Montevidéu.

Uruguai


Com uma renda per capita anual de 7.090 dólares americanos, o Uruguai ostenta uma das maiores rendas per capita e uma das menores taxas de pobreza da América Latina, aliando a isso um índice de analfabetismo dos mais baixos da região.
Com uma população de 3,3 milhões, o país é pioneiro na América do Sul na adoção de políticas sociais e foi o primeiro da região a criar um sistema de previdência. Além de seu elevado Índice de Desenvolvimento Humano frente aos demais países do continente, o Uruguai também é um modelo no setor de assistência aos idosos, que formam parte significativa da população
Templo de Montevidéu - (Uruguai)



Venezuela


A Venezuela (oficialmente República Bolivariana da Venezuela) é um Estado federal sul-americano, limitado ao norte pelo Mar do Caribe, a leste pelo Oceano Atlântico e pela Guiana, ao sul pelo Brasil e ao oeste pela Colômbia. Sua capital é a cidade de Caracas. O Estado venezuelano é uma república federal presidencialista. Deixou de ser membro do Pacto Andino e, em 9 de dezembro de 2005, protocolou seu pedido de adesão ao Mercosul, formalizada em 4 de julho de 2006, em Caracas.

Venezuela
Praia da Venezuela